Verde Farms e o futuro da carne a pasto

A carne bovina produzida a pasto comanda os preços premium nos EUA, mas Dana Ehrlich, co-fundador e diretor executivo da Verde Farms acredita que sua empresa pode trazer carne produzida a pasto ao alcance financeiro de mais consumidores; e ele está liderando o movimento de “democratizar” a carne a pasto, expandindo a linha de produtos da empresa para incluir mais cortes de carne com preços moderados.

Em setembro do ano passado, a empresa lançou as linhas de produtos Never Ever e Grass-Fed. A Verde Farms Never Ever traz carnes produzidas a pasto provenientes de gado que não foram criados em confinamentos e nunca foram tratados com hormônios de crescimento ou antibióticos. Os produtos grass-fed da empresa incluem carne proveniente de gado que recebeu antibióticos somente quando necessário para tratar uma condição específica.

A Verde Farms conta com Wegmans Food Markets, Whole Foods Market e outros varejistas nacionais como clientes atuais para a linha de carne orgânica de animais criados a pasto.

Proposição de valor

Fundada em 2005, a Verde Farms é uma fornecedora de carne bovina produzida a pasto para consumidores de varejo e de serviços alimentícios. A empresa tem uma rede de fazendas familiares no Uruguai, Austrália, Estados Unidos e Canadá que criam gado sem hormônios de crescimento, ao mesmo tempo que cumprem padrões de bem-estar animal.

A empresa fornece predominantemente carne de animais das raças Hereford e Angus. Os pesos vivos estão entre 1.100 libras e 1.200 libras (498,95 e 544,32 quilos), e os pesos podem variar de acordo com a estação. A carne é tipicamente mais magra em comparação com a carne terminada com grãos, mas Ehrlich disse que a essa característica agrada o consumidor que procura produtos mais saudáveis. Mas o preço da carne a pasto continua a ser um obstáculo para os consumidores interessados nisso.

“À medida que progredimos, percebemos que havia uma grande diferença entre a carne bovina convencional e a terminada com grãos – onde o gado é terminado em confinamentos – e nossa carne orgânica produzida a pasto”, disse Ehrlich.

Por exemplo, a diferença nos preços da carne commodity e da carne a pasto no varejo dos Estados Unidos foi de apenas U$ 3,13 para short ribs para um máximo de US $ 23,55 para o filé mignon em novembro passado, de acordo com o Relatório Nacional Mensal de Carne Produzida a Pasto do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA).

Para ter acesso ao preço premium, a Verde Farms desenvolveu a linha Grass-Fed como um programa de nível básico para clientes de foodservice e varejo, enquanto a linha Never Ever é um programa de médio alcance dentro do setor de carne a pasto.

A Verde Farms também oferece a linha Reserva, que é uma linha de qualidade de churrasco, 100% produzida a pasto. Ehrlich acredita que o premium entre a carne commodity e a carne a pasto diminuirá com o tempo.

“A carne a pasto não tem os subsídios à base de milho que são tão predominantes no sistema de confinamento. Então, ao longo do tempo, provavelmente haverá algum premium, mesmo no programa de nível básico. Mas à medida que expandimos e usamos as economias de escala que o resto do setor usa, podemos transferir essas economias de custos para os consumidores.

“Então, nosso ponto de preço de nível de entrada, embora ainda esteja acima da carne convencional, ainda está acessível para a grande maioria dos americanos. Então, existem outras coisas que podemos fazer, como a distribuição. Quanto maior a nossa pegada de carbono entra na distribuição, mais acessível, não apenas no Nordeste, no meio do Atlântico e na Costa Oeste, mas em toda a parte central da América.”

A carne moída lidera a categoria independentemente do nível dentro do setor de carne a pasto, mas Ehrlich disse que a Verde Farms está bem equilibrada usando toda a carcaça. “Então, isso significa usar tudo, de miúdos, a cortes de maior qualidade e carne moída”.

Ehrlich acrescentou que a Verde Farms atualmente está envolvida em uma produção de carne de valor agregado e a empresa se concentrará nesse segmento no futuro.

Inspiração da Argentina

Ehrlich era um engenheiro de semicondutores antes de entrar no negócio de carne bovina. Ele estava trabalhando em seu mestrado em administração de empresas na Tuck School of Business da Dartmouth College quando participou de um programa de intercâmbio em Buenos Aires, Argentina.

“Foi lá que comecei a comer muita carne a pasto, provavelmente pelo menos cinco (a) seis dias por semana; e quando voltei aos Estados Unidos descobri que havia algo diferente na carne bovina que estávamos comendo aqui e comecei a pesquisar sobre isso.”

Ele descobriu um forte potencial de uma oportunidade de negócio, juntamente com seus interesses pessoais em empreendedorismo, alimentação, meio-ambiente e saúde e bem-estar. “Eu vi a intersecção de todas essas coisas se juntarem e que a promoção e transformação da indústria pecuária quase de volta ao modelo de produção a pasto poderia resolver muitos problemas ambientais, bem como problemas pessoais.”

Ehrlich admitiu que enfrentou problemas para mudar para o setor de carne bovina vindo de um mercado da indústria de alta tecnologia, mas ele disse que muitas de suas habilidades se aplicavam ao setor de carne bovina.

“Eu tinha uma enorme quantidade de experiência em operações e gestão/desenvolvimento de produtos e isso foi muito bem aproveitado. E houve muitas coisas que não foram aproveitadas em termos de minha base de conhecimento. Levou uma quantidade significativa de tempo para aprender no início, e, claro, você sempre aprende quando prossegue. Tem sido um longo caminho, mas agora estamos no ponto em que desenvolvemos a empresa em algo substancial e temos muito mais progressos para alcançar.”

Parte do progresso da empresa é a conversão para uma nova infraestrutura de tecnologia da informação baseada na plataforma Salesforce.

“Pelo que eu vi, especialmente na maioria das empresas de carne de pequeno a médio porte, elas são muito conhecedores do setor de carne, mas são menos sofisticadas quando se trata do lado tecnológico das coisas. Então, aproveitei meus conhecimentos e contatos dentro do setor de tecnologia e tentei descobrir uma maneira de poder aproveitar esse conhecimento e aplicá-lo à nossa plataforma para torná-la mais escalável, fornecer mais informações sobre os dados que coletamos e, finalmente, fornecer um serviço de atendimento ao cliente de baixo custo e maior para nossos clientes.”

Foco na segurança alimentar

A Verde Farms conta com uma rede de produtores e processadores para produtos terminados. Os parceiros da empresa cumprem padrões rigorosos de segurança animal e segurança alimentar, disse Ehrlich. Por exemplo, toda a carne moída está sujeita a teste.

“Temos requisitos rigorosos em toda a cadeia de fornecimento e isso vai até a fazenda em termos de bem-estar animal e levantamento de protocolos. Nós até chegamos a não permitir que nenhuma raça leiteira ou tropical entrasse no programa para garantir a boa qualidade da carne. Temos outros requisitos, como certificações SQF ou BRC de nossas plantas. Então, há uma longa lista de protocolos e certificações que exigimos de todos os nossos parceiros dentro da cadeia.”

Produzindo carne a pasto

A Verde Farms está em uma trajetória de crescimento, mas não apenas nas vendas, e Ehrlich disse que todas as peças estão no lugar certo para expandir a empresa nos próximos três anos e depois disso. A empresa expandiu recentemente sua equipe executiva para incluir Paul Boulanger como diretor financeiro e diretor de operações; Joe Koch como vice-presidente de vendas e Pete Lewis como vice-presidente de marketing. Pablo Garbarino, co-fundador da Verde Farms e colega de classe de Ehrlich em Dartmouth, lidera as operações da América do Sul.

“Depois de 10 anos e um crescimento exponencial, era evidente que poderia escalar a organização. Vi uma enorme quantidade de potencial ainda dentro do setor, não apenas para o próximo ano ou dois, mas muito além.”

Ehrlich acrescentou que expandir a marca Verde Farms levou à adição de uma equipe de marketing e um departamento de vendas para que as reuniões presenciais com os clientes pudessem continuar. “Nós também estamos colocando mais tempo e atenção nas mídias sociais, incluindo o Facebook, nas promoções e merchandising fora da prateleira. Então, há muitas coisas diferentes que podemos trazer para a mesa para não somente nosso sucesso, mas de nossos clientes e, espero, dos consumidores quando levam o produto para casa e comem na mesa da cozinha.”

A Verde Farms também se mudou para um novo espaço que é o dobro do tamanho do antigo escritório para acomodar o crescente pessoal da empresa; promover o desenvolvimento de produtos e melhorar os serviços ao cliente. “Mesmo fora da nossa equipe de gerenciamento sênior, nossa base de funcionários cresceu consideravelmente ao longo dos últimos anos, e espero que isso aumente.”

De olho na ausência de confinamento

A Verde Farms aspira a ser a marca líder dentro da categoria de carne produzida a pasto, disse Ehrlich. Mas a empresa também está trabalhando para um sistema de produção de carne bovina que não dependa de confinamentos para bovinos.

A Verde Farms não espera que o setor de carne bovina mude da noite para o dia, mas a transformação da indústria de ovos para a produção livre de gaiolas é um sinal positivo.

“Certamente leva muito mais tempo para criar gado; há muitas implicações para como isso poderia acontecer, mas nosso objetivo com a Verde Farms é ajudar a promover e educar sobre os benefícios da carne produzida a pasto e, depois, permitir que os consumidores façam essa escolha. Acho que ao longo do tempo, quanto mais os consumidores aprendem, mais eles serão encorajados a avançar em nossa direção”.

Marfrig – Frigorífico Tacuarembó S.A.

Um dos frigoríficos que atuam nessa rede de produção da Verde Farms é o Marfrig – Frigorífico Tacuarembó S.A, no Uruguai.

Veja abaixo um vídeo da rede americana de burritos, boloco, mostrando que sua carne vem de uma das fazendas da Verde Farms, no Uruguai e é processada no Marfrig – Frigorífico Tacuarembó S.A.

O vídeo mostra que o frigorífico possui altos padrões de qualidade e bem-estar animal, incluindo o suporte nas instalações da especialista em bem-estar animal, Temple Grandin. Ela visitou o frigorífico e fez pequenas mudanças nas instalações que garantiram uma melhora significativa no bem-estar dos animais abatidos.

Fonte: Food Business News, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.


ou utilize o Facebook para comentar