Categories: Giro do Boi

Vendas de carnes devem passar de US$ 8 bilhões

Os abalos provocados pela pandemia nos mercados mundiais não atingiram as exportações da carne bovina brasileira. Pelo contrário, a crise atuou como alavanca para os negócios e abriu caminho para novos e futuros compradores. A expectativa é que os desembarques da carne bovina lá fora ultrapassem neste ano o recorde de US$ 8 bilhões.

“Há tratativas por parte do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento com países que representam grande volume de compras e que estão ansiosos pela carne bovina brasileira, como o Japão, Canadá e Taiwan”, afirma Antônio Jorge Camardelli, presidente da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes Industrializadas (Abiec).

O desempenho previsto para o ano é animador, e deverá bater recorde nos embarques, prevê o executivo. “A expectativa é que o volume atinja 2 milhões de toneladas”, afirma. No ano passado já houve um salto de 15,5% no faturamento ao bater em U$ 7,59 bilhões, com um total exportado de 1,84 milhão de toneladas, aumento de 12,4%.

Nos primeiros nove meses as vendas de carne in natura e processada cresceram 19,7% na receita e 11% no volume frente ao mesmo intervalo do ano passado, ou seja, US$ 6,1 bilhões e 1,460 milhão de toneladas, respectivamente. Os dados são da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) compilados pela Abiec. “A China segue puxando as compras, com 57,4% do total exportado, mas outros mercados também registram aumento na demanda, como Egito, Chile, Rússia, Estados Unidos e Filipinas.”

O Brasil está preparado para atender demandas futuras, que virão no pós – pandemia. “Países que tiverem as cadeias mais organizadas, como o Brasil, terão a chance de aumentar sua participação em mercados globais.”

A Marfrig acredita que o mercado estará cada vez mais ávido pelo produto brasileiro e que os impactos da pandemia foram “positivos para a companhia”. No primeiro semestre a empresa registrou um desempenho histórico, com receita líquida de R$ 32,3 bilhões e lucro líquido de R$ 2,16 bilhões. “Isso representa um aumento de 48% nas vendas e 400% no resultado em relação ao mesmo período de 2019”, explica Alisson Navarro, diretor de exportações da Marfrig para a América Latina.

A explicação para esse salto é compreensível, diz o executivo: quando o covid 19 chegou ao Brasil, o mercado asiático já estava, praticamente, retomando sua normalidade, enquanto o mercado interno brasileiro apresentava crescimento expressivo da doença, com a migração do food service para o varejo. A isso tudo junte-se a precificação do dólar a partir do segundo trimestre.

“Os impactos da pandemia no setor de produção e exportação de carnes da Marfrig foram positivos, e o terceiro trimestre também teve um desempenho excelente, com demanda ainda maior do mercado internacional, superando a oferta brasileira”, afirma. Segundo o executivo, a partir das próximas semanas, a disponibilidade de gado pronto para o abate deve melhorar com a chegada dos animais engordados no sistema intensivo de confinamento.

Os abates, de fato, apresentaram recuo de 8% no segundo trimestre comparado ao mesmo intervalo de 2019, contabilizando 7,301 milhões de cabeças, segundo levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De janeiro a março houve ligeiro crescimento, de 0,3%. Foi o pior resultado para um segundo trimestre desde 2011 provocado, em boa parte, pelos efeitos negativos da pandemia sobre o consumo de cortes de maior valor.

Para Navarro, as oportunidades no mercado internacional cresceram rapidamente nos últimos dois anos e já mostram uma participação relevante dos EUA. “É um mercado no qual nós temos uma margem melhor que em outros”, afirma. A exportação, diz, gira em torno de 70% da receita e a demanda por alimentos segue com forte tendência a aumentar nesse último trimestre, lembrando a conquista dos mercados europeu e tailandês, entre outros.

No primeiro semestre, o Brasil recebeu aprovação da Tailândia para exportar carne bovina com osso, dessossada e miúdos. Inicialmente, cinco frigoríficos foram habilitados para os embarques.

O momento também é favorável para a exportação de carne bovina da Minerva Foods. Entre abril e junho, a receita bruta nas exportações atingiu R$ 3,3 bilhões, avanço de 16,1% na comparação anual. Para o presidente da companhia, Fernando Galletti, o bom desempenho foi obtido mesmo diante dos impactos da covid-19. O comportamento do mercado, explica, foi muito mais “volátil” nesse período, exigindo agilidade dos executivos. Foi o melhor segundo trimestre da história da empresa.

Fonte: Valor Econômico.

This post was published on 15 de outubro de 2020

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

China deverá comprar mais carne bovina dos EUA

Por Greg Bloom Há muitas notícias sobre a China no ano passado que foram amplamente… Read More

23 de novembro de 2020

Grupo de pecuária sustentável atualiza guia ambiental para setor produtivo

Novos indicadores para orientar o setor produtivo a atingir a pecuária sustentável acabam de ser… Read More

23 de novembro de 2020

Eleição de Biden trará muitos efeitos para o agro brasileiro, diz Marcos Jank

O professor sênior de Agronegócio Global do Insper, Marcos Jank, disse nesta quinta-feira (19/11) que… Read More

23 de novembro de 2020

Preço da reposição segue firme e liquidez em leilões é total

Ao longo desta semana, o mercado de reposição operou com preços firmes, sustentados pela maior… Read More

23 de novembro de 2020

Arroba do boi termina a semana estacionada em R$ 285 em São Paulo

Na semana passada, o mercado brasileiro do boi gordo registrou quedas nos preços da arroba,… Read More

23 de novembro de 2020

JBS USA cobrirá todos os custos de saúde relacionados à covid-19 de seus empregados

A JBS USA informou nesta sexta-feira (20) que vai cobrir 100% dos custos de saúde… Read More

23 de novembro de 2020