Utilização de aditivos químicos na ensilagem da cana-de-açúcar

A constatação de fermentações indesejáveis em silagens de cana-de-açúcar, atingindo perdas excessivas e podendo prejudicar o desempenho animal, despertou grande interesse da comunidade científica em solucionar esses problemas por meio do uso de aditivos, que inseridos durante o processo de ensilagem fossem capazes de alterarem a rota fermentativa verificada nessas silagens, bem como reduzirem as perdas no valor nutritivo desses volumosos, por meio da inibição da população de leveduras produtoras de etanol.

Recentemente, pesquisas desenvolvidas a respeito do processo de conservação da cana-de-açúcar, relatam a ocorrência da problemática fermentação alcoólica, sugerindo a utilização de aditivos na minimização das perdas e na redução no valor nutritivo dessas silagens. Diversos aditivos são utilizados na ensilagem da cana-de-açúcar, sendo classificados como aditivos químicos, bacterianos e enzimáticos.

Os aditivos químicos são classificados em subgrupos de acordo com sua forma de atuação, podendo citar os agentes alcalinizantes, os aditivos nutrientes e os aditivos conservantes. Durante o processo de ensilagem, a finalidade desses é para que interfiram na dinâmica fermentativa, alterando o pH e a pressão osmótica da massa de forragem e, por conseguinte, inibir o desenvolvimento de microrganismos indesejáveis durante a fermentação do volumoso (SANTOS, 2007).

Dentro do grupo dos aditivos químicos alcalinizantes são encontrados os hidróxidos, óxidos básicos e carbonatos, sendo que, na conservação da cana-de-açúcar são encontrados trabalhos que em sua maioria utilizaram hidróxido de sódio (NaOH), hidróxido de amônio (NH4OH), hidróxido de cálcio, carbonato de cálcio (CaCO3) e óxido de cálcio (CaO) como aditivo químico para o controle da fermentação alcoólica.

Segundo Castrillón et al. (1978), a utilização do hidróxido de sódio durante a ensilagem tem a capacidade de alcalinizar o meio e alterar o processo fermentativo, reduzindo a fermentação alcoólica, aumentando a concentração de ácido lático e elevando a digestibilidade. Avaliando aditivos químicos (benzoato de sódio, uréia e hidróxido de sódio) na ensilagem da cana-de-açúcar crua e queimada, Siqueira; Bernardes e Reis (2005) verificaram maior eficiência no controle das perdas durante a fermentação para o aditivo hidróxido de sódio, observando para este, menores teores de FDN (53,6%) e maiores teores de CNF (34,1%), o que refletiu em maiores valores médios de DVIVMS (61,3%) quando comparado aos demais tratamentos.

De acordo com Siqueira et al. (2007) o tratamento da cana-de-açúcar com 1% de hidróxido de sódio durante a ensilagem resultou em silagens com menores teores de FDN e FDA, promovendo também o aumento nos coeficientes de digestibilidade. Pedroso et al. (2007) ainda ressalta sobre a redução nas perdas de matéria seca e melhoria no valor nutritivo de silagens de cana-de-açúcar tratadas com NaOH. Por outro lado, Nussio; Schmidt e Queiroz (2005) apesar de observarem benefício referente ao valor nutritivo e no controle de perdas das silagens ressaltaram as limitações em seu uso, devido a condições de segurança durante a aplicação do produto e a elevação no custo do alimento.

Dessa forma, alguns aditivos químicos alcalinizantes estudados na década de 60 nos Estados Unidos ressurgiram no cenário nacional em substituição ao hidróxido de sódio, destacando-se o óxido de cálcio e o calcário calcítico. A prerrogativa para o uso desses aditivos é a de serem mais seguros durante sua manipulação e por promoverem efeitos benéficos durante a conservação da cana-de-açúcar.

Segundo Klosterman et al. (1960), a adição de calcário resulta em silagens com maiores valores de pH, neutralizando parte dos ácidos produzidos durante o processo de conservação. Segundo os mesmos autores, essa parcial neutralização requer ao material ensilado maior tempo de fermentação, o que confere maiores quantidades de ácidos produzidos durante o processo fermentativo. Essig (1968), trabalhando com silagens de milho com adição de 0,5 a 1,0% de calcário, observaram melhorias na fermentação e na aceitabilidade das silagens pelos animais, ressaltando a capacidade do aditivo em estimular a produção de ácidos orgânicos, especialmente o ácido lático e, ao contrário do esperado, aumentando o pH das silagens.

Santos (2007) avaliando aditivos químicos durante o processo de ensilagem da cana-de-açúcar verificou que a adição de cal virgem e calcário calcítico promoveu silagens com maiores valores de pH, porém com maiores concentrações de ácido lático em relação ao tratamento controle. Segundo o autor o efeito de tamponamento dos aditivos fez com que houvesse estímulo para maior intensidade de conversão dos carboidratos solúveis em ácido lático. Além disso, as silagens tratadas com os agentes alcalinizantes apresentaram menores concentrações de etanol, maiores recuperações de carboidratos solúveis e menores perdas de gases e de matéria seca, sugerindo efeito inibidor dos aditivos ao crescimento de leveduras.

Balieiro Neto et al. (2005) e CavaIi et al. (2006) verificaram diminuição na produção de gases nas silagens tratadas com diferentes doses de cal virgem. Segundo Roth et al. (2007) a adição de 1% de óxido de cálcio nas silagens de cana-de-açúcar acarretou em silagens com maiores valores de pH (4,12) frente a silagem controle (3,70), porém o uso da cal virgem proporcionou menores perdas gasosas e por efluentes, apresentando maiores valores de recuperação de matéria seca.

Segundo Balieiro Neto et al. (2007) a adição de óxido de cálcio nas silagens de cana-de-açúcar promoveu a solubilização parcial da hemicelulose, sendo que a adição de 2% do aditivo acarretou em aumento da digestibilidade verdadeira in vitro, redução dos constituintes da parede celular e manutenção da FDN e hemicelulose após a abertura dos silos. Cavali et al. (2006) avaliando diferentes doses de cal virgem em silagens de cana-de-açúcar observaram 40 dias após a ensilagem, menores concentrações nos valores de FDN, FDA e hemicelulose e maiores coeficientes de digestibilidade nas silagens tratadas.

Balieiro Neto et al. (2007) observaram recuperação de matéria seca e de carboidratos não-fibrosos de aproximadamente 88% e 86%, respectivamente, para as silagens tratadas com 2% de cal virgem. Oliveira et al. (2004) avaliando a adição de hidróxido de cálcio na ensilagem da cana-de-açúcar, encontraram valores de recuperação da matéria seca de 77,4% para as silagens aditivadas com 0,5% de cal contra 72,1% para as silagens controle.

Até o momento, os resultados desses aditivos tem sido interessantes na melhoria no valor nutritivo de silagens de cana-de-açúcar frente às silagens não tratadas, porém maiores investigações são necessárias em relação ao consumo e ao desempenho animal para validação de sua utilização.


ou utilize o Facebook para comentar