Uso da uréia na alimentação de ruminantes

A uréia circulante tem sido utilizada como ferramenta para avaliar o equilíbrio de nitrogênio (N) nos ruminantes. Os níveis de uréia no animal são reflexos de dietas que apresentam excesso de compostos nitrogenados, deficiência de carboidratos fermentáveis, ou quando existe uma assincronia entre o aproveitamento da proteína e disponibilidade de energia no rúmen.

Segundo Gonzáles et al. (2000) bovinos alimentados com dietas pobres em energia mostraram valores altos de uréia no sangue. Em tais circunstâncias, ocorre elevação nos teores de N-uréia na corrente sanguínea, de tal modo que incide na elevação da excreção de uréia no leite e na urina, o que pode alterar as percentagens de nutrientes no alimento, no caso do leite.

O uso da uréia, sendo denominado como nitrogênio não protéico (NNP) tem sido utilizado em larga escala na dieta de bovinos tendo como finalidade redução de custos, muitas vezes sem afetar a produtividade e saúde dos animais (Figura 1).

Figura 1 – Bovinos alimentados com uso de uréia como parte da dieta.

No entanto, como resultado da utilização de dietas ricas em proteína verdadeira ou de NNP, são observadas elevadas concentrações de nitrogênio sendo excretado na urina. Deste modo, poderá haver comprometimento de índices reprodutivos, principalmente, quando os animais envolvidos são vacas de alta produção.

Pouco se sabe a respeito do exato mecanismo pelo qual a proteína afeta a reprodução de bovinos. Entretanto, quando os níveis de nitrogênio uréico sangüíneo, plasmático ou no leite estão acima de 19 a 20mg/dl há uma tendência de queda nas taxas de concepção (Butler, 1998).

Ainda, para otimizar o crescimento microbiano, busca-se sincronizar a liberação de nitrogênio não protéico com a degradação de carboidratos no rúmen. Alguns produtos com a premissa de aproveitamento lento e constante estão disponíveis no mercado, dentre eles o que podemos chamar de uréia protegida. Em trabalhos desenvolvidos por Gonçalves (2006) foram avaliados níveis de nitrogênio não protéico na fração de proteína bruta do suplemento e proporções diferentes de uréia comum e de liberação lenta para bovinos nelores machos recebendo dieta a base de feno de Brachiaria brizantha (Braquiarão) e 0,6% do peso vivo de suplemento. A substituição da uréia comum por uma de liberação controlada não afetou a percentagem de massa seca digestível da dieta e o consumo de massa seca.

Dentre as vantagens da uréia protegida destaca-se a melhora na aceitabilidade dos suplementos quanto utilizada como fonte de nitrogênio. Ainda, devido ao processo de extrusão, seu nível de higroscopicidade é menor que da uréia comum. Isto tende a facilitar a conservação e manuseio na confecção de misturas.

Em se tratando de intoxicação por ingestão de uréia, surtos desta intoxicação ocorrem após ingestão excessiva de uréia ou com moderadas quantidades sem prévio período de adaptação. Outros fatores, como tempo de ingestão e condições fisiológicas do animal também podem contribuir.

A dose tóxica é variável dependendo da adaptação prévia do animal, o tipo de alimento fornecido com a uréia e o estado nutricional do animal. Geralmente, em rações para ruminantes, a uréia não deve exceder a 3% da ração concentrada ou 1% da dieta total. Doses de uréia superiores a 0,44g/kg de peso vivo em animais em jejum podem ocasionar sinais clínicos e doses de 1-1,5g/kg levam a morte.

Os sintomas de intoxicação por uréia vão aparecer ao redor de 20-30 minutos após a ingestão, com tremores musculares e da pele, ranger dos dentes, salivação excessiva, contração das orelhas, não coordenação motora, respiração acelerada, micção e defecação freqüentes, dispnéia e morte.

Como tratamento, a utilização de ácidos fracos (vinagre ou ácido acético 5%, 3 a 6 L por animal adulto) além de baixar o pH, diminui a hidrólise da uréia e formam compostos como o acetato de amônia, o qual possui absorção limitada pelo epitélio. Ainda, é útil a administração de água gelada, cerca de 20 a 40 litros por animal e de aplicações endovenosas de soluções de glicose de maneira a elevar a glicemia.

De forma a evitar ou prevenir esse tipo de intoxicação, a adoção de um adequado período de adaptação do animal ao consumo de uréia é imprescindível. Para tanto, deve ser considerado o nível e forma e, principalmente, o nível de fornecimento da uréia, devendo o aumento ocorrer de maneira gradual.

A literatura salienta que o fornecimento seja de apenas 1/3 da quantidade total durante a primeira semana com aumento proporcional até a quantidade final. Outra informação é que animais já adaptados, mas que por algum motivo deixaram de consumir uréia por mais de 3 a 5 dias, devem passar por uma nova e necessária adaptação.

Para tanto, o uso da uréia é viável na substituição parcial da proteína verdadeira na alimentação de ruminantes, porém seu uso deve ser feito com responsabilidade. Sendo assim, os custos serão reduzidos e com certeza contribuirá para o sucesso dos diversos sistemas produtivos que se utilizarem desta importante ferramenta.

Referências

BUTLER, W.R. Effect of protein nutrition on ovarian and uterine physiology in dairy cattle. J. Dairy Sci., 81 (9): 2533-2539. 1998.

GONÇALVES, A. P. Uso de uréia de liberação lenta em suplementos protéico-energéticos fornecidos a bovinos recebendo forragens de baixa qualidade. Pirassununga. 2006, 80 f. Dissertação. Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo.

GONZÁLEZ, F.H.D. Uso do perfil metabólico para determinar o status nutricional em gado de corte. In: GONZÁLEZ, F.H.D.; OSPINA, H.; BARCELOS, J.O.; RIBEIRO, L.A.O. (Eds.) Perfil metabólico em ruminantes: Seu uso em nutrição e doenças nutricionais. Porto Alegre: Gráfica UFRGS, 2000.

Artigo de Luiz Carlos Vieira Junior, Doutorando em Zootecnia – FMVZ/UNESP/Botucatu-SP, Welton Batista Cabral, Doutorando em Agricultura Tropical /UFMT/Cuiabá-MT e Marco Aurélio Factori, Pós Doutorando em Zootecnia – FMVZ/UNESP/Botucatu-SP

This post was published on 27 de fevereiro de 2012

Share

View Comments

  • Parabéns aos autores deste artigo pois com um texto simples e de fácil compreensão levou uma informação bastante valiosa, desmitificando, mais uma vez, o uso desta importante ferramenta "nutricional" e que muito contribui para a redução dos custos de produção de nossa pecuária.

    Fco. Luiz da Silva Pontes
    Veterinário
    Limoeiro do Norte - Ceará.

  • Não devemos deixar de levar em consideração, que uma dieta contendo uréia leva a formação de nitrosaminas no rumen do bovino, ou seja, na carne são responsaveis pela cor vermelha mais escura, que aparentemente é mais bonita. Só que essas nitrosaminas provenietes do uso de ureia na dieta de bovinos, são cancerigenas para nos consumidores.

  • Gostei muito da matéria publicada pelos senhores professores que se preocupam em divulgar seus trabalhos visando beneficiar o publico pecuarista que muitas dúvidas teem sobre uso racional desta importante ferramenta nutricional que é o NNP . E que continuem nos auxiliando , para termos nas universidades nosso apoio direto .
    PARABENS

    germano zaina junior
    zootecnista- silo de milho puff
    avaré - sp

  • Prezado
    De acordo com professor Roberto de Oliveira Roça (Departamento de Gestão e Tecnologia Agroindustrial da Faculdade de Ciências Agronômicas/UNESP-Botucatu) há comprovação de formação de nitrosamina no estômago de humanos, devido a reação de uma amina nitrosável (amina secundária) e um agente nitrosante, que pode estar presente em resíduos de alimentos de origem vegetal, adubados com nitrogenados. Quanto a formação de nitrosaminas no rúmen, desconheço a informação. Todavia, acredito que se realmente houver formação no rúmen, provavelmente será carcinógeno ao bovino e não para o humano. Contudo, todas as recomendações a respeito do fornecimento da uréia devem ser seguidas.
    Ainda, o que é responsável pela cor de produto curado na carne é o nitrosohemocromo que não é carcinogênico nem agente nitrosante. Sabe-se que fatores de manejo pré-abate podem implicar na coloração da carne. Porém, não representando risco a saúde humana.
    De toda maneira, agradeço seu apontamento e me coloco a disposição para maiores esclarecimentos.

  • A uréia quando usada de maneira ciente em sua dosagem certa é uma baita ferramenta na nutrição. Uréia na reprodução não traz prejuizos pelo contrário ja trabalhei com fazenda onde o incremento de NNP na dieta das vacas aumentou a taxa de prenhes da propriedade (de maneira indireta).

  • achei muito otimo essa orientaçoes pois meu primo perdeu 4 vacas devido ao uso excenssivo da urei agora vou orienta-lo. agradeço a todos

Recent Posts

Uruguai: exportação de carne em julho foi recorde pelo sétimo mês do ano

Em um ano com uma produção de carne em "franco declínio", a exportação de carne… Read More

6 de agosto de 2020

CEPEA: Exportações brasileiras seguem registrando desempenho recorde

Passados os primeiros sete meses do ano, as exportações brasileiras de carne bovina seguem registrando… Read More

6 de agosto de 2020

Preços dos alimentos sobem pelo segundo mês seguido, diz FAO

Os preços globais dos alimentos subiram pelo segundo mês consecutivo em julho, liderados pelos óleos… Read More

6 de agosto de 2020

Minerva adquire frigorífico colombiano por US$ 14 milhões

Maior exportadora de carne bovina da América do Sul, a brasileira Minerva Foods deu mais… Read More

6 de agosto de 2020

Varejista Tesco pede ao governo do Reino Unido ajuda contra desmate

A Tesco, uma das maiores redes de varejo do Reino Unido, pediu ao governo britânico… Read More

6 de agosto de 2020

Casos de raiva no Paraná aumentam e deixam pecuaristas em alerta

A confirmação de novos casos de raiva em bovinos e equinos no Paraná acendeu o… Read More

6 de agosto de 2020