USMCA não resolve tarifas de retaliação de carne bovina e suína: USMEF

Enquanto o Acordo Estados Unidos-México-Canadá (USMCA) anunciou ontem preservar os aspectos tarifários zero do Acordo de Livre Comércio da América do Norte, de 25 anos, o novo pacto não contempla as tarifas retaliatórias recentemente implementadas sobre carne suína e carne bovina dos Estados Unidos, disse a Federação de Exportação de Carnes do país (USMEF).

“Embora [o USMCA] seja uma notícia muito positiva para a indústria de carnes vermelhas dos EUA, é importante notar que as obrigações de retaliação impostas pelo México à carne suína dos Estados Unidos e pelo Canadá em produtos de carne cozidos/preparados dos EUA continuam”, disse o presidente e CEO da USMEF, Dan Halstrom.

Essas tarifas foram impostas em resposta às tarifas sobre as importações de aço e alumínio do México e do Canadá que a Casa Branca impôs em maio.

As tarifas que o México implementou em junho incluíam uma tarifa de 10% sobre a carne de suína refrigerada/congelada até 5 de julho, após o que aumentaram para 20%. O México criou um novo código de commodity para salsichas exclusivamente de carne suína = e aplicou uma taxa de 15% a esses produtos. Também aplicou um imposto de 20% a alguns produtos cozidos, como presunto.

Em junho, a USMEF divulgou um relatório prevendo que as tarifas do México em carne suína americana poderiam custar à indústria centenas de milhões de dólares.

Em 1º de julho, o Canadá implementou tarifas retaliatórias sobre mais de US $ 12,6 bilhões em produtos dos EUA, incluindo cerca de US $ 170 milhões em produtos de carne bovina dos EUA.

“A USMEF espera ver esse problema resolvido em breve, de modo que todas as exportações de carne vermelha dos EUA mais uma vez terão acesso isento de impostos ao México e ao Canadá”, disse Halstrom.

Fonte: MeatingPlace.com, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

Deixe seu comentário

Todos os campos são obrigatórios


ou utilize o Facebook para comentar