Categories: Giro do Boi

Uruguai: consórcio busca fornecer crédito ao produtores

Unindo esforços com a meta de elevar para 3.000.000 de cabeças bovinas os abates anuais – hoje não superam os 2,5 milhões de cabeças – 16 plantas frigoríficas, um grupo de fornecedores e o Banco Santander do Uruguai puseram em marcha um consórcio, “Pecuária 3 milhões”, que possibilitará aos produtores terem acesso a créditos para financiar seus insumos e produzir mais.

A única garantia que o produtor deverá fornecer ao entrar no sistema é o gado com rastreabilidade, podendo vender se decidir sair e pagar suas contas, tanto ao frigorífico, como para outro criador ou para exportação em pé. Em troca, receberá insumos para aumentar sua produção de carne, o que será financiado pondo como garantia seu gado rastreado. A operação estabelece que, quando o produtor vende seu gado, paga as contas e sai do sistema. Segundo foi anunciado no lançamento durante a Expo Prado, a taxa de juros do crédito será de 5,85%.

“O Pecuária 3 milhões nasce de uma necessidade que é a falta de matéria-prima, mas em nome das 16 plantas frigoríficas, o impulsionamos também por outras razões”, disse o presidente do Consórcio, Rodrigo Gõni. “Depois de mais de dois anos de marchas e contramarchas, esperando dívidas, superando prejuízos e desconfianças, optamos por esse largo caminho de trabalhar juntos”. Ele disse que “há empresas poderosas, poderíamos ter optado por tirarmos vantagem entre nós mesmos, mas nosso esforço é para essa forma inovadora e visão de longo prazo”.

O presidente do Banco Sandander, Jorge Jourdan, por sua vez, destacou o projeto inédito, que conseguiu “integrar os fornecedores ao financiamento e à indústria frigorífica, mantendo ao produtor a liberdade no momento de vender”. Isso é o mais valorizado pelas associações rurais e o motivo que levou a Associação Rural do Uruguai e a Federação Rural a apoiar essa iniciativa.

A reportagem é do El País Digital, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

This post was published on 23 de setembro de 2010

Share

View Comments

  • Integração da cadeia....algo que ainda precisa ser construido para permitir um novo salto do setor.

    E o boi rastreado, como garantia de financiamentos, desde que bem resolvidos os aspectos jurídicos e operacionais é uma idéia excelente.

    Com a rastreabilidade bois específicos podem ser oferecidos em garantia. E o boi trata-se de um ativo extremamente líquido e que ao invés de se depreciar ganha valor com o tempo.

    Vou acompanhar com atenção esta experiência pois acredito que possamos adequa-la a nossa realidade.

Recent Posts

INAC passa a habilitar açougues no Uruguai

O Instituto Nacional de Carnes (INAC) informou que a partir de hoje, as novas autorizações… Read More

21 de janeiro de 2021

Embrapa Gado de Corte desenvolve Centro de Manejo com tecnologias focadas em bem-estar animal

O conceito e as técnicas adotadas para oferecer melhor qualidade de vida aos animais já… Read More

21 de janeiro de 2021

Com menor participação do frango, receita cambial das carnes aumentou menos de 3% em 2020

A despeito do bom desempenho das carnes suína e bovina (especialmente da primeira) no decorrer… Read More

21 de janeiro de 2021

Tyson Foods pagará US$ 221,5 milhões para encerrar ações na Justiça

A americana Tyson Foods afirmou nesta quarta-feira que concordou em pagar US$ 221,5 milhões para… Read More

21 de janeiro de 2021

Conselho da JBS aprova procedimento arbitral contra irmãos Batista e a J&F

O conselho de administração da JBS acatou a recomendação do Comitê Independente para instaurar um… Read More

21 de janeiro de 2021

Ações de commodities tendem a se beneficiar com Joe Biden

A chegada do novo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, deve reforçar as apostas em… Read More

21 de janeiro de 2021