Balizador de preços do boi gordo GBP/DATAGRO – Boletim de 05-agosto-2020
5 de agosto de 2020
Convite: 12º Workshop AgroTalento: Como fazer a gestão profissional da sua fazenda
5 de agosto de 2020

Urge um papo reto – Por André Bartocci

Urge um papo reto.
 
Sobre Comunicação e a nossa necessidade de ser compreendido pela sociedade, que aparentemente não reconhece os esforços implementados até aqui pelo setor, existe uma antiga frase:
 
O ESTÔMAGO NÃO TEM OUVIDOS
 
Em uma época de informações por segundo e grande polarização, é preciso falar aquilo que se “consegue” ouvir.
Não adianta, pelo menos no momento, o blá-blá-blá complexo e as bravatas do tipo:
-Somos os maiores preservadores!

  • A área preservada é maior que…
  • A NASA afirmou…
  • O Produtor do Brasil é o mais sustentável!
    -Somos credores de GEE!
  • As ONGs são financiadas pelos…
  • A EMBRAPA mapeou as áreas…
  • O Japão, a França, a China… O escambau!

Nada disto será assimilado.
Tão pouco adianta pirotecnias de marketing e milionários Agros Pop!
 
Por que a comunicações do Greenpeace e do WWF colam? Por que, mesmo declarações esdrúxulas, são aceitas pela sociedade?
Porque são simples.
Porque são diretas.
Não exigem grandes reflexões.
Elas mostram desmatamentos, mortes em, ameaças e se posicionam contra.
Não falam em legislativo, IBAMA, códigos, custos e nem de soluções.
 
Somente comunicados diretos vão sensibilizar a sociedade:
 
*SOMOS CONTRA O DESMATAMENTO (Ilegal).
*DESMATAMENTO (ilegal) ZERO.
*QUEM DESMATOU ILEGALMENTE DEVE SER PUNIDO.

Este tipo de comunicação que, apesar da maioria dos Produtores racionais concordarem e defenderem, é inédito.
O consumidor não sabe que a esmagadora maioria dos Produtores Brasileiros do século XXI nunca desmatou.
Grande parte dos consumidores pensa que os bons resultados na produção dependem de desmatamento!
Para a sociedade urbana, o Produtor e seus representantes serem contra o desmatamento é irracional (ou é uma mentira!).
É preciso mudar esta imagem.
O que está em jogo são as conquistas do Código Florestal e a segurança jurídica.
 
Por que é difícil para Produtores dizer claramente que são contra ilegalidades ambientais?
Por que sempre a Produção precisa explicar, se desculpar e defender atitudes de criminosos ambientais?
Não há Bônus por defender o DESMATAMENTO, porém a Produção sofre todo o Ônus de ser, com sua omissão, apoiadora!

Sou a favor de que todas as entidades da Agropecuária adotem uma comunicação direta e simples.
Devemos mostrar aquilo que a Produção e 99,9% da sociedade concordam.
Um papo reto baseada nesta frase:
 
Desmatamento ILEGAL zero.
A frase e a ideia são claras.
Qualquer coisa fora disto deve ser tema no Congresso ou conversa na delegacia.

Por André Bartocci.

Os comentários estão encerrados.