Um ‘norte’ para o campo sustentável

O Pacto Global da ONU, uma iniciativa da organização multilateral voltada ao setor privado e com sede em Nova York, elegeu o agronegócio no Brasil como o primeiro setor a ter uma metodologia específica de aplicação de políticas corporativas para atender aos 17 objetivos de desenvolvimento sustentável (ODS) estabelecidos para 2030.

O SDG Compass, uma “bússola” para as empresas atenderem aos ODS, foi elaborado para as empresas do agronegócio a partir dos seis princípios elencados em 2016 para o setor de alimentos de agricultura (PEAA). Dentre os princípios estão a responsabilidade ambiental, como com a biodiversidade e contra as mudanças climáticas, e o respeito aos direitos humanos. O novo documento, que será apresentado hoje em São Paulo e propõe um método para a adoção desses princípios, foi realizado com apoio do Global Reporting Initiative (GRI) e do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS).

O objetivo é auxiliar as empresas a “internalizar” os ODSs que mais têm a ver com seu negócio e com a cadeia em que atuam, segundo Carlo Pereira, secretário executivo da Rede Brasil do Pacto Global, que congrega cerca de 900 companhias no país.

O foco é nos objetivos que as empresas têm impacto negativo. No caso do agronegócio, ele destacou as metas relacionadas ao clima, aos recursos hídricos e ao uso de agrotóxicos. “É preciso ver quais os ODSs a empresa afeta negativamente, porque é nesses que ela tem que melhorar”, disse.

A metodologia prevê cinco passos: o reconhecimento dos ODSs que a empresa têm impacto; a definição de prioridades; o estabelecimento de metas; a integração com outros agentes da cadeia; e a prestação de contas sobre as ações.

As empresas que aderirem ao pacto deverão apresentar relatórios anuais. A organização sediada em Nova York também pode demandar das companhias a prestação de contas a respeito de um determinado assunto. Em caso de violação de algum princípio ou meta, um comitê do Pacto Global pode pedir à empresa a apresentação de prestações de contas de forma mais frequente ou até expulsar a companhia do pacto.

Pereira acredita que a adesão do setor privado a esse tipo de compromisso é importante em negociações comerciais, como no caso do acordo entre Mercosul e União Europeia. “Quem no Brasil pratica agricultura responsável vai se dar melhor, vai ter mais acesso a mercados”, defendeu. Ele acredita que mesmo quem vende no mercado interno também está sujeito a regras estrangeiras de sustentabilidade. “As grandes redes são europeias e americanas”, lembrou.

Fonte: Valor Econômico.

This post was published on 31 de julho de 2019

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

Uruguai estuda protocolo para incluir gado terminado com grãos na Cota Hilton

Membros do setor privado uruguaio e do Poder Executivo estão estudando a possibilidade de solicitar… Read More

8 de julho de 2020

Produção de grãos no país deve chegar a 251,4 milhões de toneladas impulsionada pela colheita de milho e soja

A produção brasileira de grãos deverá ser de 251,4 milhões de toneladas na safra 2019/2020.… Read More

8 de julho de 2020

Exportação de carne bovina dos EUA atinge em maio menor nível mensal em 10 anos

As exportações de carne bovina e suína dos Estados Unidos caíram em maio, refletindo, em… Read More

8 de julho de 2020

Marfrig lança programa de apoio a pequenos restaurantes

A brasileira Marfrig, segunda maior indústria de carne bovina do mundo, lançou hoje um programa… Read More

8 de julho de 2020

Inmet emite alerta vermelho para chuvas no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu um aviso vermelho (grande perigo) para acumulado de… Read More

8 de julho de 2020