Categories: Giro do Boi

UE busca adotar “taxa de sustentabilidade” na carne

O Parlamento Europeu deve considerar uma proposta para aumentar o preço da carne em todo o bloco, que a TAPP Coalition diz que foi projetada para “refletir seu impacto ambiental”.

Um relatório solicitando um novo modelo de preços em todos os Estados-Membros deverá ser debatido pelos deputados em 5 de fevereiro de 2020.

Escrito pela Coalizão True Animal Protein Price (TAPP), o relatório investiga o potencial impacto de uma “Carga de sustentabilidade da carne”, que coloca em prática o princípio do “poluidor-pagador”.

Os autores concluíram que, se implementado em todos os Estados-Membros, a taxa de sustentabilidade levaria a um menor consumo de carne, além de reduzir a pegada ambiental das pessoas, acrescentando que a integração de custos ambientais no preço facilita as escolhas sustentáveis dos consumidores. ”

Colocar um preço na sustentabilidade?

A Coalizão TAPP, que conta com o ProVeg International, a Sociedade Vegetariana Holandesa e a Compaixão na Agricultura Mundial entre seus membros, encomendou o grupo holandês de pesquisa e consultoria CE Delft para conduzir o estudo.

Pesquisadores investigaram a implementação de uma taxa de sustentabilidade da carne em conjunto com subsídios para o setor agrícola e compensação do poder de compra para as famílias.

Os encargos estimados estão associados aos custos das emissões de gases de efeito estufa, outras emissões de poluentes, impactos do uso da terra na biodiversidade e doenças dos animais.

A Coalizão TAPP propõe que, até 2030, o preço da carne bovina e de vitelo seja aumentado em 47 centavos de euro por 100g, da carne de porco em 36 centavos de euro por 100g e do frango em 17 centavos por 100g. Os preços refletem o fato de que os custos ambientais por kg de carne bovina são os mais altos, observou TAPP.

Os pesquisadores recomendaram que a taxa de cobrança aumentasse gradualmente ao longo do tempo, começando com 10% dos custos externos em 2021, para ‘cobertura total’ até 2030. Nesse momento, todos os custos ambientais seriam incluídos nos preços.

De acordo com as descobertas de CE Delft, essa política levaria a uma redução no consumo de frango em 30%, carne de porco em 57% e carne bovina em 67% até 2030.

Além disso, ‘preços justos de carne’ podem levar a uma redução nas emissões equivalentes de CO₂ ‘de até 120 milhões de toneladas de CO₂’ por ano. “Isso equivale a todas as emissões de CO₂ de quatro Estados-Membros da UE: Irlanda, Dinamarca, Eslováquia e Estônia e quase 3% de todas as emissões de efeito estufa da UE”, nos disseram.

No geral, os impactos (benefícios) líquidos no bem-estar da UE podem atingir 8,8 bilhões de euros por ano até 2030, e os pesquisadores calcularam que os Estados-Membros receberiam receitas de impostos especiais de consumo sobre a carne de 32,2 bilhões de euros por ano.

Como essas receitas devem ser usadas? De acordo com o TAPP, os Estados-Membros devem alocar 31-46% aos agricultores, 22-36% a preços mais baixos do IVA e subsídios dos consumidores a vegetais e frutas, 19% a famílias de baixa renda e 12% a apoiar os países em desenvolvimento a dobrar as reservas naturais e florestas, reduzir gases de efeito estufa e adaptar-se às mudanças climáticas.

“A inclusão do custo ambiental da proteína animal no preço é um elemento crucial para o cumprimento das metas da UE em termos de clima, biodiversidade, saúde pública e bem-estar animal”, disse Pier Vellinga, professor de clima e presidente da Coalizão TAPP.

A ProVeg International recebeu com satisfação a proposta de política, que, segundo ela, equilibra o apoio aos agricultores e um “sistema alimentar mais baseado em plantas”.

“Chegou a hora de agirmos decisivamente com a política sobre as consequências ambientais da proteína animal, cujo preço foi mantido articularmente baixo por muito tempo”, disse Sebastian Joy, CEO da ProVeg International.

“Aqui temos uma solução que é justa para os agricultores e apóia a transição para um sistema alimentar mais baseado em plantas que precisamos com tanta urgência que levamos a sério a mitigação das mudanças climáticas”.

O diretor da Coalizão da TAPP, Jeroom Remmers, enfatizou que também pode haver benefícios mais amplos de uma taxa de sustentabilidade. “Se o consumo de carne da UE reduzir e o consumo de proteínas à base de plantas aumentar, os custos com saúde também diminuirão, pois os europeus comem cerca de 50% mais carne do que o recomendado nas diretrizes de saúde alimentar. Também poderíamos economizar bilhões de euros todos os anos em custos mais baixos de assistência médica. ”

O relatório da Coalizão TAPP ‘Aligning food pricing policies with the European Green Deal – true pricing of meat and dairy in Europe, including CO costs’ and CE Delft’s ‘A Sustainability Charge on Meat’ da CE Delft será publicado em 4 de fevereiro de 2020.

Fonte: GlobalMeatNews.com, traduzido e adaptado pela Equipe BeefPoint.

This post was published on 3 de fevereiro de 2020

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

Governo espanhol investe € 5,2 milhões em projeto de carne cultivada

O governo espanhol vai investir em um projeto de carne cultivada de € 5,2 milhões… Read More

22 de janeiro de 2021

CEPEA: Preço médio sobe quase 7% em jan/21, a maior alta da série para o período

Em janeiro, a arroba do boi gordo negociada no mercado paulista (Indicador CEPEA/B3) registra média… Read More

22 de janeiro de 2021

Biden anuncia retorno dos EUA ao Acordo de Paris

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, anunciou o retorno dos Estados Unidos ao Acordo… Read More

22 de janeiro de 2021

Milho para a pecuária vai ser mais caro em 2021

Pecuarista, prepare-se se na dieta do seu gado está a compra de rações e grãos.… Read More

22 de janeiro de 2021

Indonésia importará gado e carne para preencher lacuna no abastecimento doméstico

A Indonésia importará 502.000 cabeças de gado e 85.500 toneladas de carne bovina para ajudar… Read More

22 de janeiro de 2021

IMAC pretende promover a produção sustentável da carne brasileira para outros países

Nesta quinta-feira (21), o Instituto Mato Grossense da Carne informou que pretende promover a carne… Read More

22 de janeiro de 2021