Categories: Giro do Boi

Triplicam vendas digitais de carne uruguaia na China

A China tem aumentado suas compras de produtos pela Internet e a comercialização de carne uruguaia “está crescendo a cada mês”, disse o corretor uruguaio Daniel Castiglioni, da Casti Trader.

Juntamente com um sócio chinês, o empresário uruguaio entrou no mercado de vendas de carne uruguaia em 2016, já que está radicado em Pequim e mantém uma relação direta com seus clientes,o que gera confiança, elemento básico para a cultura oriental no momento de fazer negócios.

A empresa agora acrescentou “produtos diretamente vendidos a restaurantes para continuar a construir a marca.” Castiglioni disse que “todos os meses, o volume de vendas praticamente triplica” e considerou que há espaço para mais crescimento.

Essa não é a única empresa que vende carne uruguaia  pela Internet no mercado chinês; a diferença está no tipo de corte e no segmento de consumidor para o qual está voltado.

“Vender produtos em porções é a única maneira de controlar seu produto e sua marca, indo diretamente ao consumidor final. É possível comunicar os atributos do produto e se pode fazer um marketing melhor da marca.”

O outro motor impulsionando o crescimento deste negócio é que há um forte aumento do comércio eletrônico na China.

Castiglioni disse visar “a um consumidor entre 20 e 45 anos com um poder aquisitivo médio alto e que as pessoas estão mudando hábitos, de forma que estão dispostos a pagar por um produto mais caro e por uma dieta mais ocidental e com uma maior qualidade.”

É um tipo de consumidor que está em uma geração que tem mais vínculos com o mundo ocidental e se distancia do consumidor tradicional chinês.

Através da Casti Trader, alguns frigoríficos uruguaios vendem um produto diferencial, além de manter negócios por cortes com osso tradicionais e miúdos.

“Vão cortes de valor mais elevado, como lombo, bife ancho, bife angosto ou vísceras, com o processo de maturação, cortado e porcionado no Uruguai. Isso dá um maior valor agregado para a indústria nacional e, por outro lado, mantém-se a qualidade do produto fazendo tudo na origem”.

A carne uruguaia compete diretamente com a australiana, que é o único país que também vende cortes premium pela internet na China.

Fonte: El País Digital, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

This post was published on 7 de agosto de 2017

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

Empresas que vendem carne bovina direto ao consumidor vê aumento da demanda em meio à pandemia nos EUA

A D&D Cattle Co., em Herman, Nebraska, comercializa carne bovina criada em rancho direto para… Read More

26 de maio de 2020

Uruguai: INAC lançará aplicativo que permite comprar carne e receber em casa

O Instituto Nacional da Carne (INAC) do Uruguai está trabalhando no design e na execução… Read More

26 de maio de 2020

O tal do hedge: os casos de Minerva e Suzano

Quando se tornou CFO da Minerva Foods em 2009, Edison Ticle trazia 15 anos de… Read More

26 de maio de 2020

No Brasil,maioria das fortunas nasceu de negócio familiar

Na lista dos mais ricos do Brasil, a maioria das fortunas foi criada a partir… Read More

26 de maio de 2020

Importação chinesa de carne suína bate recorde

As importações chinesas de carne suína bateram novo recorde em abril. O país asiático, que… Read More

26 de maio de 2020

Planta da Minerva em Goiás é habilitada a exportar carne bovina à Tailândia

A Minerva Foods, líder nas exportações de carne bovina na América do Sul, informou, em… Read More

26 de maio de 2020