Terminação de bovinos confinados com dieta de milho grão inteiro

Por Fernando José Schalch Jr.

Colaboradores: Cauê Augusto Surge, Milena Hama Totake Watanabe e Octavio Celso Pacheco de Almeida Prado Neto

A sazonalidade de produção das plantas tropicais é um verdadeiro desafio para os pecuaristas brasileiros e muitos acabam perdendo todo o esforço realizado durante o período de águas quando os animais começam a perder peso e rendimento produtivo na seca.

No Brasil, o confinamento normalmente é utilizado durante a época seca do ano, visando à redução da idade ao abate, aumento da taxa de desfrute e ajuste da oferta de forragem na fazenda. A estimativa de animais confinados em 2012 deve superar 4 milhões de cabeças, números impulsionados pela baixa oferta de forragem (cigarrinha em algumas regiões, falta ou excesso de chuvas em outras e a maior das causas, aumento de retenção de animais e das taxas de lotação durante o período das águas) e pela redução do preço do milho observados nos últimos dias (boa produção da safrinha brasileira).

O principal componente do custo da terminação em confinamento são os alimentos. Excluindo os animais, os alimentos representam cerca de 70% do custo total (RESTLE e VAZ, 1999). As dietas convencionais de terminação normalmente utilizam em grande parte grãos cereais processados (moagem, floculação), e uma menor parte de alimento volumoso, necessário para manter a saúde do rúmen e reduzir a incidência de desordens metabólicas como acidose, laminite, que possam prejudicar a produtividade animal (NAGARAJA e LECHTENBERG, 2007).

No entanto, a inclusão desse volumoso reduz a quantidade de energia da dieta, o que a torna menos rentável em algumas ocasiões (BRITTON e STOCK, 1987), além de implicar em gastos com mão-de-obra, produção e confecção de forragens conservadas, preparo e mistura da dieta, depósitos para máquinas e equipamentos responsáveis pela distribuição dos alimentos (tratores, carretas e vagão distribuidor).

A utilização de milho grão na dieta de terminação é uma alternativa para eliminar a forragem da dieta. Devido a ausência de processamento, a taxa de passagem do milho é lenta assim como a fermentação do amido quando comparado ao milho moído ou grão úmido (BRITTON e STOCK, 1987). Dessa forma, o milho grão inteiro pode evitar as desordens ruminais que ocorrem com a produção excessiva dos ácidos orgânicos no rúmen.

Outras vantagens dessa dieta: utilização de apenas um alimento e um concentrado para bovinos de corte; redução nos gastos com produção de volumosos, mão-de-obra, infra-estrutura, entre outros; além de obter alta eficiência biológica comprovada (maior relação de arrobas produzidas com menor consumo da dieta).

De acordo com dados de literatura, o índice de eficiência biológica é alto em dietas que utilizam milho grão inteiro, no entanto, pode ocorrer variação na eficiência de acordo com a categoria animal utilizada.

Os resultados de pesquisas em confinamento (TOWNSEND et al., 1988; QUADROS et al., 1990) mostram que a eficiência de transformação do alimento consumido em ganho de peso decresce, à medida que avança a idade dos animais. Considerando o potencial de desempenho dos animais a serem explorados em confinamento, MACEDO et al. (2001) relataram que a utilização de machos não-castrados tem aumentado substancialmente, em virtude do maior ganho de peso, da melhor conversão alimentar, da menor quantidade de gordura visceral, da maior área de olho-de-lombo e da maior porção comestível. Por outro lado, a taxa de abate de fêmeas no Brasil permanece superior a 40% (RESTLE et al., 2001), comprovando a importância desta categoria para a oferta de carne no mercado.

A Tabela 01 apresenta os valores de eficiência biológica (relação de quantidade necessária em kg de comida na matéria natural para o ganho de uma arroba) médios encontrados em experimentos com a estratégia, para as diferentes categorias animais.

Bois inteiros apresentam a melhor eficiência biológica quando comparados a animais castrados, novilhas e vacas para descarte.

TURGEON, et. al. (2010) realizaram 6 ensaios experimentais com 6895 bois confinados alimentados com uma dieta convencional com grãos processados e uma pequena parte de alimento volumoso(CON), e outra dieta com milho grão inteiro (23%) na dieta e ausência total de alimento volumoso (MG).

Os autores observaram um menor PV final, menor GMD e menor IMS na dieta com o milho grão inteiro, no entanto, a eficiência dessa dieta foi melhor do que a dieta de confinamento tradicional, já que o ganho de peso em relação ao consumo de alimento foi maior. Além disso, os autores também constataram que, a dieta com milho grão inteiro apresentou uma maior energia de ganho, o que torna o custo dessa dieta menor do que a convencional.

Para que esse tipo de dieta possa atuar de forma precisa, tendo uma boa eficiência biológica, devemos estar atentos a algumas particularidades, tais como:

• Qualidade do milho, pois os grãos devem estar inteiros, graúdos e com umidade máxima de 13%;

• Categoria animal e raça, por exemplo, animais cruzados com raças leiteiras tendem a ter menores desempenhos;

• Escore corporal inicial, pois animais muito magros tendem a um maior período de adaptação;

• Idade do animal, pois os animais mais velhos diminuem a eficiência biológica;

• Área de cocho (50 cm/cabeça), além de boa disponibilidade e qualidade da água;

• Total ausência de volumoso (lembrando que ocorre uma redução de bactérias ruminais eficientes para degradação de forragem neste tipo de dieta).

• Qualidade da mistura, muito importante, apesar de simples (Figura 01);

• Adaptação adequada, evitando distúrbios prejudiciais ao desempenho. Existem algumas maneiras de ser realizada essa adaptação, porém a mais simples e prática é através da restrição alimentar. A mistura deve ser oferecida gradativamente aos animais, iniciando em 1,6% do peso vivo até que o consumo se estabeleça entre 2,0 a 2,2 % do peso vivo dos animais, em média de 2 Kg da mistura para cada 100 Kg de PV por dia;

• A mistura deve ser oferecida em dois tratos por dia, podendo ser oferecido até de uma só vez, desde que a dieta permaneça sempre seca.

A chave do sucesso para este sistema de confinamento é o preço do milho, aliado a uma boa eficiência biológica para se chegar ao menor custo por arroba engordada (Figura 02).

A Figura 03 complementa a conta para determinação do custo da arroba engordada e o lucro por animal no sistema de produção de confinamento com grão inteiro.

A utilização de milho grão inteiro associado a um concentrado para bovinos de corte adequado melhora a eficiência de ganho dos animais com baixo investimento, é uma ferramenta estratégica segura, prática e rentável para os pecuaristas com acesso ao milho grão e com pouca estrutura para atividade. É a solução contra a perda de peso ou a venda de animais baratos devido à falta de pasto durante o período seco!

Referências Bibliográficas

BRITTON, R. A., e STOCK, R. A.  1987. Acidosis, rate of starch digestion and intake. Pages 125–137 in Symposium Proceedings: Feed Intake by Beef Cattle. F. N. Owens, ed. Publ. MP 121. Oklahoma State Univ., Stillwater.

MACEDO, M.P.; BASTOS, J.F.P.; BIANCHINI SOBRINHO, E. et. al. Característica de carcaça e composição corporal de touros jovens da raça Nelore terminados em diferentes sistemas. Revista Brasileira de Zootecnia, v.30,n.5,p.1610-1620, 2001.

NAGARAJA, T. G., K. F. LECHTENBERG. Acidosis in FeedlotCattle. Vet. Clin. Food Anim. 23:333–350, 2007.

QUADROS, A.R.B. de, RESTLE, J. SANCHEZ, L.M.B. Desempenho em confinamento de bovinos de diferentes idades alimentados com diferentes fontes protéicas. In: REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA, 27, 1990, Campinas, SP. Anais…Campinas: SBZ, 1990, p.25.

RESTLE, J., VAZ, F.N. 1999. Confinamento de bovinos definidos e cruzados. In: LOBATO, J.F.P., BARCELLOS, J.O.J., KESSLER, A.M. (Ed.) Produção de bovinos de corte. Porto Alegre: EDIPUCRS. p.141-168.

RESTLE, J.; NEUMANN, M.; ALVES FILHO, D.C. et al. Terminação em  confinamento de vacas e novilhas sob dietas com ou sem monensina sódica. Revista Brasileira de Zootecnia, v.30, n.6, p. 1801-1812, 2001.

TOWNSEND, M.R., RESTLE, J., SANCHEZ, L.M.B. Desempenho de animais com diferentes idades em regime de confinamento. In: REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA, 25, 1988, Viçosa, MG. Anais… Viçosa: SBZ, 1988, p.283.

TURGEON, O. A. ; SZASZ, J. I. ; KOERS, W. C. ; DAVIS, M. S. ; VANDER POL, K. J. Manipulating grain processing method and roughage level to improve feed efficiency in feedlot cattle. Journal of Animal Science 2010, 88:284-295.

This post was last modified on 21 de dezembro de 2012 10:35

Share

View Comments

  • Caro, Sr Fernando
    Estou pensando em iniciar um confinamento já este ano, como seria o desempenho do confinamento com Silagem de milho e Ração de ganho de peso?( poderia me indicar alguma). Estou pensando em confinar 30 garotes nelore, de 18 a 24 Meses.

    Obrigado

  • Caro sr. Fernando,
    Estou iniciando um projeto de Confinamento com milho grao. e outro parte com volumoso
    Gostaria de conhecer os seus materiais bibliograficos.se possível ate o um contato.

    Obrigado

  • Caro sr. Fernando,
    Estou iniciando um projeto de Confinamento com milho grao.
    Gostaria de conhecer os seus materiais bibliograficos.se possível ate o um contato.

    Obrigado

  • Bom dia amigos!
    Informações cientificas demonstram que a alimentação de milho em confinamento, apesar de ser muitas vezes a melhor estratégia econômica, pode representar sérios malefícios da cadeia produtiva da carne bovina, alterando completamente a micro-composição da carne, ou seja, muitas das substâncias essências à saúde humana deixam de ser produzidos no organismo dos ruminantes.
    E a atividade microbiana na produção se eleva completamente, o nível de contaminação da carne por bactérias e parasitas.
    Só acho válido algumas curiosidade à titulo de informação caso alguém queira pesquisar !!!
    Valew

  • Bom dia ! Posso usar a dieta de grão inteiro para preparação de tourinhos para leilão? se sim e como faço a adaptação de volta para o pasto?

  • Fernando, agradeco pelo artigo.
    vc acha possivel confinar gado num sitio de 25 ha em santa fe do sul. Tenho pesquisado nos ultimos meses sobre a viabilidade, mas ainda nao senti garantia de lucro. Gostaria de manter contato para buscar orientacoes e adquirir experiencia.

  • Tenho uma propriedade onde já praticamos tratar do gado no pasto e tivemos um bom resultado estou dando polpa citrica 75% soja 10% e milho 10% concetrado mineral 3%
    Ureia 2% em 50 dia tivamos um ganho de 3,5 @ por animal, essa esperiencia foi em pasto de braquiaria a dieta foi de 2 kg por animal /dia somente um lote de 20 animais
    para teste, para 2013 pretendemos fazer um estudo com 100 animais? preciso saber se ja tem algum estudo sobre essa ração.

  • Estou pensando em começar um confinamento, preciso saber quantos kg de concentrado(milho,sorgo e soja) e volumoso(azevém e aveia) uma vaca necessita comer por dia ?E o quanto ela pode engordar por dia?

Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

Por que lucratividade é muito mais importante do que produtividade na sua fazenda?

Por que é tão importante falar de lucratividade versus produtividade? A primeira coisa é: são dados reais! Existem poucos bancos… Read More

28 de janeiro de 2020

Efeito do coronavírus no consumo de carne: “O que está acontecendo não é bom”, diz empresário uruguaio

O surto do coronavírus está alarmando o mundo, especialmente a China e outros países da Ásia, e está causando um… Read More

28 de janeiro de 2020

EUA: Futuros de gado caem em meio a temores de coronavírus

Na sexta-feira, o futuro dos bovinos vivos e para engorda dos EUA atingiu seus preços mais baixos em meses, em… Read More

28 de janeiro de 2020

Fogo na Austrália e peste suína africana devem favorecer carne brasileira

Os incêndios na Austrália afetam a produção de carnes no país, o que deve abrir espaço para novo salto de… Read More

28 de janeiro de 2020

Mapa faz esclarecimentos sobre coronavírus

Diante da emergência do vírus identificado na China em dezembro de 2019 – Coronavírus e já detectado em vários países,… Read More

28 de janeiro de 2020

Serviço de Inspeção Federal completa 105 anos

Responsável por assegurar a qualidade de produtos de origem animal, comestíveis e não comestíveis, destinados ao mercado interno e externo,… Read More

28 de janeiro de 2020

Assista Aula Grátis "As 7 Estratégias do Lucro em Fazendas"

Quero Assistir