Categories: Marketing da Carne

Tendência do consumo de hambúrgueres chegou ao topo nos EUA?

Hambúrgueres que são feitos sem ser de carne bovina, pães sem glúten e cerveja artesanal podem ajudar a direcionar o crescimento para as redes de hambúrgueres, um segmento que teve queda nas vendas no ano passado, de acordo com o Technomic, Inc., Chicago.

Embora as vendas dos Estados Unidos das principais redes de hambúrgueres tenham totalizado US$ 72 bilhões em 2013, a categoria apresentou um crescimento nominal de 1,2%, o que equivale a um declínio quando se ajusta para a inflação de preços. As unidades aumentaram em 1%, para 42.853 locais.

As redes de restaurantes de serviço rápido contribuíram com US$ 69,7 bilhões nas vendas, mas cresceram em apenas 0,9% em volume de vendas com baixos desempenhos das redes McDonald’s, Wendy’s e Burger King. Porém, outras marcas de fast food mostraram crescimento mais forte, incluindo In-N-Out Burger, com seu cardápio simples e preço justo, bem como Culver’s e Freddy’s Frozen Custard & Steakburgers, ambas contando com o apelo de suas sobremesas congeladas.

Os restaurantes do tipo rápido-casual tiveram melhor desempenho, com um crescimento de vendas de 10,4%, liderado por Five Guys Burgers and Fries e Smashburger. No entanto, o crescimento da Five Guys’ desacelerou para 5% em 2013 comparado com 14% em 2012, sinalizando a saturação do segmento nos mercados metropolitanos, disse a Technomic.

Redes regionais menores, como a Habit Burger Grill, Shake Shack e BurgerFi, apresentaram crescimentos fortes de dígitos duplos e triplos com o fortalecimento das proteínas, recheios e pães de alta qualidade e fortes plataformas de bebidas, com cervejas artesanais, vinhos e refrigerantes customizados.

“A demanda dos consumidores por saúde e bem-estar direcionará o sucesso de marcas que se diferenciam pela qualidade e esforços de inovação continuarão direcionando visitas para experimentar”, disse o vice-presidente executivo da Technomic, Darren Tristano.

Hambúrgueres mistos, como uma mistura de carne bovina moída e bacon moído no Slater’s 50/50 da Califórnia, bem como alternativas à carne bovina, pães melhores e mais opções customizadas determinarão novos padrões dentro da categoria, disse Tristano.

Fonte:meatpoultry.com., traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

This post was published on 14 de abril de 2014

Share

Recent Posts

INAC promove carne uruguaia em restaurantes da China

O Instituto Nacional de Carnes (INAC) vem desenvolvendo campanhas na China com restaurantes e empresas… Read More

8 de março de 2021

Número de mulheres dirigindo propriedades rurais no Brasil alcançou quase 1 milhão, segundo dados do Mapa, Embrapa e IBGE

O número de mulheres dirigindo propriedades rurais no Brasil alcançou quase 1 milhão. A partir… Read More

8 de março de 2021

Exportações de carne bovina recuaram em fevereiro

As exportações brasileiras de carne bovina (in natura e processada) alcançaram 124,5 mil toneladas e… Read More

8 de março de 2021

Vai um bife por US$ 1mil? É de laboratório

“Garçom, um filab mal passado, por favor”. Um bife de laboratório, cultivado a partir de… Read More

8 de março de 2021

Novas regras para manejo de pastagens no Pantanal em MT

Depois que incêndios consumirem 30% dos 6 milhões de hectares do Pantanal que ficam em… Read More

8 de março de 2021

Fazenda Futuro terá Alexandre Ruberti, ex-Red Bull, no comando da operação nos EUA

A brasileira Fazenda Futuro, startup de proteínas vegetais do empresário Marcos Leta, está expandindo as… Read More

8 de março de 2021