Tecnologia da análise de DNA começa beneficiar rebanhos comerciais

O uso da tecnologia de análise do DNA bovino já há algum tempo vem sendo usado com sucesso por veterinários e geneticistas em bovinos para verificação individual de paternidade com fins de registro genealógico.

A novidade que começa a ser usada e que promete ser a nova revolução no campo do melhoramento animal incrementando a produtividade em fazendas de produção comercial é o teste feito pela técnica de SNP (Polimorfismos Nucleotídicos Simples). Qual a grande inovação? “É que no método utilizado até então faz-se a análise do DNA para verificação individual de paternidade, enquanto que no método de SNP, além do uso convencional, o reconhecimento pode ser feito em grandes rebanhos de Reprodutores Múltiplos (RM)”, explica Guilherme Gallerani, gerente IGENITY, Unidade de Serviços Genéticos da Merial Saúde Animal.

Gallerani destaca algumas das vantagens que a análise múltipla pode trazer para propriedades rurais que têm rebanhos numerosos, onde a monta ocorre em grandes lotes de fêmeas utilizando-se vários touros. A primeira delas é a identificação da paternidade dos bezerros nascidos durante a safra, com isso é possível medir exatamente qual a produtividade dos touros usados na cobertura, tanto em número de filhos quanto em qualidade da progênie. “Nem sempre o touro com maior número de filhos nascidos é o que apresenta progênie com os melhores índices produtivos para características economicamente importantes. A identificação de animais capazes de transmitir boas características de desempenho, identificadas na progênie, é um atributo indispensável para seleção da bateria de touros”, diz.

O uso desta nova tecnologia de verificação de paternidade também pode beneficiar os programas de melhoramento genético que passam a contar com uma base de dados maior do rebanho de campo com possibilidade de obter informações de paternidade de todos os animais nascidos na safra. Atualmente a quantidade de bezerros fruto de rebanhos RM nestes programas gira em torno de 40% . A ferramenta permite também a identificação de novos touros que seriam mantidos em rebanhos como reprodutores múltiplos e, consequentemente, teriam seus potenciais genéticos subutilizados.

Na Agro-Pecuária CFM, de São José do Rio Preto (SP), a avaliação por reprodutores múltiplos já é uma realidade no programa de seleção para formação de touros Nelore e Montana. Segundo Luis Adriano Teixeira, coordenador de pecuária da CFM, a análise do DNA ocorre com a finalidade de melhorar a eficiência da avaliação genética dos animais e oferecer ao mercado DEPs mais precisas, “Assim aprimoramos ainda mais o conhecimento sobre nossa genética”, finaliza o especialista.


ou utilize o Facebook para comentar