Sustentabilidade e carne bovina: além das manchetes e rumo aos fatos

As manchetes são amplamente negativas em relação à carne bovina e à sustentabilidade. Aumentaram as questões sobre os impactos ambientais da carne bovina, bem-estar animal e saúde/nutrição.

Muitas empresas estão usando essas preocupações para comercializar seus produtos.

Infelizmente, há muita desinformação sobre o impacto da carne bovina.

Sustentabilidade é um tópico complexo que influencia questões ambientais, sociais e econômicas. A maioria dos opositores da carne bovina se concentra no impacto ambiental.

É verdade que a carne bovina tende a ter um impacto biológico maior, porque são ruminantes e produzem gás. Eles também amadurecem mais tarde em comparação com outras espécies de gado. No entanto, há muita variabilidade em todo o mundo em termos de impacto ambiental da carne bovina. A produção de carne bovina nos Estados Unidos tem alguns dos menores impactos ambientais em todo o mundo.

Os americanos comem a mesma quantidade de carne bovina em 2018 que consumiam em 1909. No entanto, o consumo de frango aumentou 500%. Globalmente, temos visto o consumo de carne bovina diminuir um pouco e o consumo de carne suína e de frango tem crescido.

O que muitas vezes é ignorado são os aspectos positivos da produção pecuária e do consumo de carne.

Pesquisas mostram que o consumo de alimentos derivados de bovinos nos primeiros mil dias da vida de uma criança melhora seu crescimento, saúde e cognição.

Vamos discutir o poderoso upcycling do gado de corte. Os bovinos são upcyclers, ou seja, atualizam proteínas vegetais (incluindo restos de plantas) em proteínas de maior qualidade para as pessoas. As pessoas não podem comer pasto e obter proteína. Oitenta e um por cento (81%) da dieta do gado é de forragem. Outros 18% vêm de subprodutos, como grãos de destilaria, que são sobras de uso de plantas. A carne bovina aumenta a sustentabilidade de outras indústrias, aproveitando suas sobras, seus fluxos de resíduos e transformando-os em alimento humano comestível. Noventa por cento (90%) do que o gado come não pode ser consumido pelos seres humanos.

Frangos e suínos comem mais proteína comestível humana do que produzem (contribuição proteica líquida de 0,85 para aves e 0,70 para carne suína). No entanto, os bovinos são upcyclers e contribuem com 2,53 de proteína líquida (eles produzem mais proteína de alta qualidade do que usam). Se não houver gado, há menos proteína disponível para a sociedade.

Existe uma troca. Os bovinos são upcyclers porque são ruminantes, mas também produzem metano porque são ruminantes. O gado que come forragem produz mais metano em comparação com o que se alimenta com grãos.

O gado bovino permite-nos produzir alimentos em terras inadequadas para o cultivo de culturas e, muitas vezes, melhoram os ecossistemas. O pasto e pradarias juntos são cerca de 40% do espaço terrestre dos Estados Unidos. Esta terra não pode suportar o consumo de comida humana de outra maneira. Apenas 2% da área cultivada são destinados à alimentação de gado.

Os Estados Unidos têm a produção de carne bovina mais eficiente e ambientalmente correta em todo o mundo devido à adoção de tecnologia. Por exemplo, o Brasil tem o dobro de gado dos Estados Unidos, mas produz menos carne bovina.

A produção de carne é responsável por cerca de 2% das emissões de gases de efeito estufa dos EUA. A agricultura como um todo é responsável por cerca de 9% das emissões de gases de efeito estufa.

Se todo americano fosse vegano, as emissões de gases do efeito estufa seriam reduzidas em 2,6%. No entanto, teríamos que aumentar as emissões de fertilizantes, lagoas, etc. O estudo apontou: “No geral, a remoção de animais resultou em dietas que são inviáveis a longo ou curto prazo para apoiar as necessidades nutricionais da população americana sem suplementação de nutrientes”. Um grande impulsionador disso é a vitamina B12, que vem da proteína animal.

Para cada 100 quilos de comida humana que vem das colheitas, 37 quilos de subprodutos são gerados. Esses subprodutos estão sendo fornecidos aos animais para que possam fazer o processo de upcycling. A carne de origem vegetal produziria esses subprodutos, mas também causaria impactos ambientais, como o desmatamento, na produção de óleo de coco.

Todos os sistemas podem ser sustentáveis – o foco está na melhoria contínua dentro de todos os sistemas. É difícil pensar em alguém que se concentre na sustentabilidade mais do que os produtores agrícolas.

Fonte: Artigo de Sara Place, Diretora Sênior, Pesquisa de Produção de Carne Sustentável, Associação Nacional de Produtores de Carne Bovina dos Estados Unidos (NCBA), para o https://blog.steakgenomics.org/, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

This post was last modified on 3 de dezembro de 2018 11:22

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

Brasil registra 4.683 casos confirmados de coronavírus até 31/03

As secretarias estaduais de Saúde divulgaram, até às 11h55 desta terça-feira (31), 4.683 casos confirmados… Read More

31 de março de 2020

Nova Zelândia: setor suíno pode sofrer crise de bem-estar animal

A decisão do governo de excluir açougueiros independentes da lista essencial de negócios causará uma… Read More

31 de março de 2020

Nova Zelândia: frigoríficos continuam abertos, mas o processamento levará mais tempo

As empresas de carne da Nova Zelândia criaram agora um conjunto de protocolos que permitirão… Read More

31 de março de 2020

JBS corta produção de carne bovina nas instalações dos EUA

A JBS USA reduzirá a produção de carne bovina por duas semanas em uma instalação… Read More

31 de março de 2020

Plataformas digitais em alta no campo

Em meio à pandemia do novo coronavírus, os serviços digitais voltados ao agronegócio têm auxiliado… Read More

31 de março de 2020

Conab adota medidas para garantir continuidade de serviços essenciais

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) informa que adotou medidas para garantir a continuidade de… Read More

31 de março de 2020