Ações da Beyond Meat caem com vendas mais fracas e ceticismo em relação ao boom da carne à base de vegetais
13 de janeiro de 2022
Commodities: Previsão de chuvas na América do Sul pressiona soja e milho em Chicago
14 de janeiro de 2022

Suplementação no período das águas: vale a pena?

Por Cláudia Sampaio

O período das águas chegou e, com o aumento da precipitação e da temperatura, as gramíneas tropicais já exibem intenso crescimento, e a forragem produzida possui valor nutricional superior àquela observada em outros momentos do ano, em especial àquela observada na seca. Esse crescimento rápido que resulta em um pasto verde, bonito e com qualidade aparentemente bem superior leva muitos pecuaristas a pensar que apenas a forragem disponível ao pastejo é suficiente para atender todas as demandas dos animais.

Com exceção de pastos manejados intensivamente, em geral com adubação nitrogenada e que consequentemente apresentam níveis elevados de proteína, podemos considerar que mesmo com essa aparente maior qualidade, a forragem disponível muitas vezes não apresenta estabilidade nutricional. Portanto a forragem disponível da época das águas não deve ser vista como otimizada, pois existe um ganho potencial (ganho latente) de aproximadamente 200 g/animal/dia e que pode ser obtido com o uso de suplementos (Paulino et al., 2008).

O pasto no período das águas

A avaliação dos pastos durante o período chuvoso indica que há um desequilíbrio na relação proteína – energia, muitas vezes com excesso relativo de energia, resultando em resposta à proteína adicional durante todas as estações do ano.

Sendo assim, programas de suplementação para este período podem focar na elevação da concentração dietética de proteína para que o excedente relativo de substratos energéticos da forragem possa ser transformado em produto animal (Detmann et al., 2014). Mas além do balanço entre energia e proteína, não devemos esquecer de atender minerais e vitaminas que são essenciais para o atendimento das demandas de animais de alto potencial genético e que podem expressar ganhos superiores também nas águas. Portanto, mesmo para pasto bem manejado a suplementação mineral correta deve ser realizada.

Considerando que o pasto das águas tem maior qualidade, mas talvez uma falta de estabilidade nutricional, e que o suplemento pode potencializar o desempenho, algumas categorias específicas podem se beneficiar do uso do suplemento.

As fêmeas em reprodução dos rebanhos de cria em plena estação de monta podem ter resultados reprodutivos melhorados, seja pela recuperação do escore de condição corporal ou pela melhoria nas respostas a protocolos reprodutivos pela presença de nutrientes que estimulam mecanismos de feedback positivo para ovulação.

E o uso de suplementos?

O uso de suplementos múltiplos para animais na fase da recria podem resultar em curva de crescimento contínua pela elevação do ganho de peso em fase eficiente de crescimento corporal e podem tanto entrar na puberdade mais cedo e antecipar a idade à primeira cria no caso de fêmeas, quanto seguirem para outras fases com a terminação mais rápida constituindo sistemas eficientes de animais precoces e superprecoces.

Para a terminação, o ganho latente vindo do nutriente suplementar pode acelerar o acabamento de carcaça, aumentar a lotação das pastagens e finalizar o ciclo produtivo mais rápido pela redução da idade ao abate.

Pontos importantes devem ser observados para que a forragem disponível ao pastejo nas águas seja de qualidade superior e um bom exemplo é o manejo do pastejo na fase de transição seca-águas que deve ser realizado a fim de não comprometer a estrutura do pasto na fase de maior crescimento.

Outra questão é que em conjunto com os nutrientes comumente utilizados o uso de aditivos na composição dos suplementos pode potencializar os resultados.

Mas enfim, a suplementação no período das águas vale a pena?

A resposta é sim, mas para sistemas com um excelente planejamento. Nesse caso a avaliação do custo-benefício para o sistema de produção é fundamental para o sucesso da atividade e deve ser analisada de forma profunda para a realidade da propriedade.

Ademais, o controle de estoque, frequência e horário de fornecimento, controle da quantidade ofertada, do consumo, das perdas de suplemento são importantes para maximizar o uso do suplemento nesta época do ano. Esse controle pode ser realizado por mão de obra qualificada e uso de programas específicos.

Autora:
Professora Cláudia Sampaio
Bovinocultura de Corte, Departamento de Zootecnia, Universidade Federal de Viçosa

Literatura consultada:

Detmann, E.; Valente, E. E.L. Batista, E. D. Batista, et al., An evaluation of the performance and efficiency of nitrogen utilization in cattle fed tropical grass pastures with supplementation, Livestock Science, Volume 162, 2014, 141-153.

Paulino, M.F., Detmann, E., Valente, E.E.L., Barros, L.V., 2008. Nutrição de bovinos em pastejo. In: Anais do 4º Simpósio sobre Manejo Estratégico da Pastagem, Viçosa. pp.131-169.

Fonte: Bovitech.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *