Sucesso da sustentabilidade da Cargill depende de toda a cadeia

O programa piloto da Cargill para a aceleração da sustentabilidade da carne bovina, Canadian Beef Sustainability Acceleration, produziu quase o dobro de carne bovina, em volume, de fontes sustentáveis certificadas no terceiro trimestre, em relação ao primeiro.

O programa observado de perto é um sistema de rastreabilidade da produção ao prato com o objetivo de rastrear os insumos sustentáveis utilizados na fabricação de produtos de carne bovina, particularmente carne moída. Embora a escala do programa agora esteja limitada ao Canadá, seus princípios podem ser aplicáveis aos EUA e outros mercados em todo o mundo.

Emily Murray, gerente geral do McDonald’s Beef for Cargill Protein, respondeu algumas perguntas para o Meatingplace sobre o desenvolvimento e o crescimento do projeto piloto.

Meatingplace: Houve um grande aumento no volume de carne bovina proveniente do programa, totalmente certificado, entre o primeiro trimestre (que começou no final de 2017) e o terceiro; a que você atribui esse aumento?

MURRAY: O volume de carne bovina qualificada aumentou significativamente desde o primeiro trimestre do projeto piloto. Esse aumento pode ser atribuído principalmente aos esforços de ativação do piloto. Por exemplo, muito desse aumento é graças aos esforços dos parceiros-piloto para atualizar seus sistemas, registros e processos para permitir o rastreamento da cadeia que atenda aos padrões da Canadian Roundtable for Sustainable Beef.

Além disso, continuamos a melhorar a forma como os dados são coletados, calculados e rastreados, o que ajuda a garantir que operações certificadas e qualificação de gado sejam reconhecidos.

Nós também estamos vendo um crescimento orgânico. O aumento constante da demanda de varejo e serviços alimentícios está ajudando a motivar a participação do produtor, e mais operações estão se registrando para serem auditadas. É esse crescimento em operações certificadas que aumentarão o número de bovinos qualificados e o volume de carne bovina no longo prazo.

Meatingplace: Que novas lições ou problemas foram revelados com o crescimento do programa e como vocês estão lidando com isso?

MURRAY: No piloto, atualmente confirmamos a elegibilidade do gado retroativamente, após as marcas auriculares serem retiradas. Uma lição fundamental é que os produtores e processadores devem ter acesso em tempo real à elegibilidade individual de animais. Queremos que o mercado incentive a produção de carne bovina a partir de fontes sustentáveis certificadas, o que significa que os produtores precisam ter acesso ao status de elegibilidade de seu gado no/antes do ponto de venda.

Estamos trabalhando ativamente com nossos parceiros pilotos no desenvolvimento de soluções para isso em um futuro próximo.

Outra lição fundamental do piloto é que dependemos dos produtores participantes para inserir seus dados de movimentação de gado com precisão. A fim de garantir a integridade de nosso rastreamento, devemos marcar o gado como inelegível se ele não puder validar se toda a cadeia foi certificada.

Isso significa que não estamos capturando todos os bovinos que têm o potencial de se qualificar por causa de algo tão simples quanto a entrada incompleta de dados. Encorajamos todas as operações certificadas a garantir que estejam atualizando seu movimentos de identificadores de orelha e dando permissão para acessar esses dados de movimento para que eles sejam incluídos em seus relatórios agregados.

Meatingplace: Além do McDonald’s, que outras empresas, lojas ou organizações de usuários finais assinaram no programa?

MURRAY: O McDonald’s Canada foi a primeira empresa a se juntar ao esforço, seguido por Loblaw, Swiss Chalet, Joe Original e Cactus Club Café. Continuamos vendo interesse de outros clientes.

Meatingplace: Onde você projeta o programa, em números, daqui a um ano?

MURRAY: Esperamos que o volume de carne bovina proveniente de fontes sustentáveis certificadas aumente à medida que mais produtores sejam auditados e mais gado passe por cadeias de fornecimento sustentáveis totalmente certificadas. Se esta oferta continuar a crescer no curto prazo, ela ajudará a solidificar a forte demanda de varejo e serviços alimentícios, melhorando, assim, o valor em dólar da carne bovina proveniente de fontes sustentáveis certificadas.

No entanto, é difícil prever taxas exatas de crescimento no segundo ano. O crescimento do primeiro ano foi em grande parte devido às atividades de ativação do piloto, enquanto o crescimento futuro dependerá fortemente do envolvimento do produtor. Estamos avaliando várias maneiras diferentes de incentivar esse envolvimento tanto a curto quanto a longo prazo.

Meatingplace: Que efeito a seca no oeste do Canadá teve no crescimento e na adoção do programa?

MURRAY: Não podemos fazer nenhuma ligação direta com a seca no oeste do Canadá. Reconhecemos que os produtores de carne bovina estão ocupados e gerenciando vários desafios durante a condução de seus negócios, o que, para alguns, pode atrasar seu envolvimento nessa iniciativa. Esperamos que, quando o tempo e os recursos permitirem, eles decidam participar.

Fonte: MeatingPlace.com, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.


ou utilize o Facebook para comentar