Categories: Nutrição

Substituição parcial do milho grão por glicerina e adição de óleos funcionais na dieta de bovinos confinados – Parte 2

Por Fernando Zawadzki, Ivanor Nunes do Prado*

Desempenho, ingestão e conversão alimentar

Na substituição parcial do milho pela glicerina, é importante ressaltar que a inclusão de glicerina reduz o teor de proteína bruta da dieta, sendo necessário aumentar a fonte de proteína. De acordo com Zawadzki (Tese em andamento) a substituição parcial do milho de 20,8% na dieta total, é necessário acrescentar 4,7% a mais de farelo de soja para balancear uma dieta com 10,7% de proteína bruta, em comparação a uma dieta sem glicerina apresentando mesmo teor de proteína e energia. O teor de proteína bruta na glicerina é mínimo ou ausente variando de 0,01 – 0,07% de PB.

Outro ponto importante a ressaltar, é a ausência de fibra na glicerina de média pureza. A substituição de 20,8% da dieta total pela glicerina reduz o teor de fibra em 12,69, 2,08 e 2,15%, respectivamente fibra em detergente neutro (FDN), fibra em detergente ácido (FDA) e fibra bruta (FB). Em análise laboratorial, a glicerina de média pureza no atual experimento, contém 812 mg/kg de glicerol, 232 mg/kg de água, 47,6 mg/kg de cinzas e 3,3 mg/kg de metanol. Entretanto, mesmo a glicerina apresentando ausência de proteína e fibra, considera-se uma fonte energética promissora para substituição parcial do milho em dietas de bovinos de corte. De acordo com as análises laboratoriais, a energia bruta contida na glicerina (3,6 Mcal/kg energia bruta) é equivalente a do milho (3,9 Mcal/kg), entretanto deve-se considerar uma redução de 7,6%.

Foto: (1) Incorporação da glicerina ao concentrado; (2) Concentrado com glicerina; (3) Comparação de dietas sem glicerina vs. com glicerina; (4) Óleos funcionais (produto a base de óleo de mamona e caju). Fonte: (Zawadzki, Tese em andamento).

Zawadzki (Tese em andamento) avaliando a substituição parcial do milho por glicerina e a adição de óleos funcionais (3g animal/dia/animal) na dieta de bovinos da raça Purunã terminados em confinamento. A inclusão de glicerina substitui 20,8% da dieta total, e em comparação ao concentrado 32,8% do milho grão. As dietas experimentais não influenciaram o peso vivo final quando os dados foram submetidos à análise estatística, entretanto houve diferença numérica de 13,5 kg (2,93%), quando comparado ao tratamento controle (Gráfico 1). Da mesma forma para os tratamentos GLI (2,36%) e CFO (1,61%) em comparação ao tratamento sem glicerina ou óleos funcionais.

Gráfico 1. Peso vivo final de bovinos Purunã terminados em confinamento.

Dietas: CON – controle; CFO – controle + óleos funcionais; GLI – Glicerol; GFO – Glicerol + óelos funcionais. ns – não significativo (P > 0,10) Fonte: (Zawadzki, Tese em andamento).

Os resultados foram positivos com a substituição parcial do milho sem ocasionar perdas no desempenho animal. Em grande escala de produção pode se tornar interessante a substituição parcial do milho por glicerina, principalmente em períodos de oscilação do preço do milho. Para o ganho médio diário, a inclusão de glicerina ou adição dos óleos funcionais não influenciou significativamente (P > 0,10). Da mesma forma que o peso vivo inicial, o ganho médio diário não foi influenciado negativativamente (1,037 kg/dia, valor esperado para categoria animal com 10,7% de proteína bruta).

A ingestão de matéria seca foi influenciada pela inclusão de glicerina (Gráfico 2). Os bovinos do tratamento controle + óleos funcionais (CFO) tiveram maior consumo de matéria seca (2,21% em relação ao peso vivo), enquanto o tratamento controle (2,08%), glicerina (2,07%) e glicerina + óleos funcionais (2,05%) foram semelhantes. A adição de óleos funcionais sem glicerina estimulou o consumo de matéria seca total. O maior consumo de matéria seca no tratamento CFO está relacionado a maior ingestão de nutrientes e fibra (Gráfico 2).

Gráfico 2. Ingestão de proteína bruta, fibra bruta, nutrientes digestíveis totais e fibra em detergente neutro (kg/dia) de bovinos Purunã terminados em confinamento.

Dietas: CON – controle; CFO – controle + óleos funcionais; GLI – Glicerol; GFO – Glicerol + óelos funcionais. Médias seguidas de letras diferentes nas colunas são diferentes (P < 0,10). Fonte: (Zawadzki, Tese em andamento).

A inclusão de óleos funcionais sem glicerina (CFO) estimulou a ingestão de proteína bruta (PB), fibra bruta (FB), nutrientes digestíveis totais (NDT) e fibra em detergente neutro (FDN). Entretanto o maior consumo não resultou em melhor peso vivo final ou ganho médio diário. A maior ingestão de fibra é um indicativo positivo para melhorar a motilidade ruminal, consequentemente maior produção de saliva e manutenção adequada do pH ruminal. Segundo Coneglian (2009) a inclusão de óleos funcionais auxiliam no processo de fermentação, mantendo valores adequados do pH ruminal para fermentação da fibra.

Nas dietas com glicerina (GLI e GFO) não houve maior ingestão de nutrientes, entretanto houve maior ingestão de energia digestível e metabolizável em comparação as dietas sem glicerina (CON e CFO), gráfico 3.

Gráfico 3. Ingestão de energia digestível e energia metabolizável (Mcal/kg/dia) de bovinos Purunã terminados em confinamento.

Dietas: CON – controle; CFO – controle + óleos funcionais; GLI – Glicerol; GFO – Glicerol + óelos funcionais. Médias seguidas de letras diferentes nas colunas são diferentes (P < 0,10). Fonte: (Zawadzki, Tese em andamento).

A glicerina utilizada no presente trabalho contém aproximadamente 80% de glicerol, sendo este o principal componente na utilização pelos microrganismos ruminais e metabolização no fígado. No rumen o glicerol pode ser utilizado pelos microrganismos na formação de ácidos graxos voláteis (principalmente propiônico e butirato). De acordo com Rémond et al. (1993) a glicerina é 100% metabolizada em 4 horas (in vivo), enquanto (Bergner et al., 1995), relatam que 90% da glicerina é metabolizada em 6 horas. O aumento de propionato é interessante no desempenho animal, pois sua maioria é utilizada no fígado na gliconeogenese (formação da glicose) (Bradford and Allen, 2007, Forbes, 1988). Portanto, a glicerina pode disponibilizar mais energia para o metabolismo celular.

Em análise da conversão alimentar observa-se que a inclusão de óleos funcionais na dieta sem glicerina (CFO) foi maior em comparação a dietas com glicerina (GLI e GFO), no entanto estas dietas foram semelhantes com a dieta controle (CON), gráfico 4. Os bovinos terminados na dieta de óleos funcionais sem glicerina (CFO) obtiveram maior conversão alimentar 9,28% em comparação à dieta GLI (glicerina) e 8,33% em comparação ao tratamento GFO (glicerina + óleos funcionais). A inclusão de glicerina não influenciou negativamente em comparação a dieta controle. Entretanto, nas dietas com glicerina em comparação à dieta CFO, os animais consumiram menos para depositar a mesma quantidade de músculo. A maior conversão alimentar dos bovinos alimentados com a dieta CFO está relacionado com a maior ingestão de nutrientes e fibra (Gráfico 2).

Gráfico 4. Conversão alimentar de bovinos Purunã terminados em confinamento.

Dietas: CON – controle; CFO – controle + óleos funcionais; GLI – Glicerol; GFO – Glicerol + óelos funcionais. Médias seguidas de letras diferentes nas colunas são diferentes (P < 0,10). Fonte: (Zawadzki, Tese em andamento).

Substituição parcial do milho grão por glicerina e adição de óleos funcionais na dieta de bovinos confinados – Parte 1

Substituição parcial do milho grão por glicerina e adição de óleos funcionais na dieta de bovinos confinados – Parte 3

Agredecimentos:

As Instituições e Empresas que colaboraram para a execução deste projeto:

Universidade Estadual de Maringá – Paraná.

Instituto Agronômico do Paraná – IAPAR.

Oligo Basics Agroindustrial Ltda., Cascavel – Paraná.

Biopar – Bioenergia do Paraná Ltda., Rolândia – Paraná.

*Fernando Zawadzki: Médico Veterinário, MSc. em Zootecnia – Universidade Estadual de Maringá – Paraná, Doutorando – Programa de Pós-graduação em Zootencia – PPZ, Universidade Estadual de Maringá – Paraná.

Ivanor Nunes do Prado: Professor Titular do Departamento de Zootecnia – Universidade Estadual de Maringá, Pesquisador do CNPq 1A.

Referências bibliográficas

Bergner, H., Kijora, C., Ceresnakova, Z. & Szakacs, J. 1995. In vitro studies on glycerol transformation by rumen microorganisms. Archiv für Tierernaehrung, 48, 245-256.

Bradford, B. J. & Allen, M. S. 2007. Phlorizin Administration Does Not Attenuate Hypophagia Induced by Intraruminal Propionate Infusion in Lactating Dairy Cattle. The Journal of Nutrition, 137, 326-330.

Coneglian, S. M. 2009. Uso de óleos essenciais de mamona e cajú em dietas de bovinos. Programa de Pós-graduação em Zootecnia. Universidade Estadual de Maringá, Maringá.

Forbes, J. M. 1988. Metabolic aspects of the regulation of voluntary food intake and appetite. Nutr. Res. Rev, 1, 145-168.

Rémond, B., Souday, E. & Jouany, J. P. 1993. In vitro and in vivo fermentation of glycerol by rumen microbes. Animal Feed Science and Technology, 41, 121-132.

Zawadzki, F. Tese em andamento. Produção e qualidade da carne de ruminantes. Programa de Pós-graduação em Zootecnia. Universidade Estadual de Maringpa, Maringa.

This post was published on 22 de janeiro de 2013

Share

Recent Posts

Mercado de carne de frango tem Recuperação frágil após tempestade Covid-19, diz Rabobank

A indústria avícola global está se recuperando gradualmente de uma tempestade que ocorreu no primeiro… Read More

7 de julho de 2020

Teste rápido é inútil para conter a covid-19 dentro de frigoríficos

Sob escrutínio das autoridades devido à propagação da covid-19 entre funcionários, os frigoríficos brasileiros podem… Read More

7 de julho de 2020

Brasil cobra do Japão abertura de mercado para carne e melão

O Brasil e vários outros países cobraram do Japão, mais uma vez, maior abertura de… Read More

7 de julho de 2020

Boi: 50% dos pecuaristas podem deixar a atividade até 2040, diz Embrapa

Um dos pilares do agronegócio brasileiro, a cadeia da pecuária de corte movimentou o correspondente… Read More

7 de julho de 2020

Exportação de carne bovina bate recorde

As exportações brasileiras de carne bovina (in natura e processada) somaram 172,36 mil toneladas em… Read More

7 de julho de 2020