Categories: Giro do Boi

SP: estudo avalia diferença entre preço das carnes em açougues e supermercados

Comprar carne no velho e tradicional açougue ainda é mais vantajoso do que nos supermercados. Alguns cortes de carne bovina chegam a custar 25% mais nos supermercados do que nos açougues. Já o frango tem preços menores nos supermercados, enquanto a carne suína oscila.

Os dados fazem parte de uma pesquisa que busca mostrar os reflexos da alta dos preços do boi, do suíno e do frango nas redes de supermercados e nos açougues. E, consequentemente, no bolso do consumidor.

Foram utilizados dados da Informa Economics FNP, assessoria que acompanha o setor de carnes há 21 anos, e da Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas). Os dados mostram que as carnes sobem bem mais do que a inflação e, no período de alta de preços no campo, supermercados e açougues reagem rapidamente, elevando os preços. No período de baixa, o recuo é lento.

A pesquisa toma como base a evolução dos preços de janeiro de 2006 a dezembro de 2010 em São Paulo. Nesse período, as carnes bovinas consideradas menos nobres, como músculo, subiram 89%. As nobres, como picanha e filé-mignon, subiram 134% e 145%, respectivamente. O frango inteiro teve reajuste de 91%. Já a bisteca suína somente acompanhou a inflação, de 25% no período. A arroba de boi teve reajuste de 103% no campo nesse mesmo período, segundo a Informa Economics.

“O preço da carne bovina é superior nos supermercados porque esses estabelecimentos podem ampliar a margem bruta em diversos cortes. Eles têm um público de maior renda”, diz José Vicente Ferraz, da Informa. Os preços médios do filé-mignon foram de R$ 21,76 por quilo em 2010 nos açougues. Já os consumidores que optaram por comprar em supermercados pagaram R$ 27,24.

A evolução da economia também é importante na formação dos preços. No período de ganho de renda da população, há maior aceleração nos preços das carnes nobres. O reajuste da picanha, por exemplo, acompanha de perto a evolução da renda, principalmente nos açougues. A alta chega mais rápida no açougue porque o leque de produtos é menor e se baseia praticamente nas carnes.

Mas o aumento de renda diminui o consumo de carnes menos nobres, como músculo e acém, o que provoca reajustes menores desses cortes.

Ao contrário da carne bovina, a de frango custou 5% menos nos supermercados em 2010 em relação aos valores de venda dos açougues. Os preços no varejo são influenciados pelos do atacado, o que evidencia a maior força dessa cadeia frigorífica do frango, afirma Ferraz.

Os preços do boi, do suíno e do frango são condicionantes para a alta das carnes nos açougues e nos supermercados. O repasse é rápido nos açougues e um pouco mais lento nos supermercados. O preço recorde da arroba do boi em novembro de 2010 -de R$ 111, em média- foi percebido pelos consumidores no mesmo mês.

A pesquisa, que se refere à cidade de São Paulo, não mostrou dados consistentes sobre a transferência de consumidor da carne bovina para as demais, quando o mercado está em alta, diz Ferraz. Mas pesquisa da Seab (Secretaria da Agricultura e do Abastecimento) do Paraná, indica que, para cada 1% de alta no preço da carne bovina no Estado, há queda de 2,6% no consumo desta em relação à do frango, e de 1,4% ante a suína.

Com preços mais competitivos do que os grandes supermercados, os açougues ganham mercado e vivem uma fase de “renascimento”. Protagonistas do comércio de carnes até os anos 80, os açougues passaram por uma forte crise na década de 90, quando o número de estabelecimentos caiu para menos da metade em São Paulo.

Segundo o Sindicato do Comércio Varejista de Carnes Frescas do Estado de São Paulo, a quantidade de lojas na capital chegou ao piso de 2.200 na pior fase da crise, em relação ao auge de 5.000. Problemas sanitários e mudanças no perfil do consumidor levaram muitos açougues a fechar suas portas. “Agora está havendo uma recuperação”, diz Manuel Ramos, presidente do sindicato, que estima o número de açougues em 2.800 hoje em São Paulo.

A Abras (Associação Brasileira dos Supermercados) estima que as vendas de carne bovina caíram de 15% a 20% nas redes desde outubro de de 2009, quando foi suspensa a cobrança de 9,25% de PIS e Cofins paga pelos frigoríficos nas vendas de carne. Essa mudança tributária, segundo a entidade, explica a diferença entre os preços praticados nos supermercados e nos açougues.

Segundo Tiaraju Pires, superintendente da Abras, a desoneração dos frigoríficos prejudicou o grande varejo. Antes, os supermercados tinham um crédito de 9,25% para abater do valor da compra e pagavam os impostos só sobre a margem de lucro. Após a mudança, passaram a contar com um crédito presumido de 3,7%, o que resultaria em aumento de 6% no custo líquido. “Para um produto que é operado com margem extremamente baixa, os supermercados precisam fazer uma engenharia para manter a rentabilidade”, afirma Pires.

Já os açougues, como se enquadram no perfil de micro e pequenas empresas, pagam uma alíquota de PIS e Cofins de até 2% sobre o valor de venda da carne. A Abras pede ao governo, desde 2009, desoneração de toda a cadeia, sem sucesso.

Para Ramos, o renascimento dos açougues deve-se à sua adequação à nova realidade do mercado, das condições de higiene ao atendimento personalizado. “Alguém tem de fazer o papel da dona de casa, que agora está no mercado de trabalho”, diz.

As informações são da Folha de S.Paulo, resumidas e adaptadas pela Equipe BeefPoint.

This post was published on 8 de agosto de 2011

Share

Recent Posts

Preço do Novilho do Mercosul segue perdendo força

O Novilho Mercosul voltou a cair nesta semana. O índice apurado pela Faxcarne apontou queda… Read More

25 de setembro de 2020

Equipamentos 3D são capazes de imprimir de um tudo — agora, até carnes

Em 1984, um estudante de engenharia perguntou ao americano Chuck Hull, inventor da impressora 3D,… Read More

25 de setembro de 2020

Certificação da Carne Hereford colhe resultados positivos em Santa Catarina

Assinado no final de 2019, o contrato entre a Associação Brasileira de Hereford e Braford… Read More

25 de setembro de 2020

BNDES volta a pedir ação por danos à JBS

Amparada por decisão favorável em tribunal arbitral, a BNDESPar, braço de participações acionárias do Banco… Read More

25 de setembro de 2020

Primeira etapa de vacinação contra a febre aftosa já imunizou 166 milhões de animais

Os dados parciais da primeira etapa de vacinação contra a febre aftosa em 2020 mostraram… Read More

25 de setembro de 2020

Pecuária orgânica é oportunidade pós-pandemia

Atividade ainda incipiente no País, a pecuária orgânica é viável e representa uma oportunidade de… Read More

25 de setembro de 2020