Categories: Giro do Boi

Setor de alimentos aposta na diversificação de produtos

A indústria alimentícia projeta dois cenários distintos para o mercado interno: com menos dinheiro no bolso, o consumidor fica mais seletivo e acaba escolhendo porções menores ou marcas mais baratas de alimento; ou então aproveita os recursos que seriam empregados em produtos de maior valor agregado, como a prestação de carros, de eletrodomésticos ou de eletroeletrônicos, e os direciona às compras básicas, começando pela comida. Seja qual for a tendência para os próximos meses, boa parte dos fabricantes está confiante no aumento da demanda e prevê bons resultados para 2009.

A Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação (Abia) acredita em um aumento de 1,5% na produção. “Alimentação é uma necessidade básica e, como tal, costuma sofrer menos em épocas de turbulência econômica”, afirma Denis Ribeiro, coordenador do departamento de economia e estatística da Abia. Em 2008, o setor faturou R$ 269 bilhões, com crescimento de 16,5% sobre a receita bruta do ano anterior. Em termos reais, descontada a inflação, o aumento nas vendas de alimentos processados e bebidas foi de 3,2%, segundo a Abia.

A incógnita no horizonte da indústria no momento diz respeito à febre suína, que tem castigado as ações de alguns frigoríficos. “Não sabemos até agora qual será o impacto da doença sobre os negócios do setor”, diz Ribeiro. A Bertin, que não produz derivados de carne suína, está despreocupada. “Na gripe aviária, que assustou os consumidores em 2003 e 2004, houve migração do consumo de aves para o de carne bovina, comportamento que pode se repetir agora”, afirma o diretor da divisão de lácteos da Bertin, Fernando Falco.

Apesar dos esclarecimentos da Organização Mundial da Saúde (OMS) de que a gripe suína não é transmitida pela carne do porco, empresas como a Bertin podem se beneficiar do receio dos consumidores em ingerir esse tipo de alimento. De qualquer forma, a Bertin tem apostas mais consistentes para fazer crescer suas vendas este ano. “Estamos investindo cada vez mais em produtos de maior valor agregado e acabamos de fazer uma reestruturação no nosso plano de marketing, identificando cada marca do portfólio com um tipo de público”, afirma Falco.

Até agora, os resultados são animadores. “As vendas de lácteos cresceram 11% no primeiro trimestre e aumentamos os nossos pontos de distribuição em 10%, chegando a 2 mil estabelecimentos.” A meta para o ano, diz Falco, é manter o crescimento de dois dígitos para lácteos e carnes. Nesse último segmento, a proposta é aumentar o valor agregado dos produtos também para o food service. Um exemplo está na entrega de itens pré-processados, como carnes já fatiadas para empresas de refeições coletivas.

A cearense M. Dias Branco, líder na produção de massas e biscoitos, prevê que o ritmo de crescimento em 2009 será maior que o do ano passado, quando atingiu vendas líquidas de R$ 2,19 bilhões, com alta de 45,5% sobre 2007. “Temos cerca de 300 itens, distribuídos em 40 marcas para o consumo doméstico e industrial, o que nos permite atender uma gama muito variada de público”, afirma o chief financial officer (CFO) da M. Dias Banco, Geraldo Luciano Mattos Júnior. A indústria é dona de marcas como Adria, Isabela, Fortaleza, Basilar e Rochester, e também fabrica óleos, margarinas e farinhas. Capitalizada, a M. Dias Branco estuda, inclusive, novas aquisições em 2009.

A Nestlé e a Kraft, por sua vez, acreditam que poderão apresentar bons números às matrizes suíça e americana, respectivamente. Há grandes expectativas em torno do mercado brasileiro, um dos poucos em que o consumo tem chances de crescer em 2009. “Nossa estratégia passa pela oferta de marcas líderes em porções menores, que permitem menor desembolso por parte do consumidor”, afirma Mark Clouse, presidente da Kraft, dona da Lacta. Com isso, diz, a empresa pode oferecer o mesmo produto, por um preço mais baixo.

A Nestlé segue pelo mesmo caminho. A companhia está desenvolvendo um projeto piloto em Pernambuco e no Ceará em que oferece sachês de produtos como Leite Ninho, Mucilon, Nescau e Maggi Tempero & Sabor com preços sugeridos entre R$ 0,15 e R$ 0,70. “Criamos produtos com a cara do público das classes C, D e E e ao alcance do seu bolso”, explica o presidente da Nestlé no Brasil, Ivan Zurita.

A matéria é de Daniele Madureira (com colaboração de Lílian Cunha), publicada no jornal Valor Econômico, adaptada e resumida pela Equipe MilkPoint.

This post was published on 4 de maio de 2009

Share

Recent Posts

Chegou a sua chance de mudar o jogo da fazenda

Se você quer… 📍 Ter uma fazenda com mais lucro, satisfação, reconhecimento com mais harmonia.… Read More

5 de março de 2021

Uruguai: INAC considera exportar para países do Sudeste Asiático

O Instituto Nacional de Carnes (INAC) do Uruguai está explorando a possibilidade de facilitar exportações… Read More

5 de março de 2021

Senador dos EUA proporá lei que impede importação de commodities associadas a desmatamento

Os Estados Unidos deverão discutir em breve um projeto de lei para impedir que o… Read More

5 de março de 2021

Votação na Suíça pode definir peso de exigências ambientais

Pela primeira vez os suíços vão votar sobre um acordo comercial. A consulta popular a… Read More

5 de março de 2021

Rastrear fornecedores indiretos de gado demanda ‘várias engrenagens’, diz membro do comitê de sustentabilidade da Marfrig

O rastreamento dos fornecedores indiretos de gado dos frigoríficos para zerar o desmatamento nessa parcela… Read More

5 de março de 2021

Nova cepa de peste suína africana na China preocupa analistas

Uma nova cepa do vírus causador da peste suína africana (ASF) identificada na China tem… Read More

5 de março de 2021