“Se pensarmos em pecuária extensiva a pasto – esquece!” – Daniel de Carvalho|Cruzamento entre bovinos europeus britânicos X continentais

O BeefPoint já publicou diversos artigos apresentando casos de sucesso e experiências com cruzamentos de bovinos de corte, mas hoje, optamos por reunir uma série de opiniões de profissionais ligados ao setor do melhoramento genético, professores e produtores para discutirem a seguinte questão: Cruzamento entre bovinos europeus x continentais será que essa é uma tendência que veio pra ficar?

Por Daniel de Carvalho

Vamos começar pela pergunta – Por que fazer cruzamento entre raças?

Resposta rápida – para obter heterose, um fenômeno advindo da heterozigose.

Segunda pergunta, onde pode ser obtido o maior grau de heterose?

Resposta rápida – no cruzamento entre raças ou indivíduos menos aparentados.

Fato 1: Taurinos britânicos são mais aparentados dos taurinos continentais do que de outros bovinos, como os zebuínos, o que significa que a heterose esperada em seu respectivo cruzamento será menor.

Fato 2: Podemos medir o grau de heterose, mas ainda não existe nenhum trabalho que mostre o valor de sua expressão, ou seja, por exemplo, quantos quilos a mais serão ganhos para cada grau de heterose. Assim apesar de acreditarmos que quanto maior a heterose maior o desempenho, isso não pode ser comprovado.

Fato 3: Taurinos continentais são conhecidos por comporem raças de grande porte, apresentando muito crescimento e carcaças grandes e pesadas, contudo apresentam menor propensão à terminação (acabamento), maior idade à puberdade e altíssimos pesos ao nascer.

Fato 4: Taurinos britânicos são de porte menor, apresentam maior facilidade de deposição de gordura subcutânea e intramuscular, além de precoce maturidade sexual e baixo peso ao nascer.

Fato 5: Ambas são raças consistentes, ou seja, existem há muito tempo, contudo a amostragem experimental (entenda-se o número de animais e rebanhos) aos quais convergem as raças britânicas são infinitamente superiores – em âmbito nacional e mundial. Isso quer dizer que existem muito mais animais britânicos do que continentais, portanto, nos direcionamos a dizer que a “pressão de seleção” nos britânicos foi e é maior.

Fato 6: O grau de “Herdabilidade” não é o mesmo para todas as características dentro de raças diferentes, assim, pode ocorrer que, em um determinado cruzamento o resultado da heterose não seja “meio/meio”, por exemplo se cruzarmos um animal grande com um pequeno, o produto será médio. Assim, fenômenos genéticos como “Dominância”, “Co-dominância” e “Epistasia” podem se manifestar no produto cruzado que poderá tender mais ou menos para uma determinada raça.

Fato 7: Existe uma diferença crucial entre o cruzamento: taurino britânico X taurino continental e, o cruzamento: taurino continental x taurino britânico, pois este segundo, certamente morrerá ao parto, inclusive matando a mãe também.

Por fim a minha conclusão:

Taurinos britânicos podem ser utilizados em sistemas de cruzamento com raças continentais, primeiramente, desde que o “pai” seja um taurino britânico e que o produto seja terminal – ou seja, as matrizes não sejam utilizadas para reposição.

O produto apresentará grande desempenho em ganho de peso e moderada facilidade de terminação, ou seja, para terminar com bom acabamento, precisa de muito ambiente (entenda-se comida).

E por fim, este produto é 100% taurino, assim, não estará adaptado à vida nos trópicos, sendo susceptível a carrapatos, calor devido ao comprimento do pelo e etc. Também não seria apto a sistemas de produção a pasto, assim seu manejo não admite recria, o que aumenta muito o custo de produção.

A qualidade da carne será boa, mas não o suficiente para programas de bonificação de preços, mas o desempenho no peso final pode justificar o investimento no custo.

Em suma, provendo-se o ambiente (manejo e alimento) adequado, não pontos negativos. Assim, se pensarmos em pecuária extensiva a pasto – esquece!

Apenas mais uma contribuição, os EUA fazem este tipo de “experiência” há anos, obtendo o que hoje chamamos de Simangus, Black Simental, Limangus, que são animais com composições controladas de graus de sangue britânico dentro de raças continentais.

O resultado?

Muito bom, por que possuem ambiente para eles.

This post was last modified on 21 de maio de 2014 8:09

Share

View Comments

  • Caro Daniel - O principal objetivo do cruzamento em bovinos de corte não é a heterose, mas sim a complementaridade. A heterose é a superioridade do cruzado, num caráter, em relação à média das raças originais. Consoante o caráter, o cruzado é mais ou menos superior à média das raças originais, mas raramente melhor do que a melhor delas. Os carateres reprodutivos, de vigor e rusticidade têm uma heterose alta; os de velocidade de crescimento e eficiência de conversão, média; os de carcaça e qualidade da carne, baixa. O cruzado poderá ser melhor do que a raça melhor nos carateres de heterose alta, principalmente se as raças originais forem fenotipicamente próximas. Por outro lado, o cruzamento permite juntar qualidades diferentes de raças diferentes. Isso é complementaridade. Em Portugal, os cruzamentos mais frequentes em bovinos de corte são de touros de raças continentais - principalmente Limousin e Charolês - com raças autóctones, como a Mertolenga e a Alentejana. Estes cruzamentos tiram partido da complementaridade entre os carateres de crescimento e de carcaça das raças continentais e os carateres reprodutivos, maternais e de rusticidade (resistência ás agressões do meio: alimentação irregular ao longo do ano, inclemências do clima, parasitas e outros patogénicos) das raças autóctones. A propósito, as pequenas vacas Mertolengas parem as crias de touros Charoleses com mais facilidade do que as grandes vacas desta raça.

  • Parabéns pelo artigo, Daniel!
    Com os 20 anos de experiência que o Montana tem em cruzamento, já usamos uma série de raças e já experimentamos um número grande de combinações. Usamos, inclusive, o Stabilizer, animal composto de 4 raças, sendo 2 britânicas e 2 continentais e já sabemos que o resultado só foi bom no Uruguai. Mesmo no RS, não atingimos os objetivos, uma vez que lá também faz calor.
    Manter heterose ao longo das gerações não é tarefa fácil e manter lotes disto e daquilo na fazenda é tarefa bem complicada.
    Já usamos também diversos taurinos adaptados e percebemos que a solução não está ali.
    O uso de touros compostos, como o Montana, se provou o melhor resultado em termos produtivos, reprodutivos e econômicos.
    Uma coisa há que ser dita: ficar sem o cruzamento não dá mais!
    Um abraço

  • Parabéns Daniel,

    Como você está meu amigo?
    Conforme dito pelo Mario Aguiar, achei seu artigo muito didático.
    Aproveite a oportunidade para criar uma cartilha para produtor em uma linguagem bem simples relatando os cruzamentos e os resultados obtidos.
    Um Grande Abraço

  • Interessante o comentário do Daniel, apenas gostaria lembrar que o Brasil é muito grande e temos o sul, o centro, norte e nordeste do Brasil, com diferentes climas e microclimas, com suas opções e diversidade de sistemas de criação. Outra realidade no segmento Pecuária de Corte é a verticalização da produção, para sermos competitivos perante outros segmentos do agro. Não sabemos ainda o limite de produção, por área, na Pecuária de Corte, onde esta o limite?. Há um desconhecimento das linhagens e evolução das raças. No Charolês, que trabalho, a seleção é por animais de pelo zero, bezerros pequenos ao nascer, matrizes com alta habilidade materna e precocidade de acabamento de carcaça . Selecionados para clima tropical. O que valia 10, 15 anos atrás hoje esta diferente, a seleção evolui, as raças evoluem. Não é o caso de "desbancar" a predominância das Zebuínas no Brasil, que sempre irão predominar, mas no RS a pecuária tem outro perfil e as Zebuínas não se adaptam a baixas temperaturas, por exemplo. Nos EUA o cruzamento entre Charolês X Angus não é uma "experiência", uma realidade. Nos confinamentos,o que a anos atrás era pelo preto (Angus) , hoje predomina o pelo baio e fumaça do cruzamento com Charolês.

  • Olá Daniel.
    Acho o seu artigo ainda mais claro do que a água, seria muito interesante que
    o máximo de produtores,tivesem acesso a este trabalho seu. Parabéns.

  • Parabéns Daniel! Muito esclarecedor seu comentário. Continentais a pasto nos trópicos esquece. É burrice. Simples assim. Mesmo cruzados de taurinos britânicos e continentais são possíveis de serem obtidos, na minha opinião, apenas do Paraná para baixo, onde uma fêmea continental apresenta bom desempenho. E estes produtos cruzados precisam ser suplementados para serem lucrativos. Em produção extensiva esquece também. Obviamente podemos adquirir estes mestiços no Sul e acaba-los em SP, MG, MS, MT, etc. Mas o custo do frete e da aclimatação precisam ser considerados. Um caminho bem mais simples para quem esta acima do tropico de Capricórnio, sem querer polemizar, é optar pelo mestiço de angus com nelore. Este sim um produto vencedor no CO. Mas sempre com o cuidado de manter a produção de fêmeas de reposição. Simplesmente não acredito em um criador que não produz sua reposição.

  • Senepol Neles e em seus Cruzamentos.
    Com certeza corrigirá o problema mencionado nos 2 parágrafos abaixo, e copiados com a famosa sequência "Ctrl V e Ctrl C".
    -------------------------------------------------------------------------------------------------------------
    E por fim, este produto é 100% taurino, assim, não estará adaptado à vida nos trópicos, sendo susceptível a carrapatos, calor devido ao comprimento do pelo e etc. Também não seria apto a sistemas de produção a pasto, assim seu manejo não admite recria, o que aumenta muito o custo de produção.

    Em suma, provendo-se o ambiente (manejo e alimento) adequado, não pontos negativos. Assim, se pensarmos em pecuária extensiva a pasto – esquece!
    -------------------------------------------------------------------------------------------------------------

    Experimentem não esquecer... os resultados poderão ser muito bons se aplicado o bordão : Senepol Neles ou em seus Cruzamentos.

  • O cruzamento é muito parecido com um cano de esgoto. O que tu pões na entrada é o que terás na saída!
    Destruir uma qualidade construída em séculos por objetivos quantitativos me parece um tiro no pé, que vai gangrenar todo o membro pecuário no futuro.

Recent Posts

Por que lucratividade é muito mais importante do que produtividade na sua fazenda?

Por que é tão importante falar de lucratividade versus produtividade? A primeira coisa é: são dados reais! Existem poucos bancos… Read More

28 de janeiro de 2020

Efeito do coronavírus no consumo de carne: “O que está acontecendo não é bom”, diz empresário uruguaio

O surto do coronavírus está alarmando o mundo, especialmente a China e outros países da Ásia, e está causando um… Read More

28 de janeiro de 2020

EUA: Futuros de gado caem em meio a temores de coronavírus

Na sexta-feira, o futuro dos bovinos vivos e para engorda dos EUA atingiu seus preços mais baixos em meses, em… Read More

28 de janeiro de 2020

Fogo na Austrália e peste suína africana devem favorecer carne brasileira

Os incêndios na Austrália afetam a produção de carnes no país, o que deve abrir espaço para novo salto de… Read More

28 de janeiro de 2020

Mapa faz esclarecimentos sobre coronavírus

Diante da emergência do vírus identificado na China em dezembro de 2019 – Coronavírus e já detectado em vários países,… Read More

28 de janeiro de 2020

Serviço de Inspeção Federal completa 105 anos

Responsável por assegurar a qualidade de produtos de origem animal, comestíveis e não comestíveis, destinados ao mercado interno e externo,… Read More

28 de janeiro de 2020

Assista Aula Grátis "As 7 Estratégias do Lucro em Fazendas"

Quero Assistir