Temor de recessão pesa sobre commodities
1 de julho de 2022
Suécia é o primeiro país do mundo a vender carne bovina com “redução de metano”
4 de julho de 2022

“Se for feita com plantas, não chame de carne”, determina França

A França planeja banir o uso de nomes de carne como “bife” e “linguiça” em alimentos proteicos à base de plantas, de acordo com um decreto publicado nesta quinta-feira (30/6), em uma tentativa de evitar confusão sobre a moda das carnes alternativas.

A França é o primeiro país da União Europeia a efetuar tal movimento.

O mercado de alimentos semelhantes à carne à base de vegetais aumentou nos últimos anos, atraindo grandes investimentos de grupos agroalimentares globais que esperam capitalizar uma tendência de alimentação em geral saudável, incluindo menos carne vermelha.

“Não será possível usar a terminologia específica do setor tradicionalmente associada à carne e peixe para designar produtos que não pertencem ao mundo animal e que, em essência, não são comparáveis”, diz o decreto oficial.

O regulamento se aplica apenas a produtos fabricados na França, e o maior lobby agrícola do país, FNSEA, disse que não foi longe o suficiente, pois deixou a porta aberta para as importações.

A associação francesa da indústria de carnes Interbev saudou a implementação da lei adotada inicialmente em 2020, logo após o fim do bloqueio pandêmico.

“Esta disposição é um primeiro passo em território francês, pioneira na proteção de seus nomes, que deve ser estendida a nível europeu”, afirmou em comunicado.

Termos como “leite”, “manteiga” e “queijo” já são proibidos a nível europeu em produtos que não sejam de origem animal.

A palavra “hambúrguer” usada por muitas marcas, incluindo as empresas americanas Beyond Meat, Impossible Foods e Burger King para atrair consumidores, ainda seria permitida, pois não se refere especificamente à carne, disse um porta-voz da Interbev.

Investidores-anjo, capitalistas de risco, bem como maiores investimentos de gigantes agroalimentares como Cargill, Danone e Nestlé, ajudaram a aumentar a taxa de crescimento da indústria global de alimentos à base de vegetais. Esse crescimento está previsto em 19% ao ano durante o período 2022-2027 pela ResearchAndMarkets.

Fonte: Reuters, publicado no Avisite.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.