Raiva em bovinos deixa sistema de saúde em alerta no sudoeste paulista

Três casos confirmados de raiva em bovinos puseram em alerta o sistema de saúde dos municípios de Itararé e Riversul, no sudoeste paulista. A doença é fatal e pode ser transmitida para o homem por meio do contato com os animais doentes.

Cinco bovinos e um suíno morreram com sintomas de raiva em propriedades rurais dos bairros Barreirinho, Serrinha e das Furnas, em Itararé, entre março e junho deste ano. Os exames de laboratório confirmaram a doença em três animais segundo a Vigilância Epidemiológica do município.

De acordo com a enfermeira Juliana Sala, todos os moradores e funcionários das propriedades foram vacinados. “Aqueles que tiveram contato com os animais receberam também o soro, que tem ação preventiva mais rápida. Temos ainda duas pessoas em tratamento.”

O médico veterinário da Vigilância, Dalmerson Lopes Machado, disse que os proprietários rurais foram orientados a vacinar todo o rebanho bovino e também os animais domésticos, como cães e gatos.

“Temos a presença na região do morcego hematófago, que funciona como propagador da raiva, ao sugar o sangue de um animal doente. É um fator que eleva o risco.” Os morcegos podem levar a doença para a área urbana, mordendo cães e gatos, mas já houve relatos de ataques de hematófagos a pessoas no meio rural.

De acordo com Machado, ao menos 15 bovinos morreram com sintomas em fazendas de Riversul, município vizinho.

A Defesa pede que os casos de mordeduras em animais sejam notificados. Durante o primeiro semestre de 2017, a equipe de controle da raiva averiguou a causa da morte de 258 animais no Estado. Desses, 93 herbívoros tiveram resultado positivo para raiva.

Fonte: Estadão, resumida  e adaptada pela Equipe BeefPoint.


ou utilize o Facebook para comentar