Quatro razões mais comuns pelas quais as empresas familiares falham

Muitas das empresas mais bem sucedidas do mundo são geridas por famílias multigeracionais. Walmart, BMW e Samsung são três exemplos proeminentes. Mas enquanto mais de 70% das empresas australianas são familiares, apenas 30% sobrevivem à transição da primeira para a segunda geração e apenas 12% chegam à terceira geração.

O que acontece com as empresas familiares que as tornam tão suscetíveis ao fracasso? Os motivos são variados, mas existem alguns temas comuns que acometem à maioria. Aqui está uma lista de quatro desses temas, juntamente com dicas para ajudar a garantir que o negócio da família prospere de uma geração para a próxima.

1. Os herdeiros não recebem educação financeira

Muitas crianças nascidas em um ambiente de riqueza estão mal preparadas para administrar o dinheiro devido à falta de educação financeira de seus predecessores. Isso resulta em uma tomada de decisões precária e coloca o capital da família em grande risco. Famílias que também não conseguem nutrir um senso de responsabilidade, história e valores familiares nas gerações vindouras, em última instância, falham em seus negócios.

Dica:

Eduque sua próxima geração sobre patrimônio e gestão financeira responsável o mais cedo possível. Proteja o patrimônio familiar insistindo em acordos pré-matrimoniais e separação de bens pessoais e familiares.

2. Uma cultura de nepotismo

As famílias que continuam promovendo parentes não qualificados em cargos de poder, simplesmente porque são membros da família fundadora, também estão em um caminho acelerado para o fracasso.

Dicas:

Profissionalize o negócio através do estabelecimento de padrões de emprego para funcionários familiares e não familiares. Desenvolva uma política familiar de emprego empresarial que delineie claramente o seguinte:

– Como um membro da família obtém um emprego no negócio (ou seja, eles seguem um processo normal aplicável?);

– Que experiência eles precisam;

– Como são remunerados;

– Descrições de trabalho detalhadas; e

– Informações relativas a avaliações de desempenho anuais.

Ao fazer isso, você pode achar útil usar benchmarks da indústria para ajudá-lo a estabelecer papéis e expectativas claras, particularmente em relação ao salário.

3. As disputas persistentes de planejamento de sucessão

A grande maioria das empresas familiares encontra dificuldades quando se trata de planejamento de sucessão. De acordo com a Pesquisa de Empresas Familiares de 2016 do National Bureau of Economic Research, 43% das empresas familiares não possuem planos de sucessão.

Muitos líderes da geração atual também estão atrasando a aposentadoria enquanto lutam com a realidade de deixar seus negócios nas mãos de outra pessoa – esperando que essa seja capaz. Isso agrava ainda mais o problema do planejamento de sucessão à medida que uma doença inesperada ou morte súbita representa um risco real para o negócio e a saúde financeira da família.

Dicas:

Comece um planejamento de sucessão agora. Se você pretende treinar um sucessor interno ou trazer gerentes externos, o planejamento de sucessão adequada leva anos. Se você deseja realmente garantir que sua empresa sobreviva após a transição ou a morte, é fundamental que comece a estruturar as bases antes.

Certifique-se de que não confunda o planejamento imobiliário com o planejamento de sucessão também.

4. Falta de estrutura de governança familiar

Muitas famílias relutam em abordar questões de governança, porque as obriga a enfrentar a possível necessidade de mudanças importantes na forma como gerenciam seus negócios. Estruturas de governança formalizam exatamente quem faz o que e como, mas também fornecem uma linha distinta entre família e negócios. Sem governança familiar, é fácil ser vítima de problemas internos de discórdia e de propriedade.

Dica:

Proteja seu negócio instituindo governança formal e estruturas de propriedade que separem claramente o controle familiar da gestão diária do negócio.

Considere trazer gerentes profissionais para administrar o negócio, mantendo participações de propriedade para sua família. Muitas empresas familiares multigeneracionais bem-sucedidas fazem isso, pois permitem concentrar-se na diversificação e gerenciamento de seu patrimônio, além de facilitar a navegação nas transições geracionais.

O artigo é de David Harland, consultor em negócios familiares, para o SmartCompany, traduzido e adaptado pela Equipe BeefPoint.

This post was last modified on 1 de março de 2018 13:08

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

Por que lucratividade é muito mais importante do que produtividade na sua fazenda?

Por que é tão importante falar de lucratividade versus produtividade? A primeira coisa é: são dados reais! Existem poucos bancos… Read More

28 de janeiro de 2020

Efeito do coronavírus no consumo de carne: “O que está acontecendo não é bom”, diz empresário uruguaio

O surto do coronavírus está alarmando o mundo, especialmente a China e outros países da Ásia, e está causando um… Read More

28 de janeiro de 2020

EUA: Futuros de gado caem em meio a temores de coronavírus

Na sexta-feira, o futuro dos bovinos vivos e para engorda dos EUA atingiu seus preços mais baixos em meses, em… Read More

28 de janeiro de 2020

Fogo na Austrália e peste suína africana devem favorecer carne brasileira

Os incêndios na Austrália afetam a produção de carnes no país, o que deve abrir espaço para novo salto de… Read More

28 de janeiro de 2020

Mapa faz esclarecimentos sobre coronavírus

Diante da emergência do vírus identificado na China em dezembro de 2019 – Coronavírus e já detectado em vários países,… Read More

28 de janeiro de 2020

Serviço de Inspeção Federal completa 105 anos

Responsável por assegurar a qualidade de produtos de origem animal, comestíveis e não comestíveis, destinados ao mercado interno e externo,… Read More

28 de janeiro de 2020

Assista Aula Grátis "As 7 Estratégias do Lucro em Fazendas"

Quero Assistir