Proibição de comércio de gado pode levar a perdas de empregos na Índia

A proibição do governo central da Índia sobre o comércio de gado para abate ameaça os US$ 4 bilhões em exportações anuais de carne e milhões de empregos se o governo não revogar a paralisação decretada na semana passada, de acordo com dois funcionários da indústria.

No último recuo da indústria de carne dominada pelos muçulmanos, o governo do primeiro-ministro Narendra Modi decretou que os mercados de animais só poderão comercializar gado para fins agrícolas, como arar e produzir leite.

De acordo com o Business Standard, a proibição provavelmente alienará os muçulmanos, que representam 14% das 1,3 bilhão de pessoas da Índia e gerará tensões comunais e religiosas. Os líderes hindus e os grupos de vigilantes de vacas têm se afirmado cada vez mais desde que o governo nacionalista hindu de Modi chegou ao poder em 2014.

A maioria da carne bovina da Índia vem de búfalos d’água em vez de vacas, que são consideradas sagradas pelos hindus, mas os comerciantes e os matadouros locais de gado têm sido repetidamente atacados por grupos ativistas que se opõem ao comércio de carne.

“Com a ordem que proíbe a negociação de gado em mercados organizados, o governo tentou impor uma proibição ao setor de carne”, disse Abdul Faheem Qureshi, chefe do Muslim All India Jamiatul Quresh Action Committee.

“As ofertas de carne em breve irão parar na Índia e no exterior, se o governo não revogar esse pedido draconiano ou um tribunal não intervir”, disse Qureshi.

Os comerciantes de carne indianos, sob a égide do Comitê de Ação de Quresh e outras associações do comércio e da indústria, planejam recorrer à Suprema Corte da Índia nos próximos dias para obter a ordem do governo rescindida.

“As exportações vão parar, porque os matadouros acharão extremamente difícil comprar gado e também haverá perdas de empregos generalizadas no setor, que apoia milhões de pessoas.”

Os matadouros em toda a Índia em 31 de março fizeram uma greve após quatro dias, quando o estado mais populoso de Uttar Pradesh, governado pelo partido do PM Modi, garantiu que renovaria as licenças de matadouros e os protegeria contra os ataques de grupos de vigilantes de vacas.

O setor de abate se estabilizou após a greve, mas a última ordem abalou o comércio novamente, disse Priya Sud, parceira da Al Noor Exports, que opera matadouros em Uttar Pradesh.

O impacto sobre as exportações será mais evidente após alguns meses, quando a cadeia de fornecimento se acalmar, disse Ms Sud.

A Índia exportou 1,33 milhão de toneladas de carne de búfalo no ano fiscal 2016/17 até 31 de março, no valor de cerca de US $ 3,9 bilhões. As exportações foram de pouco mais de 1,31 milhão de toneladas exportadas no ano anterior.

Fonte: TheCattleSite, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.


ou utilize o Facebook para comentar