Categories: Giro do Boi

Programa de Carne Sustentável e Orgânica do Pantanal já abateu 12 mil bovinos

O Programa Carne Sustentável e Orgânica do Pantanal completa dois anos com 12 mil animais abatidos e desponta como uma das ações do Governo do Estado para o fortalecimento e aprimoramento da atividade pecuária na região pantaneira. O projeto prevê a adoção de boas práticas de produção e manejo dos animais, de forma integrada ao meio ambiente, conservando e protegendo as características únicas do bioma.

O programa realizado e coordenado pela Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar) busca a valorização do homem pantaneiro, sua cultura e os processos produtivos que, historicamente, preservaram o bioma pantanal. O produtor que se habilita no programa deve garantir o bem-estar animal em todas as fases do processo produtivo e minimizar os impactos ambientais.

“Tudo isso proporciona um produto final saudável, obtido com responsabilidade social e ambiental e com uma certificação que o identifica como sustentável e orgânico. A ideia central é a da agregação de valor à atividade pecuária no Pantanal com um modelo produção sustentável que já é uma condicionante em todos os nossos programas de incentivo”, lembra o secretário Jaime Verruck, da Semagro.

De acordo com Verruck, o “Carne Sustentável e Orgânica do Pantanal” é um programa de incentivo fiscal que “estimula a produção sustentável, melhora a remuneração do produtor pantaneiro e nos auxilia a divulgar uma marca e uma carne sul-mato-grossense de qualidade em nível nacional e internacional”.

Ele foi construído juntamente com os produtores rurais do Pantanal e com a ABPO – Associação Brasileira de Produtos Orgânicos. “Realizamos todo um trabalho para desenvolver um produto específico do Pantanal, com marca e reconhecimento. Ele foi lançado em 2018 pelo Governo do Estado e incluído no PROAPE – Programa de Avanços da Pecuária de Mato Grosso do Sul”, comenta.

De acordo com as normas do programa, a carne sustentável é aquela que tem a certificação da ABPO junto ao Ministério da Agricultura. Já a carne orgânica, segue o protocolo nacional de propriedades produtoras que se enquadram na lei federal do Sistema Brasileiro de Conformidade Orgânica. A certificação do programa é realizada pelo IDB Certificação.

Para se habilitar, as propriedades rurais, além de estarem localizadas no bioma pantanal devem atender a uma série de exigências, como: alimentação dos animais com pastagem do bioma pantaneiro; suplementação animal com controle de origem; atendimento a normas rigorosas de manejo sanitário; instalações e equipamentos devidamente certificados; condições de embarque, transporte e desembarque privilegiando o bem-estar animal. “Hoje, temos o credenciamento de técnicos. Já são seis habilitados, que passaram pela capacitação oferecida pela Semagro”, lembra o titular da Semagro.

Em dois anos do programa, foram 12 mil animais abatidos. “É um resultado de sucesso, pois é um programa de nicho de mercado. Hoje temos 11 propriedades rurais cadastradas, produzindo esses produtos e outras 8 em processo de credenciamento e que ainda serão avaliadas se seguem os critérios de sustentabilidade e de produção orgânica. Nossa ideia é estimular que outros produtores pantaneiros entrem no programa e que, cada vez mais essa marca seja reconhecida internacionalmente”, afirma o secretário Jaime Verruck.

Atualmente, quatro indústrias frigoríficas estão habilitadas a fazer os abates: Naturafrig Alimentos Ltda (Rochedo); Boibrás Ind. Com. Carnes e Subprodutos Ltda (São Gabriel do Oeste); Frima Frigorífico Marinho Ltda (Corumbá); Frizelo Frigoríficos Ltda (Terenos). Outras 3 indústrias frigoríficas estão em processo para serem credenciadas: JBS – Unidade I e II (Campo Grande); JBS (Anastácio, Coxim e Ponta Porã) e Frigorífico Balbinos (Sidrolândia).

Na avaliação do titular da Semagro, o “Carne Sustentável e Orgânica do Pantanal” é um programa “altamente consistente, com critérios de produção sustentável para depois ser credenciado como orgânico. A oferta de carne de qualidade com certificação orgânica é um mercado crescente em nível nacional e internacional e inserir o Pantanal nesse contexto é fundamental para posicionar Mato Grosso do Sul como um Estado que tem a sustentabilidade como política estratégica para o desenvolvimento econômico”, finaliza Jaime Verruck.

Fonte: A crítica.

This post was published on 11 de novembro de 2020

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

Exportação na Argentina: governo incentiva frigoríficos a dar detalhes dos embarques

Após as medidas anunciadas sobre a criação de um cadastro para "monitorar" as exportações de… Read More

16 de abril de 2021

Avaliada em R$ 86,6 bi, JBS renova máxima histórica na B3

Impulsionadas pelas perspectivas amplamente favoráveis para os negócios nos EUA, as ações da JBS renovaram… Read More

16 de abril de 2021

Minerva quer zerar até 2035 suas emissões de carbono

A Minerva Foods, maior exportadora de carne bovina da América do Sul, anunciou ontem que… Read More

16 de abril de 2021

Indústria de bacon vegetal atrai investimento de Robert Downey Jr.

A ascendente indústria de proteínas de base vegetal atraiu o Homem de Ferro. O ator… Read More

16 de abril de 2021

Pesquisadora brasileira vai criar a primeira carne cultivada do País

A pesquisadora Bibiana Matte, da Núcleo Vitro, está desenvolvendo a primeira carne cultivada do País.… Read More

16 de abril de 2021

Milho: clima ruim na América do Sul provoca forte alta em Chicago

A Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) para  milho fechou a sessão desta quarta-feira, 14,… Read More

16 de abril de 2021