Categories: Giro do Boi

Produtores americanos questionam uso da palavra “carne” para produto fabricado em laboratório

Recentemente, a Associação de Criadores de Gado dos EUA tomou uma medida aparentemente defensiva mediante a apresentação de uma petição com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) para evitar que produtos sejam rotulados com a palavra “carne” (beef ou meat, em inglês) a menos que proviessem de um animal abatido.

Eles argumentam que os consumidores estão sendo confundidos e enganados quando compram hambúrgueres e outros produtos à base de carne que contêm proteínas alternativas. No entanto, parece que a motivação real é impulsionada pelo medo. A indústria de carne bovina está enfrentando uma concorrência real pela primeira vez e simplesmente não estão gostando disso.

Há boas razões para se preocuparem. De acordo com dados da HealthFocus, 17% dos consumidores dos Estados Unidos comem uma dieta predominantemente baseada em plantas e 60% afirmam estar reduzindo seus produtos à base de carne. Dentre os consumidores que estão reduzindo a ingestão de proteínas animais, 55% dizem que a mudança é permanente.

Um analista do Rabobank, um dos maiores bancos de commodities agrícolas do mundo, publicou um relatório que dizia que abocanhar apenas 5% da participação de mercado da carne convencional tornaria a “carne limpa” um produto viável.

Para piorar as coisas para os pecuaristas, alguns dos maiores players de produtos animais estão investindo no “inimigo”, por assim dizer. No ano passado, Tyson Foods (o maior processador de carne dos EUA) e e Cargill (maior empresa de agricultura privada da América) investiram em empresas de carnes vegetais e limpas; por isso, é fácil ver por que a indústria de carne está se sentindo um pouco insegura no momento.

A Associação de Criadores de Gado dos EUA não é a única preocupada em proteger seus negócios. No início deste mês, outro grupo industrial poderoso, a National Cattlemen’s Beef Association (NCBA), listou a “carne falsa” como uma das suas cinco principais prioridades para 2018 e prometeu “proteger nossa indústria e consumidores de carne falsa e rótulos enganosos”.

Será interessante acompanhar isso. A petição para o USDA parece violar os direitos da Primeira Emenda que permitem que as empresas rotulem seus produtos de forma clara e de forma que os consumidores entendam, o que pode ser uma das razões pelas quais, em última instância, poderá não dar certo.

Se há uma coisa que hoje os consumidores não gostam, é de alguém que diga o que eles podem ou não usar para descrever seus alimentos. Isso pode fazer com que os consumidores se sintam ainda mais inclinados a experimentar novas opções que têm menos impacto no planeta e evitam o abate de animais.

Rotulagens à parte, é provável que continuemos a ver mais empresas entrando no negócio de carnes à base de plantas e limpas, já que a demanda por esses produtos se tornando cada vez maior a cada ano.

Fonte: Forbes, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

This post was published on 28 de fevereiro de 2018

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

INAC promove carne uruguaia em restaurantes da China

O Instituto Nacional de Carnes (INAC) vem desenvolvendo campanhas na China com restaurantes e empresas… Read More

8 de março de 2021

Número de mulheres dirigindo propriedades rurais no Brasil alcançou quase 1 milhão, segundo dados do Mapa, Embrapa e IBGE

O número de mulheres dirigindo propriedades rurais no Brasil alcançou quase 1 milhão. A partir… Read More

8 de março de 2021

Exportações de carne bovina recuaram em fevereiro

As exportações brasileiras de carne bovina (in natura e processada) alcançaram 124,5 mil toneladas e… Read More

8 de março de 2021

Vai um bife por US$ 1mil? É de laboratório

“Garçom, um filab mal passado, por favor”. Um bife de laboratório, cultivado a partir de… Read More

8 de março de 2021

Novas regras para manejo de pastagens no Pantanal em MT

Depois que incêndios consumirem 30% dos 6 milhões de hectares do Pantanal que ficam em… Read More

8 de março de 2021

Fazenda Futuro terá Alexandre Ruberti, ex-Red Bull, no comando da operação nos EUA

A brasileira Fazenda Futuro, startup de proteínas vegetais do empresário Marcos Leta, está expandindo as… Read More

8 de março de 2021