Categories: Nutrição

Princípios básicos da suplementação de bovinos no período de secas

A produção de bovinos de corte em pastagens tem sua base produtiva nos nutrientes oriundos das forragens. As concentrações desses nutrientes variam grandemente de acordo com a época do ano e o estágio vegetativo da planta, acabando por determinar os índices de desempenho dos animais. As características histológicas, físicas e químicas das plantas forrageiras são em parte responsáveis pelas diferenças quanto aos potenciais de digestibilidade e de consumo de forragem (Poppi & Mclennan, 1995).

O ganho de peso depende principalmente do suprimento de substratos energéticos e aminoácidos aos tecidos, considerando que o limite genético para síntese protéica dificilmente seria alcançado pelos animais em pastejo, as diferentes estratégias de suplementação determinam maiores produções até atingirmos o limite genético de cada rebanho. O suprimento de aminoácidos está relacionado ao conteúdo protéico da dieta, da sua transferência na forma de proteína não degradável e microbiana, e da absorção destas no intestino delgado. Por outro lado, a deposição protéica depende da eficiência do uso da proteína absorvida, que é função da disponibilidade de substratos energéticos e de aminoácidos essenciais limitantes.

Há muitos anos iniciaram-se as pesquisas com o objetivo de reduzir a significativa perda de peso que ocorre durante o período de secas, com baixa produtividade forrageira, seja fornecendo fontes de nitrogênio não protéico, ou suplementando com alimentos protéicos alternativos.

A adoção de fontes de nitrogênio não protéica, como a uréia, associadas às misturas minerais, é a forma mais freqüentemente utilizada para eliminar a deficiência protéica durante o período seco, porém devemos lembrar que esta suplementação é direcionada aos microorganismos ruminais, e não aos animais diretamente.

A suplementação protéica de animais em pastejo durante o período de secas permite eliminar as fases negativas do crescimento, através do ajuste metabólico ruminal, melhorando a digestibilidade da forragem de baixa qualidade desse período, minimizando os efeitos de enchimento que diminuem a ingestão total de matéria seca. A suplementação a pasto tem grande influência na produção de carne, pois além de reduzir a idade de abate, diminui o custo fixo e permite maior velocidade no giro de capital. Além disso, a suplementação protéica de animais em pastejo é uma ferramenta que permite corrigir dietas desbalanceadas, melhorando o ganho de peso vivo, a conversão alimentar, e por conseqüência diminuir os ciclos produtivos da pecuária de corte.

Segundo Poppi & Mclennan (1995), a habilidade de se alterar a composição corporal dos animais mantidos a pasto depende da obtenção de alta relação energia/proteína, em relação aos nutrientes absorvidos. O simples aumento dos teores protéicos do material ingerido não é uma garantia de maior suprimento intestinal de proteína por unidade de matéria seca ingerida, ou maior quantidade de proteína absorvida. Tal eficiência no aproveitamento da fração protéica dependeria da disponibilidade de energia para os microorganismos ruminais utilizarem a amônia oriunda da proteína degradada.

Acredita-se que em condições de pastagens tropicais, durante o período de secas, ocorra tanto deficiência de proteína degradável no rúmen (PDR), quanto de proteína não degradável no rúmen (PNDR). Com isso, haveria necessidade de adição de fontes de proteína pouco solúveis, quando da suplementação de animais recebendo dietas à base de forragens de baixa qualidade. Porém, as concentrações de PDR devem ser primariamente consideradas na suplementação protéica, para se obter a máxima degradação da forragem no rúmen (Bandyk et al., 2001).

A inclusão de PDR em dietas com forragem de baixa qualidade, melhora a digestibilidade da fibra e aumenta a ingestão de matéria seca diária dos animais. Foram observados melhores resultados no desempenho dos animais com inclusão de PDR, tanto em dietas à base de feno de baixa qualidade (Mathis et al., 1999), como com 79,5% de milho quebrado (Shain et al., 1998).

Dois problemas devem ser considerados em relação à proteína de forragens tropicais: um seria os baixos teores, o outro a considerável degradabilidade ruminal da mesma. As características de degradação e a qualidade da fonte protéica fornecida aos animais são de extrema importância. A utilização de fontes protéicas de menor degradação ruminal, vão proporcionar maior quantidade de proteína no intestino, mas isso não assegura melhora no desempenho, sendo esse dependente do valor biológico da fonte protéica utilizada. A simples substituição na dieta de PDR por PNDR, poderá causar uma deficiência PDR, afetando os microorganismos ruminais e diminuindo a degradabilidade da porção fibrosa da dieta.

Referências bibliográficas:

BANDYK, C.A.; COCHRAN, R.C.; WICKERSHAM, E.C.; TITGEMEYER, E.C.; FARMER, C.G.; HIGGINS, J.J. Effect of ruminal vs postruminal administration of degradable protein on utilization of low quality forage by beef steers. Journal of Animal Science, v. 79, n. 1, p. 225-231, 2001.

MATHIS, C.P.; COCHRAN, R.C.; STOKKA, G.L.; HELDJT, J.S.; WOODS, B.C.; OLSON, K.C. Impacts of increasing amounts of supplemental soybean meal on intake and digestion by beef steers and performance by beef cows consuming low quality tallgrass-prairie forage. Journal of Animal Science, v. 77, n. 11, p. 3156-3162, 1999.

POPPI, D.P.; McLENNAN, S.R. Protein and energy utilization by ruminants at pasture. Journal of Animal Science, v. 73, n.1, p. 278-290, 1995.
SHAIN, D.H.; STOCK, R.A.; KLOPFENSTEIN, T.J.; HEROLD, D.W. Effect of degradable intake protein level on finishing cattle performance and ruminal metabolism. Journal of Animal Science, v. 76, n. 1, p. 242-248, 1998.

This post was published on 27 de julho de 2011

Share

View Comments

  • A PNDR irá complementar o pool de aminoácidos que chegam ao intestino. Desta forma o animal ira absorver tanto aminoácidos provenientes da PDR (que formará a proteina microbiana) quanto aminoácidos provenientes da PNDR (bypass) assegurando desta forma as exigências dos animais. Se suplementarmos por outro lado somente a PNDR, haverá falta de nitrogênio no rúmen, ocasionando baixo desenvolvimento de microorganismos ruminais (fermentação ruminal prejudicada) e gerando uma consequente queda de ingestão de MS, ganho de peso e produção animal.

  • A PDR é a proteína responsável em suprir as necessidades somente dos microorganismos. Com a deficiência da mesma, ocorre uma queda na quantidade de bactérias independente do tipo de bactéria.


    Com um menor número de bactérias ocorre uma queda no desempenho, isso porque uma vez que o animal possui poucas bactérias no rúmen este irá demorar mais para "esvasiar" com isso diminuindo a ingestão de matéria seca.


    A falta de bactérias também causa a diminuição da digestibilidade do alimento fornecido para o animal com isso ocorre uma queda no desempenho.


    A PNDR é a proteina que será utilizada diretamente pelo animal em forma de aminoácidos ou peptídeos, o que o animal aproveita da PDR são apenas os produtos que a bactéria irá fornecer ao animal no caso, Proteína Microbiana e Ácidos Graxos.

  • Prezado Antenor,

    A PNDR, como alguns colegas colocaram, é a proteína de alimentso ingeridos pelo anima e que não foram degradadas no rúmne, dessa forma não são fonte de N para a flora ruminal, ok? Podemos citar como exemplo a farinha de peixe, que tem grande parte de sua PB na forma de PNDR, sendo absorvida direto no intestino. Ao se pensar como utilizar a suplementação de PDR ou PNDR, devo ter em mente que:

    Após suprir todas as necessidades ruminais de N, passo a pensar em fornecer PNDR como um "plus" no suprimento protéico do animal.

    Caso eu forneça somente PNDR, estarei suprindo o animal diretamente, porém deixando o rúmen, principal fonte de proteína e energia do ruminante desiquilibrado e com todas as consequências deste. Além disso, ao fornecer PNDR no lugar da PDR, estou "trocando" proteína de alto valor biológico, proteína microbiana, por proteína de menor valor biológico, caso das fontes vegetais.



    Grande abraço!

Recent Posts

Uruguai: exportação de carne em julho foi recorde pelo sétimo mês do ano

Em um ano com uma produção de carne em "franco declínio", a exportação de carne… Read More

6 de agosto de 2020

CEPEA: Exportações brasileiras seguem registrando desempenho recorde

Passados os primeiros sete meses do ano, as exportações brasileiras de carne bovina seguem registrando… Read More

6 de agosto de 2020

Preços dos alimentos sobem pelo segundo mês seguido, diz FAO

Os preços globais dos alimentos subiram pelo segundo mês consecutivo em julho, liderados pelos óleos… Read More

6 de agosto de 2020

Minerva adquire frigorífico colombiano por US$ 14 milhões

Maior exportadora de carne bovina da América do Sul, a brasileira Minerva Foods deu mais… Read More

6 de agosto de 2020

Varejista Tesco pede ao governo do Reino Unido ajuda contra desmate

A Tesco, uma das maiores redes de varejo do Reino Unido, pediu ao governo britânico… Read More

6 de agosto de 2020

Casos de raiva no Paraná aumentam e deixam pecuaristas em alerta

A confirmação de novos casos de raiva em bovinos e equinos no Paraná acendeu o… Read More

6 de agosto de 2020