Podemos parar a crise climática com agricultura regenerativa

É hora de cultivar (e comer) como se o mundo dependesse disso

Nós podemos parar a crise climática.

Pelo menos, podemos começar a reduzir os 23% das emissões globais de gases de efeito estufa que o Painel Intergovernamental das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas atribuiu recentemente a atividades agrícolas.

A resposta é agricultura orgânica regenerativa. E a hora de implementá-la é agora.

Em um relatório publicado no mês passado, a ONU concluiu que os seres humanos não podem evitar os efeitos das mudanças climáticas sem fazer mudanças drásticas na maneira como cultivamos alimentos e usamos a terra.

A agricultura industrial convencional depende do uso de insumos químicos e fertilizantes sintéticos intensivos baseados em combustíveis fósseis, além de máquinas pesadas e lavoura, para o cultivo de alimentos. A agricultura industrial também depende de fazendas industriais para criação de animais. Esses métodos liberam grandes quantidades de carbono, metano e outros gases de efeito estufa na atmosfera.

Em contraste, a ciência prova que os sistemas orgânicos regenerativos, que priorizam a saúde do solo e as boas práticas agrícolas, como cobertura de culturas, rotação de culturas e animais de pasto, usam 45% menos energia e liberam 40% menos emissões de carbono do que a agricultura convencional, sem diferença estatística nos rendimentos.

A agricultura orgânica regenerativa trabalha com sistemas naturais para produzir alimentos nutritivos e abundantes, em vez de depender de insumos sintéticos, como pesticidas e fertilizantes artificiais. A regeneração vai além do sustentável para melhorar os recursos, não apenas mantê-los.

No Rodale Institute, uma instituição de pesquisa sem fins lucrativos reconhecida como líder global em agricultura orgânica regenerativa, o Farming Systems Trial está em execução há quase 40 anos e é a mais longa comparação lado a lado dos sistemas de cultivo de grãos orgânicos e convencionais na América do Norte.

Desde 1981, são coletamos dados sobre a saúde do solo, a produtividade das culturas, a eficiência energética e muito mais através de nossos testes de pesquisa, que nos levaram a descobrir as implicações da mudança para um sistema orgânico.

O Instituto Rodale e outros concluíram que, se convertermos todas as terras e pastagens globais em sistemas orgânicos regenerativos, poderemos sequestrar mais de 100% das atuais emissões anuais de CO2. Como afirma o relatório da ONU, não temos tempo para esperar.

A agricultura orgânica regenerativa utiliza estratégias como o plantio direto orgânico, que utiliza culturas de cobertura para devolver nutrientes ao solo enquanto absorve dióxido de carbono, reduzindo as emissões de gases de efeito estufa. Como o solo não é perturbado nos sistemas orgânicos de plantio direto, o dióxido de carbono absorvido pela cultura de cobertura é sequestrado no solo em vez de liberado na atmosfera.

O orgânico regenerativo prioriza a saúde do solo, mas também considera o bem-estar animal e a justiça social em seus padrões. O manejo orgânico regenerado do gado enfatiza o pastoreio rotacional, o pasto e nenhum antibiótico ou hormônio, reduzindo a carga pesada que o gado exerce sobre o clima.

Mas não precisamos apenas de agricultura orgânica regenerativa para mitigar os efeitos das mudanças climáticas. Também precisamos dele para alimentar um mundo que já foi moldado por uma mudança climática.

À medida que eventos climáticos extremos se tornam mais frequentes, os sistemas agrícolas devem se tornar mais resilientes. Pesquisas constataram que as culturas orgânicas têm o potencial de produzir rendimentos até 40% mais altos em tempos de intempéries – como inundações ou secas – do que os sistemas convencionais.

Isso significa que é possível alimentar o mundo enquanto reduz as emissões de carbono. A agricultura orgânica regenerativa prioriza a saúde do solo – criando solos vivos repletos de bactérias, fungos e um microbioma próspero que, de outra forma, é degradado pelo uso de pesticidas e herbicidas e outras práticas agrícolas industriais, como o monocultivo. O solo saudável também é mais estável, aderindo como cola e impedindo a erosão e o escoamento que acompanham o clima extremo das mudanças climáticas e dizimam as colheitas.

Cada região está sentindo as mudanças climáticas de maneira diferente, razão pela qual o Instituto Rodale está iniciando os Centros Regionais de Recursos em três centros agrícolas dos Estados Unidos: Iowa, Geórgia e Califórnia.

O Instituto conduzirá pesquisas sobre agricultura resiliente nessas regiões distintas, trazendo sua experiência mundialmente reconhecida para novos públicos, quando enfrentarmos uma crescente crise climática.

No entanto, os agricultores não devem arcar com o fardo de mudar os sistemas alimentares sozinhos. Os consumidores também têm a responsabilidade de proteger o planeta. Toda compra é importante quando se trata da crise climática.

A Certificação Orgânica Regenerativa, lançada pelo Instituto Rodale com marcas como Patagonia e Dr. Bronner, ajuda os consumidores a fazer escolhas informadas sobre os alimentos e produtos que compram. Chegando às prateleiras das lojas em breve, a Certificação Orgânica Regenerativa garantirá que os produtos que ostentam o rótulo sejam criados com ênfase na saúde do solo, bem-estar animal e justiça social.

Votar com seus dólares é a única maneira de mudar nosso sistema alimentar e salvar nosso planeta.

Não temos tempo a perder. Nosso planeta está mudando, mas acreditamos que podemos fazer a diferença – porque o futuro é orgânico.

Artigo de Jeff Moyer, diretor executivo do Instituto Rodale em Kutztown, Pensilvânia. Ele trabalha na agricultura orgânica há mais de 40 anos e é autor de “Agricultura orgânica até plantio direto: avançando no plantio direto, publicado no site Lancaster Farming , traduzido e adaptado pela Equipe BeefPoint.

One thought on “Podemos parar a crise climática com agricultura regenerativa”

  • Sandoval Neto - 04/10/2019

    Taí algo que deveria ser levado a sério pelo setor produtivo

Deixe seu comentário

Todos os campos são obrigatórios


ou utilize o Facebook para comentar