Pesquisadores desenvolvem carne ecológica

Pesquisadores da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, conseguiram produzir carne em laboratório. O objetivo é fornecer um alimento mais verde, sustentável e ético em larga escala, sem a necessidade de criar e abater animais.

Os bioengenheiros cultivaram com sucesso carne de vaca e coelho a partir de uma base de gelatina pela primeira vez, criando uma substância que imitou a textura da carne natural, de acordo com um novo estudo publicado na revista científica Nature Science of Food (ciência da comida, traduzido do inglês).

Os pesquisadores desenvolveram as carnes a partir de células-tronco dos animais. Tentativas anteriores de cultivar carne ecológica tiveram dificuldade em recriar as longas e duras fibras musculares que compõem a carne. Desta vez, os cientistas utilizaram uma máquina a jato rotativo — como as que são usadas para fazer algodão doce — para alongar e entrelaçar as fibras de gelatina.

As células de coelho e vaca ancoraram nas bases gelatinosas e cresceram de maneira semelhante à carne real em tiras longas e finas.

— Para cultivar tecidos musculares que se assemelhavam à carne, precisávamos encontrar um material de suporte que fosse comestível e permitisse que as células musculares se ligassem e crescessem em 3D. Era importante encontrar uma maneira eficiente de produzir grandes quantidades dessas estruturas para justificar seu potencial uso na produção de alimentos — disse Luke Macqueen, primeiro autor do estudo e pós-doutor na Escola de Engenharia e Física Aplicada (SEAS) de Harvard.

Os pesquisadores usaram testes mecânicos para comparar a textura de sua carne cultivada em laboratório com as carnes de coelho, bacon, filé mignon, presunto e outros produtos de carne.

— No futuro, os objetivos são conteúdo nutricional, sabor, textura e preços acessíveis. A longo prazo queremos reduzir a pegada ambiental dos alimentos — afirmou Kit Parker, autor sênior do estudo e professor de Harvard.

Fonte: Extra.

Deixe seu comentário

Todos os campos são obrigatórios


ou utilize o Facebook para comentar