Categories: Giro do Boi

Pesquisa da FAO mostra que 86% dos alimentos para animais não são comestíveis por humanos

Como o frenesi midiático causado por uma ‘dieta da saúde planetária’ proposta em um novo relatório de uma comissão EAT-Lancet continua (saiba mais sobre a dieta) , talvez seja oportuno lembrar que a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) recentemente fez uma pesquisa informando sobre o quanto de alimento (culturas comestíveis por humanos) é consumido pelo gado.

O relatório EAT-Lancet resume as evidências científicas de uma transição global do sistema alimentar para dietas saudáveis a partir da agricultura sustentável. O relatório conclui que uma mudança global em direção a uma dieta composta de grandes quantidades de frutas, vegetais e proteínas vegetais e pequenas quantidades de proteína animal poderia catalisar a realização de ambos os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e o marco 2015 Acordo de Paris para combater as alterações climáticas.

Anne Mottet, oficial de desenvolvimento pecuário da FAO especializada em eficiência no uso de recursos naturais e mudanças climáticas, informa sobre as informações incorretas, embora amplamente difundidas, sobre a chamada “competição de alimentos para animais”.

O que sua pesquisa mostra?

  • O que a maioria dos rebanhos de gado no mundo mais come é pasto e outras forragens e “resíduos” de culturas e subprodutos.
  • O que a maior parte do gado no mundo não come em sua maioria é adequado para consumo humano.

Confira abaixo artigo divulgado pela FAO:

Em 2050, o mundo contará com 9,6 bilhões de pessoas, 70% vivendo em cidades com uma renda média quase duas vezes maior do que hoje. Como resultado, a demanda global por produtos animais continuará crescendo e desempenhando um papel fundamental na segurança alimentar e nutricional global.

Mas a pecuária usa uma grande parte da terra agrícola e é frequentemente considerada um dreno de recursos. Particularmente criticada é a baixa eficiência do gado para converter a ração em proteína humana comestível e a competição pelo uso de cereais como ração animal ou para alimentação humana direta.

Um novo estudo da FAO publicado na Global Food Security descobriu que a pecuária depende principalmente de forragens, resíduos de colheitas e subprodutos que não são comestíveis para humanos e que certos sistemas de produção contribuem diretamente para a segurança alimentar global, pois produzem nutrientes mais valiosos para humanos, como proteínas, do que consomem.

“Eu percebi que as pessoas estão continuamente expostas a informações incorretas sobre a pecuária e o meio ambiente, que se repetem sem serem desafiadas, em particular sobre a alimentação do gado”, disse Anne Mottet, Oficial de Desenvolvimento da Pecuária da FAO.

“Atualmente, não existe um banco de dados internacional oficial e completo sobre o que o gado come. Este estudo contribui para preencher essa lacuna e fornecer evidências revisadas por pares para melhor informar os formuladores de políticas e o público ”.

As fontes de alimento animal são uma contribuição vital para a nutrição global e são uma excelente fonte de macro e micronutrientes. Os produtos pecuários representam 18% das calorias globais, 34% do consumo global de proteínas e fornecem micro-nutrientes essenciais, como vitamina B12, ferro e cálcio.

O gado usa grandes áreas de pastagens onde nada mais poderia ser produzido. Os animais também contribuem para a produção agrícola através da produção de estrume e do poder da seca. Além disso, a criação de gado fornece uma fonte segura de renda para mais de 500 milhões de pessoas pobres em muitas áreas rurais.

Este estudo determinou que 86% da alimentação animal não é adequada para consumo humano. Se não for consumido pelo gado, os resíduos e subprodutos da colheita podem rapidamente se tornar um fardo ambiental à medida que a população humana cresce e consome mais e mais alimentos processados.

Os animais também consomem alimentos que poderiam ser comidos pelas pessoas. Grãos representam 13% do consumo mundial de matéria seca. Alguns estudos anteriores, frequentemente citados, colocam o consumo de grãos necessários para produzir 1 kg de carne bovina entre 6 kg e 20 kg. Ao contrário destas estimativas elevadas, este estudo concluiu que são necessários, em média, apenas 3 kg de cereais para produzir 1 kg de carne a nível mundial.

O estudo também mostra diferenças importantes entre sistemas de produção e espécies. Por exemplo, porque dependem de pastagens e forragens, o gado precisa apenas de 0,6 kg de proteína de alimento comestível para produzir 1 kg de proteína no leite e na carne, que é de maior qualidade nutricional. O gado, portanto, contribui diretamente para a segurança alimentar global.

O estudo também investiga o tipo de terra usada para produzir ração animal. Os resultados mostram que dos 2,5 bilhões de hectares necessários, 77% são pradarias, com uma grande parcela de pastagens que não poderiam ser convertidas em terras cultiváveis e, portanto, só poderiam ser usadas para pastagem de animais.

A produção de gado está crescendo rapidamente, porque a demanda por produtos de origem animal está aumentando, particularmente nos países em desenvolvimento. A FAO estima que precisaremos de 70% a mais de produtos de origem animal até 2050 para alimentar o mundo. Portanto, a área de terra necessária para criar animais também aumentará se as taxas de conversão alimentar (TCA) não forem melhoradas.

Passos já foram dados através de formulação de rações, seleção genética e melhores serviços veterinários para melhorar as taxas de conversão alimentar nos últimos 30 anos. Uma conversão alimentar melhorada (mais eficiente) também reduzirá a pegada ambiental da pecuária, mas o progresso contínuo é necessário para tornar o sistema mais sustentável. Além disso, é essencial melhorar a reciclagem de resíduos alimentares e subprodutos na alimentação animal, bem como aumentar a produção de alimentos para animais.

“A produção animal, em suas muitas formas, desempenha um papel integral no sistema alimentar, fazendo uso de terras marginais, transformando co-produtos em bens comestíveis, contribuindo para a produtividade das culturas e transformando colheitas comestíveis em alimentos altamente nutritivos e ricos em proteínas. Quantificar os recursos de terra e biomassa envolvidos na produção pecuária e a produção de alimentos que eles geram, mas também melhorar nossa capacidade de modelagem incluindo tendências nas preferências do consumidor, mudanças nas espécies animais, impactos das mudanças climáticas e processos industriais para melhorar a comestibilidade humana de certos alimentos materiais é, indiscutivelmente, informação básica necessária como parte de pesquisas adicionais sobre o desafio de alimentar de forma sustentável 9,6 bilhões de pessoas até 2050 ”, concluíram os autores.

Fonte: https://clippings.ilri.org/ e FAO, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

This post was published on 4 de fevereiro de 2019

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

EUA querem aliança informal de países para contestar pressões comerciais da China

O governo dos EUA está avaliando a adoção de novas medidas contra a China nas… Read More

24 de novembro de 2020

JBS captou R$ 1,9 bi com emissão de CRAs lastreados em debêntures

A JBS captou R$ 1,876 bilhão com a emissão de Certificados de Recebíveis do Agronegócio… Read More

24 de novembro de 2020

Importações chinesas de carne suína aumentaram 80% em outubro

As importações chinesas de carne suína somaram 330 mil toneladas em outubro, 80,4% mais que… Read More

24 de novembro de 2020

Gaúchos pedem ajuda ao governo federalpara amenizar impactos de nova estiagem

Representantes do setor produtivo gaúcho e do governo do Rio Grande do Sul apresentaram uma… Read More

24 de novembro de 2020

Prodap leva inteligência artificial para a pecuária

Da consultoria pecuária à inteligência artificial. Fundada no fim da década de 1970 pelo professor… Read More

24 de novembro de 2020

Pecuarista do RS tem até 30 de dezembro para fazer declaração de rebanho

A Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) do Rio Grande do Sul publicou… Read More

24 de novembro de 2020