China retoma compras de carne bovina do Brasil e resultados gerais dos embarques melhoram
24 de fevereiro de 2021
Como ter pessoas compromissadas e responsáveis na sua fazenda
25 de fevereiro de 2021

Pedem mais controle sobre o bem-estar animal nos acordos comerciais que a UE assina com outros países

Os grupos de organizações que defendem um maior nível de bem-estar e proteção dos animais, pedem à Comissão Europeia que nas negociações para a assinatura de acordos comerciais, como o que está pendente de ser lançado entre a UE e o Mercosul, aspectos como bem-estar animal sejam levados em consideração.

O objetivo é limitar a importação de aves e carne bovina desses países e permitir a entrada apenas de produtos que tenham alto padrão de bem-estar animal.

Além de assumir condições de concorrência equitativas, isso significaria que os produtores de outros países adotariam os padrões europeus e contribuiriam para os ODS das Nações Unidas.

O estudo da CE sobre os impactos econômicos cumulativos dos acordos comerciais na agricultura da UE mostraria como o acesso incondicional ao mercado concedido em acordos de livre comércio (FTAs) aumenta significativamente o comércio de produtos de origem animal, impulsionando a agricultura intensiva tanto na UE quanto no exterior.

Ele examina como o impacto de 12 acordos de livre comércio que a UE está atualmente negociando ou concluindo no setor agrícola afetou até 2030. Verificou-se que quando os acordos de livre comércio foram implementados, as exportações de carne de porco e laticínios da UE aumentaram, enquanto mais carnes de aves, bovinos e ovinos importados chegaram à UE.

Diante disso, o Eurogrupo para Animais estima que os produtos importados não atendem às exigentes regulamentações da UE e, portanto, o aumento das importações de produtos de outros países significa que os consumidores estão mais expostos a produtos com menores níveis de bem-estar animal. Ao mesmo tempo, os exportadores europeus estão em desvantagem quando se trata de competir em mercados estrangeiros por competir com preços mais altos.

O estudo apurou que os maiores aumentos nas importações devem vir dos países do Mercosul, onde a agricultura intensiva está se espalhando devido às possibilidades de exportação para Europa e Ásia. Esta tendência, argumenta o Eurogrupo, não só implica más condições de bem-estar animal, mas também levanta preocupações de saúde pública em termos de zoonoses e resistência antimicrobiana (AMR).

A intensificação da produção animal também gera altos níveis de desmatamento, o que impacta o bem-estar de milhões de animais silvestres: “O estudo confirma nossa posição de que o acordo comercial UE-Mercosul, como está agora, não é apenas ruim para os animais, mas também para as pessoas e o meio ambiente “, afirma o Eurogrupo

Fonte: Eurocarne, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

Os comentários estão encerrados.