Categories: Giro do Boi

Pedem mais controle sobre o bem-estar animal nos acordos comerciais que a UE assina com outros países

Os grupos de organizações que defendem um maior nível de bem-estar e proteção dos animais, pedem à Comissão Europeia que nas negociações para a assinatura de acordos comerciais, como o que está pendente de ser lançado entre a UE e o Mercosul, aspectos como bem-estar animal sejam levados em consideração.

O objetivo é limitar a importação de aves e carne bovina desses países e permitir a entrada apenas de produtos que tenham alto padrão de bem-estar animal.

Além de assumir condições de concorrência equitativas, isso significaria que os produtores de outros países adotariam os padrões europeus e contribuiriam para os ODS das Nações Unidas.

O estudo da CE sobre os impactos econômicos cumulativos dos acordos comerciais na agricultura da UE mostraria como o acesso incondicional ao mercado concedido em acordos de livre comércio (FTAs) aumenta significativamente o comércio de produtos de origem animal, impulsionando a agricultura intensiva tanto na UE quanto no exterior.

Ele examina como o impacto de 12 acordos de livre comércio que a UE está atualmente negociando ou concluindo no setor agrícola afetou até 2030. Verificou-se que quando os acordos de livre comércio foram implementados, as exportações de carne de porco e laticínios da UE aumentaram, enquanto mais carnes de aves, bovinos e ovinos importados chegaram à UE.

Diante disso, o Eurogrupo para Animais estima que os produtos importados não atendem às exigentes regulamentações da UE e, portanto, o aumento das importações de produtos de outros países significa que os consumidores estão mais expostos a produtos com menores níveis de bem-estar animal. Ao mesmo tempo, os exportadores europeus estão em desvantagem quando se trata de competir em mercados estrangeiros por competir com preços mais altos.

O estudo apurou que os maiores aumentos nas importações devem vir dos países do Mercosul, onde a agricultura intensiva está se espalhando devido às possibilidades de exportação para Europa e Ásia. Esta tendência, argumenta o Eurogrupo, não só implica más condições de bem-estar animal, mas também levanta preocupações de saúde pública em termos de zoonoses e resistência antimicrobiana (AMR).

A intensificação da produção animal também gera altos níveis de desmatamento, o que impacta o bem-estar de milhões de animais silvestres: “O estudo confirma nossa posição de que o acordo comercial UE-Mercosul, como está agora, não é apenas ruim para os animais, mas também para as pessoas e o meio ambiente “, afirma o Eurogrupo

Fonte: Eurocarne, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

This post was published on 24 de fevereiro de 2021

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

Exportações de carne bovina do Uruguai estão se recuperando

As exportações uruguaias de carne bovina se recuperaram no primeiro trimestre de 2021 quando comparadas… Read More

14 de abril de 2021

Estudo: Produção bovina pode diminuir emissão de GEE até 50% através de práticas eficientes

Uma equipa de investigação liderada pela Universidade Estadual do Colorado descobriu que a indústria da… Read More

14 de abril de 2021

Exportações de carne em março aumentam 37,7% em relação ao mês anterior em MT

As exportações mato-grossenses de carne bovina em março de 2021 aumentaram 37,7% em relação a… Read More

14 de abril de 2021

MS está entre os estados com maior adoção de sistemas de integração e plantio direto no Brasil

Na semana em que celebramos o Dia Nacional da Conservação de Solos, Mato Grosso do… Read More

14 de abril de 2021

Carne bovina: ‘Brasil pode passar a exportar 35% da produção em breve’

A arroba do boi gordo segue em alta nos mercados físico e futuro. Quem vê… Read More

14 de abril de 2021

Frigoríficos brasileiros operam com margens abaixo de 3%, diz fonte

A disparada do boi e o cambaleante mercado doméstico reduziram as margens dos frigoríficos a… Read More

14 de abril de 2021