Pecuaristas uruguaios dizem que novas normas do MGAP “são uma desculpa para suspender a exportação de gado em pé”

O presidente da União dos Gado em Pé do Uruguai (UEGP), Rodrigo González, disse que os regulamentos definidos pelo Ministério da Pecuária “são uma desculpa para suspender a exportação de gado em pé”, porque são necessários pontos que “não podem ser cumpridos “.

Na semana passada, o Ministério da Pecuária, Agricultura e Pesca (MGAP)do Uruguai emitiu um regulamento que estabelece requisitos sanitários e de bem-estar animal para o transporte em navios de animais vivos para exportação.

“As coisas devem ser chamadas pelo nome, e literalmente isso é um corte na exportação de gado vivo”, reiterou Gonzalez e comentou: “Existem navios autorizados para a Austrália que também não cumprem os requisitos estabelecidos pelo Ministério”.

Dentro dos requisitos estabelecidos no novo regulamento, Gonzalez disse que os currais de tratamento devem ter 300 unidades lux (iluminação do barco) por centímetro quadrado e o restante do navio 150 unidades lux. “Um dos melhores e maiores navios do mundo, habilitado para a Austrália e também chega ao Uruguai, possui 110 unidades de lux”, afirmou.

Está claro que “está sendo colocado um obstáculo burocrático que impede a realização dos negócios”, afirmou González e explicou: “Hoje essas demandas são mais altas do que as dos Estados Unidos e da Austrália, que “não querem que o negócio funcione” porque desde o primeiro dia de negócios “sabemos que vamos violar quase todos os pontos desejados”

Ele também comentou que “não há queixa oficial” da Turquia ou da China, hoje os principais mercados para o transporte de animais vivos. “É difícil acusar, mas mostra que é uma desculpa para suspender a exportação de gado vivo”, reiterou.

Fonte: El País Digital, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

Deixe seu comentário

Todos os campos são obrigatórios


ou utilize o Facebook para comentar