Pecuaristas americanos lançam campanha contra monopólio dos frigoríficos e invasão de produtos importados

A comunidade de pecuária dos EUA está se unindo como nunca aconteceu desde o início dos anos 1900, quando a pressão e a conscientização do produtor estimularam a aprovação da Lei Packers and Stockyards Act de 1921, que por várias décadas quebrou o monopólio do frigorífico que havia expulsado os pecuaristas dos negócios e levou os preços a dispararem para os consumidores de carne bovina.

Hoje, a indústria pecuária americana enfrenta outra emergência nacional. Mais de 80% da indústria frigorífica é controlada por quatro empresas globais.

A participação dos produtores de gado no preço de varejo da carne bovina chegou a 70%, mas hoje é apenas 38,5%. Na semana passada, os produtores de gado estavam perdendo mais de US $ 200,00 por cabeça, enquanto os frigoríficos como a JBS estavam ganhando mais de US $ 400,00. Os pecuaristas são donos e cuidam do gado 365 dias por ano e estão falindo, enquanto os quatro grandes frigoríficos são donos do gado por cerca de uma semana e ficam ricos.

Os produtores de gado estão perdendo US $ 200 por cabeça de gado, porque essas empresas têm um gargalo no acondicionamento e processamento de carne bovina. Os consumidores estão sendo induzidos a pagar mais do que nunca pela carne importada barata, rotulada falsamente como “Produto dos EUA” por essas corporações globais.

Essas foram as alegações que os pecuaristas americanos fizeram ao lançar a campanha Rally to Stop the Stealin’. “Já basta: precisamos de #FairCattleMarkets agora para que todos possam compartilhar da prosperidade que ajudam a construir na América.”

“Apelamos ao governo Trump para drenar o pântano do poder de monopólio corporativo, restaurando a Lei Packers and Stockyards, e permitindo que o público apoie a indústria de gado dos Estados Unidos com disposições americanas de compra, como a obrigatoriedade de rotular o país de origem e parar com as rotulagens fraudulentas de ‘Produto dos EUA'”.

Confira abaixo o vídeo da campanha:

Rally to Stop the Stealin' | Omaha, Nebraska | October 2, 2019

The cattle farming and ranching community is coming together like it hasn't since the early 1900s when producer pressure and public awareness spurred the passage of the Packers and Stockyards Act of 1921, which for several decades broke up the meatpacking monopoly that had driven ranchers out of business and caused skyrocketing prices for beef consumers. Today, the cattle industry faces another national emergency. More than 80% of the beef packing industry is controlled by four global corporations. Cattle producers are losing $200 per head of cattle they raise because those corporations have a bottleneck on beef packing and processing. Consumers are being misled into paying more than ever for cheap imported beef falsely labeled "Product of U.S.A." by those global corporations. Enough is enough: We need #FairCattleMarkets now so everyone can share in the prosperity they help build in America. We call on the Trump Administration to drain the swamp of corporate monopoly power by restoring teeth to the Packers and Stockyards Act, and by allowing the public to support America's cattle industry with Buy American provisions like mandatory Country of Origin Labeling and stopping fraudulent "Product of U.S.A." labels on beef packages. The time is now. See you at the Rally to Stop the Stealin' in Omaha, Nebraska. https://competitivemarkets.com/stopthestealin/If you can't make it in person, which live here on Facebook!

Posted by Organization for Competitive Markets on Wednesday, October 2, 2019

A campanha é patrocinada pelas seguintes organizações: Competitive Markets, R-CALF USA, Family Farm Action, Farm Aid, National Family Farm Coalition, American Grassfed Association, Open Markets Institute, National Dairy Producers Organization, Center for Rural Affairs, Nebraska Women Involved in Farm Economics, Independent Cattlemen of Nebraska, Nebraska Grange, Alabama Contract Poultry Growers Association, Wisconsin Farmers Union, Illinois Farmers Union, Iowa Citizens for Community Improvement, Iowa Citizens Action Network, Iowa Alliance for Responsible Agriculture, Kansas Cattlemen’s Association, South Dakota Stockgrowers Association, Colorado Independent Cattlemen Association, California Dairy Campaign e California Farmers Union.

Demandas

“Muitas vezes ouvimos dizer que será necessário um ato do Congresso para consertar a bagunça que os produtores agrícolas e pecuários enfrentam. Embora o Congresso precise acordar e tomar medidas para garantir mercados abertos, justos e transparentes para todos os produtores, há algo que o secretário do Departamento de Agricultura dos EUA (USDA), Sonny Perdue, e o governo Trump podem fazer, devem fazer e devem fazer HOJE em nome de produtores independentes de gado”, diz a campanha

Seis ações que o presidente Trump e o secretário Perdue podem tomar hoje para salvar o mercado de gado dos EUA:

Comprar produtos americanos:

1. Impedir que a carne estrangeira seja rotulada como “Produto dos EUA”, decidindo a favor da petição da OCM e da American Grassfed Association para o Serviço de Inspeção de Segurança Federal do USDA.

2. Retirar-se do Acordo EUA Canadá México (USMCA) até que a rotulagem do país de origem (COOL) esteja incluída na USMCA.

3. Reduzir a quantidade de carne estrangeira importada para os Estados Unidos e interromper todos os esforços para reabrir os EUA à carne brasileira.

Drenar o pântano do poder do monopólio corporativo

4. Restaurar as salvaguardas de proteção do produtor sob a Lei Packers and Stockyards, emitindo novas regras que atendem ou superam as demandas descritas pelos senadores Tester e Grassley, juntamente com a congressista Kaptur em sua recente carta ao USDA:

a) Esclareça a posição de longa data do USDA de que a Lei Packers and Stockyards Act não exige que um produtor demonstre danos à concorrência em todo o setor para apresentar uma queixa.

b. Garantir que os frigoríficos não estejam fornecendo acordos preferenciais de marketing para apenas um grupo seleto de grandes criadores de gado, excluindo as oportunidades de pequenos produtores independentes permanecerem lucrativos.

c. Proteger os direitos dos agricultores de se unirem em associações de produtores para se defenderem, livres de retribuição.

d. Os sistemas de pagamento do produtor (torneio) devem ser objetivos, transparentes e recompensar os produtores por suas habilidades de gerenciamento, não os penalizar por fatores fora de seu controle.

5. Restaurar o poder de fiscalização do Packers and Stockyards Act, restabelecendo a Grain Inspection Packers and Stockyards Administration (GIPSA) e aumentando o financiamento para investigações e fiscalização.

6. Implementar as recomendações do Government Accountability Office e exigir que o Grupo de Relatórios de Preços Obrigatórios para Serviços de Marketing Agropecuário (AMS) do USDA compartilhe dados de marketing com o Programa da USDA Packers and Stockyards Act ou submeta ao Congresso uma proposta para permitir esse compartilhamento.

Se tomar essas seis ações hoje estabilizará e moverá o mercado na direção certa para os produtores de gado imediatamente, sem ter que esperar por um ato do Congresso. O secretário do USDA Perdue e o governo Trump têm o poder de executar essas seis ações.

Sobre a OCM

A Organização para Mercados Competitivos (OCM) é um líder nacional que trabalha para promover a justiça econômica para agricultores familiares, fazendeiros e comunidades rurais, lutando para quebrar o poder corporativo abusivo que extrai a riqueza dos seus bolsos.

A OCM fornece uma plataforma para indivíduos e organizações unirem suas vozes exigindo justiça no mercado de alimentos e agricultura.

Confira abaixo dois vídeos da campanha:

Campanha no Twitter

Em nome de produtores de bezerros e criadores independentes de gado em todo o país, a Western Ag Reporter lançou uma campanha no Twitter pedindo ao presidente Donald Trump ajuda no reequilíbrio dos mercados de gado. A diferença cada vez maior entre as margens de lucro dos frigoríficos e o preço do produtor para o gado aumentou a preocupação em todo o interior.

“Estamos dispersando vaqueiros e vendo agricultores querendo jogar a toalha em nossa parte do país”, disse Jim Akers, diretor de marketing de gado da Blue Grass. “Sem uma mudança significativa nos mercados, parece que estamos em uma queda brutal. A frustração no país parte seu coração.

De acordo com um relatório de 9 de setembro de 2019 de David Kruse, CommStock Investments Inc., “Como resultado do incêndio na fábrica da Tyson, os frigoríficos de carne bovina estão ganhando mais de US $ 500 por cabeça, enquanto os confinamentos estão perdendo mais de US $ 200” o proprietário do confinamento disse que essa lacuna crescente tem sido um problema nos últimos 20 anos.

“Nós, como produtores de bezerros e criadores independentes de gado, possuímos esse gado entre 120 e 110 a 365 dias por ano. Assumimos todo o risco, lutamos contra todos os elementos, combatemos o banqueiro para tentar permanecer financiado”, disse Goggins. “E para quê?”

Goggins concluiu, assumindo que não haja prêmios de hedge ou carcaça, os confinamentos perderam aproximadamente US $ 15 por cabeça nos últimos 20 anos, segundo dados do USDA. Em média, os produtores de bezerros faturaram cerca de US $ 68 por cabeça antes de pagar mão de obra, impostos, juros ou despesas gerais. Então, os frigoríficos que possuem o gado apenas por cerca de uma semana ao ano estão lucrando mais de US $ 200 por cabeça.

“Há algo realmente errado nessa imagem”, disse Goggins.

Ele observou que os frigoríficos certamente merecem um lucro nos negócios, mas não quando isso é alcançado com o custo injusto de produtores de bezerros e criadores independentes em todo o país. Segundo o relatório de Kruse, a Tyson pós-incêndio lucra US $ 12.500.000 por dia – com a JBS e a Cargill arrecadando a mesma quantia. Junte isso à final dos quatro grandes fricoríficos, a National Beef, que ganha US $ 7 milhões por dia, quando as margens de lucro são de US $ 500 por cabeça, e os frigoríficos, que controlam 85% da cadeia de fornecimento, estão recebendo US $ 44.500.000 por dia. Segundo os números de Goggins, atualmente, com um cronograma de 24 dias, os Big Four levam para casa mais de US $ 1 bilhão por mês.

“O que os frigoríficos fizeram desde o incêndio da fábrica da Tyson em minha mente é criminoso”, disse Goggins. “Você pode chamar isso de enriquecimento sem causa, pilhagem, práticas comerciais desleais, o que quer que seja … eu chamo de crime”.

Frustrado com a imagem do mercado e procurando uma mudança de atitude, Goggins encabeçou uma campanha na esperança de alcançar o presidente Trump com essas preocupações. Ele disse que fez muitas tentativas de trabalhar com congressistas e o Secretário de Agricultura, mas acredita que ir direto ao topo será a rota mais eficaz. Ao pesquisar a composição de Washington DC, várias fontes disseram-lhe se ele quer ser ouvido pelo presidente Trump, o Twitter é fundamental.

Por isso, foi lançada a campanha para que fossem enviados tweets ao presidente Trump no dia 23 de setembro com a hashtag #FairCattleMarkets.

Confira alguns tweets:

Fonte: https://competitivemarkets.com e https://westernagreporter.com, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

Deixe seu comentário

Todos os campos são obrigatórios


ou utilize o Facebook para comentar