Pecuária uruguaia faturou US $ 2 bilhões no ano de 2018/19

A pecuária no Uruguai faturou um valor recorde para as vendas finais no ano fiscal de 2018/19, que foi determinado pelo aumento na quantidade de animais abatidos e o aumento no seu valor médio, parcialmente compensados ​​por uma diminuição na exportação de gado vivo.

O setor produtivo faturou US $ 2,173 bilhões no ano passado, quase US $ 50 milhões a mais que no ano anterior e aumentando pelo terceiro ano consecutivo.

Pelas vendas ao frigorífico, os produtores de gado receberam US $ 1,990 bilhão, um crescimento anual de 8,9%. O principal determinante desse aumento foi o valor médio dos animais que chegaram aos frigoríficos. Eles tiveram uma média de US $ 847 por cabeça, uma melhora de 7,8% em relação a 2017/18. Não só o preço por quilo de carcaça aumentou, mas também o peso médio das carcaças, que havia sido afetado no ano anterior pela seca do final do verão e início do outono. Além disso, foi complementado por um modesto aumento no número de animais abatidos com 22 mil cabeças (+ 0,9%).

O oposto aconteceu com a exportação de gado vivo. Houve uma redução de 162 mil cabeças (-35,9%) em relação ao ano anterior. Por sua vez, o valor médio por cabeça exportada contraiu 3,5% para US $ 633. Portanto, o faturamento deste setor caiu 38% para US $ 183 milhões.

A recuperação do preço do dólar acima da inflação permitiu que a melhora no faturamento expresso em pesos constantes fosse maior que a registrada na moeda norte-americana. Em pesos, 71,7 bilhões foram faturados em 2018/19; em termos constantes, isso implica um aumento de 7,6% em relação ao ano anterior.

Para os pequenos e médios produtores pecuários, nos quais o custo de vida tem um peso importante dentro do conjunto de despesas, esta combinação de uma melhora na renda em dólares complementada por uma recuperação do preço da moeda acima da inflação levaram à melhora de números.

Para o ano de 2019/20, que acaba de começar, parece difícil sustentar o aumento do faturamento bruto de bovinos de corte. O fornecimento de animais para abate está reduzido e isso certamente impactará – se não houver condições climáticas adversas que exijam maior extração – em uma redução na quantidade de animais enviados para a planta. Também não é esperado um aumento nas exportações permanentes. A menor extração é certamente compensada por uma melhora no valor médio das vendas, mas dificilmente o faz em proporções maiores com a queda na quantidade de animais vendidos.

Fonte: El País Digital, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.


ou utilize o Facebook para comentar