Categories: Fique Atento

Pecuária regenerativa mostra que a pecuária a pasto brasileira pode ser mais sustentável

É comum a ideia pré-concebida de que a pecuária é uma das atividades mais danosas ao meio ambiente, seja pela emissão de gases que contribuem para o efeito estufa, seja no alto uso de água no processo, seu impacto no solo e outras consequências.

Nesse contexto, há uma preocupação mundial crescente em mitigar também o impacto das atividades humanas em geral, reutilizando a água consumida em residências, comércio, turismo e indústria, reciclando dejetos, buscando fontes de energia renovável e preservando florestas nativas.

Já é consenso entre os pesquisadores e lideranças que o ser humano ultrapassou o limite de impacto sobre os ecossistemas da Terra e que as mudanças climáticas são uma indesejada realidade. Segundo o WWF, hoje o consumo per capta demanda 1,5 planetas de recursos naturais. Sendo assim, há muito a ser feito.

No caso particular da pecuária brasileira, dados Ministério do Meio Ambiente e do IBGE mostram que as pastagens ocupam 198 milhões de hectares (23% da área do país), sendo que 90 milhões de hectares estão abandonados ou degradados.

Alinhado com os compromissos internacionais ratificados pela 21ª Conferência das Partes (COP21) da ONU, o governo brasileiro lançou o Plano ABC – Agricultura de Baixo Carbono, sendo um dos seus pilares a recuperação das pastagens degradadas, no entendimento que essas são hoje um passivo ambiental.

Assim, o Projeto Pecuária Neutra, busca alternativas em várias linhas de atuação para a pecuária extensiva tropical brasileira, de baixa produtividade e, consequentemente, com maior impacto ambiental, tendo como pilares:

1) a introdução do manejo regenerativo da pecuária

2) a introdução de árvores no sistema

O princípio norteador do Projeto Pecuária Neutra é que o homem e o gado podem atuar como elementos de revitalização dos ecossistemas, prática essa que vem sendo denominada como pecuária regenerativa.

Muito dos impactos ambientais que se atribuem a pecuária extensiva estão mais relacionados a forma que o manejo é realizado do que a criação desses animais propriamente dita. A pecuária regenerativa parte da premissa que os herbívoros sempre existiram e que ocupam um importante papel no equilíbrio dos ecossistemas, que consiste em fazer o manejo de poda dos campos de pastoreio.

​Segundo pesquisas reconhecidas internacionalmente, o pastoreio adequado é um fator de revitalização das pastagens, sendo este um dos caminhos para a fixação de carbono no solo em larga escala.

Para isso, o Projeto Pecuária Neutra recomenda as seguintes instruções:

​- Utilizar o pastoreio Racional Voisin Planificado

– Potencializar o metabolismo vegetativo da pastagem e, consequentemente, o incremento de carbono no solo.

– Fazer a adequação Ambiental das fazendas ao CAR – Cadastro Ambiental Rural

​- Multiplicar a produtividade 2 a 5 vezes, dependendo do diagnóstico inicial.

Dentre os serviços ambientais do manejo regenerativo da pecuária, além da fixação de carbono adicional no solo, estão: aumento da produtividade por hectare, menor demanda por áreas para a expansão do agronegócio; aumento da matéria orgânica no solo; a melhora no ciclo da água, com maior taxa de infiltração; a conservação do solo, reduzindo a ocorrência de processos de erosão e lixiviação; dinâmica das comunidades e microbiologia do solo; o bem estar animal, obtido pela oferta de capim de melhor qualidade; a oferta de produtos mais adequados do ponto de vista ecológico; entre outros.

É essa técnica que o Projeto Pecuária Neutra quer difundir pelo Brasil. Uma experiência que já começa a dar resultados, como no caso da Fazenda Bugre, em Prata, no Triângulo Mineiro, de Bruno Andrade, sócio do projeto e dono da marca de carnes especiais Gran Beef. Segundo Andrade, o manejo sustentável na pecuária, além de trazer grande melhora na parte ambiental e social, aumenta muito a produtividade da fazenda.

“Com a introdução de raças britânicas e um manejo adequado das pastagens consegui dobrar a produtividade da fazenda em 2 anos. Isso mostra que não é preciso desmatar para aumentar a produção brasileira. Temos muito espaço para crescer nas áreas já abertas e ter um crescimento sustentável em harmonia com o meio ambiente e as pessoas”, afirma.

Um caminho viável que passa pela consciência do consumidor, gerando um círculo benéfico para toda a cadeia. “Tenho uma resposta muito boa dos consumidores finais que adoram a qualidade da carne e compram sem medo por saber que aquele produto é rastreado e foi produzido seguindo padrões mundiais de sustentabilidade”, comenta Andrade.

Segundo Fortunato Fernando Leta, da Rede de Supermercados Zona Sul, o consumidor moderno está ligado com o que ele compra, em saber de onde vem sua comida, a sustentabilidade envolvida na cadeia de custódia desse alimento, assim como também está preocupado com o bem estar dos animais. “Quem pratica a pecuária regenerativa mostra como o produto contribui para a melhor harmonia entre a demanda da sociedade e a natureza. Por outro lado, também atesta que esse animal teve o bem estar presente em todas as fases da sua vida”, acredita.

Para Filippo B. Leta, um dos poucos pesquisadores sobre o tema no Brasil, o manejo regenerativo para a pecuária não é somente importante, mas necessário, já que a sustentabilidade é apenas o meio do caminho entre a degradação e regeneração.

“Se a maioria das nossas terras estão degradadas, falar somente em sustentabilidade é pouco. É um manejo de fácil aplicação e baixo custo, que promove a melhoria dos processos ecossistêmicos que vem sendo afetados é fundamental. Falta conhecimento. A diferença é o entendimento do todo, o desenvolvimento de práticas de gestão e manejo do rebanho que proporcione melhor pegada ecológica”, revela.

Ou seja: escutar a terra, o meio ambiente, colocá-los para trabalharem a favor da melhoria contínua e sustentável de todo o sistema, o que traz melhor produtividade e resultado econômico da porteira para dentro da fazenda.

Conheça mais sobre a proposta no site oficial do Projeto Pecuária Neutra.

Fonte: Assessoria de Imprensa.

This post was published on 26 de junho de 2017

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

Uruguai estuda protocolo para incluir gado terminado com grãos na Cota Hilton

Membros do setor privado uruguaio e do Poder Executivo estão estudando a possibilidade de solicitar… Read More

8 de julho de 2020

Produção de grãos no país deve chegar a 251,4 milhões de toneladas impulsionada pela colheita de milho e soja

A produção brasileira de grãos deverá ser de 251,4 milhões de toneladas na safra 2019/2020.… Read More

8 de julho de 2020

Exportação de carne bovina dos EUA atinge em maio menor nível mensal em 10 anos

As exportações de carne bovina e suína dos Estados Unidos caíram em maio, refletindo, em… Read More

8 de julho de 2020

Marfrig lança programa de apoio a pequenos restaurantes

A brasileira Marfrig, segunda maior indústria de carne bovina do mundo, lançou hoje um programa… Read More

8 de julho de 2020

Inmet emite alerta vermelho para chuvas no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu um aviso vermelho (grande perigo) para acumulado de… Read More

8 de julho de 2020