Categories: Giro do Boi

Parcelamento de dívidas do Funrural não poderá superar 60 meses

Um comunicado técnico da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) esclarece que o parcelamento de dívidas do Funrural no Programa de Retomada Fiscal da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) não poderá ser superior a 60 meses, por força de emenda constitucional que veda prazos maiores.

A renegociação, no entanto, não está limitada para débitos de até 60 salários mínimos e abrange valores maiores, com mudanças nas regras dos descontos e no número de prestações.

Para as dívidas tributárias de pequeno valor do Imposto Territorial Rural (ITR) e Funrural, de até 60 salários mínimos, será dispensada a verificação de impactos econômicos ou aferição da capacidade de pagamento dos contribuintes.

Nessa modalidade, será exigido pagamento de 5% do valor total das inscrições selecionadas, sem descontos parcelados em até cinco meses ou 10% do valor nos casos de reparcelamento. Os descontos sobre o valor total variam de 30%, parcelados em até 55 meses, até 50%, com parcelamento em 7 meses. O valor mínimo da parcela é de R$ 100.

As outras duas modalidades de transação do Programa de Retomada Fiscal da PGFN também aceitam a inscrição dos débitos tributários de ITR e Funrural, segundo o documento da CNA, preparado para auxiliar a tomada de decisão dos produtores rurais.

Na modalidade de transação excepcional, o limite para a negociação das dívidas tributárias é de até R$ 150 milhões. Será cobrada entrada de 4% do valor do débito, parcelados em até 12 meses.

Pessoas físicas, empresários individuais, microempresas e cooperativas podem ter redução de até 100% sobre os valores de multas, juros e encargos legais, respeitado o limite de até 70% do valor total da dívida, que poderá ser paga em até 133 parcelas mensais. No caso do Funrural, porém, o prazo fica limitado a 60 meses por força constitucional. O valor mínimo da parcela é de 100.

Demais pessoas jurídicas terão redução de até 100% sobre os valores de multas, juros e encargos, respeitado o limite de até 50% do valor total da dívida, que pode ser paga em até 72 parcelas mensais. O valor mínimo da parcela é de R$ 500.

Na modalidade de transação extraordinária, não há limite para o tamanho da dívida a ser renegociada. A entrada mínima cobrada será de 1% do valor total parcelado em até 3 meses ou 2% nos casos de reparcelamento. Produtores que optarem por esse modelo não terão descontos. Para pessoas físicas o prazo de pagamento é de até 142 meses, com parcela mínima de R$ 100. Pessoas jurídicas deverão quitar o débito em até 81 vezes, com prestação de ao menos R$ 500.

Fonte: Valor Econômico.

This post was published on 3 de março de 2021

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

Exportações de carne bovina do Uruguai estão se recuperando

As exportações uruguaias de carne bovina se recuperaram no primeiro trimestre de 2021 quando comparadas… Read More

14 de abril de 2021

Estudo: Produção bovina pode diminuir emissão de GEE até 50% através de práticas eficientes

Uma equipa de investigação liderada pela Universidade Estadual do Colorado descobriu que a indústria da… Read More

14 de abril de 2021

Exportações de carne em março aumentam 37,7% em relação ao mês anterior em MT

As exportações mato-grossenses de carne bovina em março de 2021 aumentaram 37,7% em relação a… Read More

14 de abril de 2021

MS está entre os estados com maior adoção de sistemas de integração e plantio direto no Brasil

Na semana em que celebramos o Dia Nacional da Conservação de Solos, Mato Grosso do… Read More

14 de abril de 2021

Carne bovina: ‘Brasil pode passar a exportar 35% da produção em breve’

A arroba do boi gordo segue em alta nos mercados físico e futuro. Quem vê… Read More

14 de abril de 2021

Frigoríficos brasileiros operam com margens abaixo de 3%, diz fonte

A disparada do boi e o cambaleante mercado doméstico reduziram as margens dos frigoríficos a… Read More

14 de abril de 2021