Categories: Giro do Boi

Pandemia ameaça fluxo de dólares para emergentes

A pandemia mundial de coronavírus ameaça causar fuga de capitais das economias emergentes. A queda das exportações e a carência de turistas estão reduzindo a entrada de reservas. Já a desvalorização das moedas dificulta o pagamento das dívidas externas.

Essa confluência de fatores negativos fez com que os mercados financeiros passassem a acompanhar o quadro atentamente, para apurar se economias consideradas de crescimento acelerado no passado conseguem suportar um desaquecimento prolongado.

Os emergentes estão recebendo bem menos moeda estrangeira neste ano. Segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI), a média do déficit em conta corrente de 141 economias emergentes, fora a China, deverá ser de 2% do Produto Interno Bruto (PIB).

As reservas externas, que representam um retrato da capacidade de um país de pagar suas dívidas, estão caindo nas economias emergentes. Cerca de 60% dessas reservas são constituídas por dólares. Num grupo de 32 países emergentes (fora a China, mas com o Brasil), as reservas internacionais caíram US$ 50 bilhões em abril, em comparação com o fim do ano passado, para US$ 2,8 trilhões.

Isso reverte a tendência mundial de crescimento dessas reservas dos últimos anos. A expansão da economia nos emergentes tinha-as puxado a um percentual anual de 10%, graças ao crescimento da economia. Mas, neste ano, em base anualizada, a queda soma US$ 150 bilhões, o maior recuo dos últimos vinte anos.

Dos 32 países pesquisados, 20 tiveram redução de suas reservas, dos quais a Turquia registrou o recuo mais acentuado, de US$ 27 bilhões. O BC local, em dificuldades para defender a lira turca, adotou a medida pouco comum de tomar dinheiro em moeda externa junto aos bancos locais. As reservas do país estão em cerca de US$ 50 bilhões, quantia inferior às suas dívidas externas de curto prazo e que constituem um nível perigoso.

As reservas da Indonésia caíram em fevereiro e março, quando o BC interveio no mercado para conter a queda da rúpia em relação ao dólar. O risco de ficar sem divisa estrangeira, principalmente dólares, fez o governo e o BC agirem. A paralisia do setor de turismo tirou uma fonte valiosa de moeda estrangeira.

Suharso Monoarfa, ministro do Planejamento e Desenvolvimento do país, disse no fim de junho que a receita em moeda estrangeira do turismo cairia para entre US$ 3,3 bilhões e US$ 4,9 bilhões neste ano, bem abaixo dos US$ 19,7 bilhões de 2019. No começo de abril o BC indonésio formalizou com o Fed (o BC dos EUA) um acordo de recompra de US$ 60 bilhões para impulsionar a oferta de dólar, enquanto o governo emitiu US$ 4,3 bilhões em bônus em dólar no mesmo mês, inclusive um com prazo de 50 anos, o bônus em dólar mais longo já emitido por um país asiático.

Os investidores externos estão voltando aos poucos à Indonésia, o que suaviza a pressão sobre a moeda e as reservas, mas, com os casos diários de coronavírus ainda em alta, há a preocupação de que esse fluxo poderá voltar a se reverter.

No Egito, o governo se prepara para reabrir 12 destinos turísticos altamente procurados, como as pirâmides. O setor responde por 11% do PIB do país. Devido à pandemia, as reservas internacionais caíram cerca de 20% desde março. Com os novos casos de coronavírus ainda em cerca de 90% de seu pico, o governo tenta reabrir a economia.

No Brasil as exportações de petróleo e de automóveis despencaram. E a China, grande comprador de soja e carne brasileiras, levantou preocupações com a segurança do país na área sanitária.

Apesar desses problemas, os mercados financeiros se mostraram relativamente calmos assim que passou o choque inicial da pandemia, graças a medidas de estímulo tomadas pelos governos e pelos BCs. Mas, se os investidores começarem a vender ativos dos mercados emergentes em massa, a fuga de capitais poderá ser repentina.

No período de três meses encerrado em meados de maio, as moedas de Brasil, Turquia e África do Sul perderam cerca de 30% de seu valor no câmbio com o dólar, o que fez com que dívidas denominadas em dólar entrassem em escalada.

Ao mesmo tempo, as redes de proteção proporcionadas pelas principais economias e organizações internacionais são frágeis. O Fed ofereceu dólares por meio de swaps cambiais para os BCs, mas entre eles apenas o Brasil e o México estavam na categoria de mercados emergentes. A Turquia está em negociações com Washington em busca de um swap, mas os tensos laços mantidos pelo país com os EUA contribuem para a lentidão do processo de aprovação.

O Fundo Monetário Internacional (FMI), a instituição de concessão de crédito de última instância para as economias emergentes, criou uma “linha de liquidez de curto prazo” em abril. No entanto, os tomadores são limitados a países com sólidos fundamentos econômicos; até agora, nenhum dos que atendem a essas condições precisou tomar recursos. Embora 70 países já tenham acessado uma linha de crédito emergencial, o valor médio foi de só US$ 300 milhões por país.

O FMI foi criticado por não ter a velocidade e o poder de fogo financeiro para evitar uma crise. O Fundo tem uma capacidade de concessão de empréstimos de aproximadamente US$ 1 trilhão, mas apenas metade desse valor é disponível sem a aprovação dos grandes países contribuintes. E aumentar o tamanho do fundo exigiria aprovação legislativa na maioria dos países provedores de capital, o que é
pouco provável nas circunstâncias atuais.

Se o apoio de organizações internacionais e de economias de peso falhar, os problemas nas economias emergentes poderão instaurar uma crise mundial.

Até o fim de 2021, US$ 720 bilhões em empréstimos vão vencer em 29 economias emergentes, com exceção da China. O Mizuho Research Institute prevê que, se houve ruma crise da dívida, os bancos europeus, que são os maiores credores da Turquia e da América Latina, sofrerão perdas.

Fonte: Valor Econômico.

This post was published on 29 de junho de 2020

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

Uruguai estuda protocolo para incluir gado terminado com grãos na Cota Hilton

Membros do setor privado uruguaio e do Poder Executivo estão estudando a possibilidade de solicitar… Read More

8 de julho de 2020

Produção de grãos no país deve chegar a 251,4 milhões de toneladas impulsionada pela colheita de milho e soja

A produção brasileira de grãos deverá ser de 251,4 milhões de toneladas na safra 2019/2020.… Read More

8 de julho de 2020

Exportação de carne bovina dos EUA atinge em maio menor nível mensal em 10 anos

As exportações de carne bovina e suína dos Estados Unidos caíram em maio, refletindo, em… Read More

8 de julho de 2020

Marfrig lança programa de apoio a pequenos restaurantes

A brasileira Marfrig, segunda maior indústria de carne bovina do mundo, lançou hoje um programa… Read More

8 de julho de 2020

Inmet emite alerta vermelho para chuvas no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu um aviso vermelho (grande perigo) para acumulado de… Read More

8 de julho de 2020