Categories: Giro do Boi

País tem 76 startups atuando no setor do agronegócio atualmente

De acordo com o 1o Censo AgTech Startups Brasil, realizado pela Esalq/USP e o AgTech Garage, de Piracicaba o país conta atualmente com 76 startups atuando no desenvolvimento de tecnologias inovadoras para solucionar os gargalos do campo. Há cinco anos, eram só 9.

Além do aumento no número de startups, o censo aponta um aprimoramento no modelo de gestão. Se inicialmente as empresas eram formadas apenas por especialistas do campo, o que se vê hoje são quadros com profissionais de gestão e TI à mesma proporção de agrônomos.

Assim como em outros países, as startups brasileiras são caracterizadas ainda por grupos pequenos de funcionários – entre quatro e cinco em 44% dos casos. A maioria está na faixa de 31 a 40 anos de idade (44%), seguida por jovens de 26 a 30 (25%). Entre os universitários (de 21 a 25 anos) e os pré-universitários (abaixo dos 20), o percentual de empreendedores ainda é comparativamente pequeno – estão em apenas 12% e 3% das startups, respectivamente.

Apesar da tradição em ir para o mercado convencional, 21% das startups disseram que a ideia do negócio do seu fundador surgiu já na escola ou universidade. Outras 21% afirmaram que o “insight” de um novo negócio veio no antigo emprego, onde o fundador trabalhava, e para outras 20% da mera observação de outros mercados.

Ninguém ainda está captando ou ganhando rios de dinheiro nesse setor. Ao contrário dos EUA, referência em economia digital e em inovação “disruptiva”, os brasileiros ainda sofrem para levantar o capital inicial de partida. A grande maioria ainda depende de recursos próprios ou empréstimos bancários, da família, dos amigos e, em menor parte, de “anjos”. O capital de risco, via fundos de venture capital, representa menos de 5% do dinheiro captado até o momento.

Mais da metade das 76 startups agrícolas – 55,4% – ainda não gera faturamento. Segundo o censo, 18,9% dizem faturar até R$ 50 mil por ano; 12,2% mais de R$ 300 mil; e 10,8% entre R$ 100 mil e R$ 300 mil. Os 2,7% restantes declaram faturar entre R$ 50 mil e R$ 100 mil.

Fonte: Valor Econômico, resumida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

This post was published on 8 de dezembro de 2016

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

Chegou a sua chance de mudar o jogo da fazenda

Se você quer… 📍 Ter uma fazenda com mais lucro, satisfação, reconhecimento com mais harmonia.… Read More

5 de março de 2021

Uruguai: INAC considera exportar para países do Sudeste Asiático

O Instituto Nacional de Carnes (INAC) do Uruguai está explorando a possibilidade de facilitar exportações… Read More

5 de março de 2021

Senador dos EUA proporá lei que impede importação de commodities associadas a desmatamento

Os Estados Unidos deverão discutir em breve um projeto de lei para impedir que o… Read More

5 de março de 2021

Votação na Suíça pode definir peso de exigências ambientais

Pela primeira vez os suíços vão votar sobre um acordo comercial. A consulta popular a… Read More

5 de março de 2021

Rastrear fornecedores indiretos de gado demanda ‘várias engrenagens’, diz membro do comitê de sustentabilidade da Marfrig

O rastreamento dos fornecedores indiretos de gado dos frigoríficos para zerar o desmatamento nessa parcela… Read More

5 de março de 2021

Nova cepa de peste suína africana na China preocupa analistas

Uma nova cepa do vírus causador da peste suína africana (ASF) identificada na China tem… Read More

5 de março de 2021