Categories: Giro do Boi

O Walmart abriu uma planta de processamento de carne. O que isso significa para a indústria de carne bovina dos EUA?

O Walmart, o maior varejista dos EUA, está entrando no negócio de carne bovina. A empresa com sede em Arkansas fará uma mudança notável para um fornecedor de mantimentos: a abertura de uma planta de processamento construída especificamente para processar a carne Black Angus. A instalação, localizada em Thomasville, na Geórgia, é a primeira planta da empresa, de acordo com o Thomasville Times-Enterprise.

Em um comunicado à imprensa, o Walmart disse que está abrindo a instalação para processar bifes e assados Angus, que serão vendidos em 500 lojas em todo o sudeste. Enquanto a empresa diz que o controle de sua cadeia de suprimentos atenderá às demandas de transparência dos clientes, também pode haver outros fatores em jogo. Neste verão, Greg Foran, chefe do Walmart nos EUA, disse à CNN Business que as preocupações com a consolidação do setor eram um fator que levou a empresa a recuperar o controle sobre a oferta de seus produtos.

Em geral, quando supermercados como o Walmart vendem carne moída ou outros cortes no balcão, estão vendendo o produto de outra pessoa e colocando a marca nele. Atualmente, o Walmart compra principalmente carne bovina da Cargill e Tyson – duas das maiores empresas de carne de commodities do mundo. Segundo a CNN, Foran sugeriu que essa dinâmica ajudou a diminuir os preços. “Todos conhecemos a dinâmica do mercado do que acontece quando você geralmente opera em duopólio”, disse ele a analistas em junho. “Não é tão bom para o cliente.”

Isso poderia ajudar a explicar por que os grandes varejistas estão começando a recuperar pequenas porções das cadeias de fornecimento fortemente consolidadas. Ao construir uma planta de processamento de aves em Fremont, Nebraska, a Costco está rapidamente se tornando seu próprio fornecedor de frangos assados ​​- um movimento que, eventualmente, espera reduzirá os custos em 10 a 35 centavos de dólar por ave. E o próprio Walmart abriu uma planta de processamento de leite em Fort Wayne, Indiana, em 2018.

O gado Angus, criado pela primeira vez na Inglaterra em busca de uma carne com mais gordura e marmoreio, foi trazido para os Estados Unidos na década de 1870. A raça é agora a carne mais popular do país. As vendas globais crescem a cada ano e agora superam meio bilhão de quilos. O Walmart está desenvolvendo sua linha Black Angus com a 44 Farms, que se concentra na raça. A empresa de Cameron, Texas, buscará bezerros de fazendeiros que usam sua genética Angus Strong – ou seja, sêmen de touro – e os enviará para a Mc6 Cattle Feeders, uma empresa de Hereford, Texas, para terminação.

Bob McLaren, da Prime Pursuits, um fornecedor do Texas de carne Black Angus do Walmart

Depois que o gado for engordado – no Texas ou em um confinamento em Nebraska, de acordo com o The Progressive Farmer – eles serão abatidos na Creekstone Farms, especialista em Black Angus no Kansas com sua própria linha de carne bovina de marca. A partir daí, eles serão embalados e processados nas novas instalações da Walmart na Geórgia, que são operadas por uma empresa chamada FPL Food. A linha de produtos criará mais de 450 novos empregos nas instalações do Kansas e da Geórgia, disse o varejista em comunicado à imprensa.

Mas como a mudança afetará os fazendeiros dos EUA?

Em geral, uma nova instalação de processamento disponível seria vista como uma coisa boa, diz Jess Peterson, um fazendeiro de Montana e vice-presidente executivo da Associação Americana de Gado. A consolidação da indústria pode ser difícil para os pecuaristas, que geralmente têm poucas opções para comercializar seus animais. O fechamento de uma única planta pode prejudicar seus preços.

Mas esta instância é mais complicada. Como a planta é de propriedade do Walmart, que trabalha apenas com fornecedores selecionados – separando uma variedade de gado Angus em uma raça e cadeia de suprimentos específicas – a maioria dos pecuaristas, como Peterson, provavelmente será excluída. Isso também pode significar que os fazendeiros enfrentam uma concorrência mais acirrada em outros lugares. Se o Walmart depender cada vez mais de seu próprio suprimento e começar a comprar menos carne bovina, haverá menos um cliente para os quais vender.

Mas até os fazendeiros que têm a sorte de trabalhar com o Walmart enfrentam riscos, segundo Peterson.

“Antes, eles estavam entrando no grupo regular de gado para licitar e agora estão indo diretamente para o Walmart”, diz ele. “Você cria um pouco mais de demanda de oferta em uma área, mas corre o risco de um modelo de integração vertical, por outro.” Em outras palavras, um varejista verticalmente integrado – aquele que controla a cadeia de suprimentos da fazenda à prateleira – exerce muito poder sobre os fazendeiros individuais com quem faz contrato.

A ideia de integração vertical, diz Peterson, “realmente deixa nossos rapazes nervosos, e com razão.”

Ainda assim, o Walmart atualmente está se apropriando apenas de aspectos selecionados do processo de produção de carne bovina, tornando sua instalação na Geórgia um passo relativamente pequeno. Por enquanto, a empresa está focada no aspecto mais lucrativo da cadeia de suprimentos – a etapa final, em que grandes cortes de carne são divididos em tamanhos mais agradáveis ​​ao consumidor e recebem marketing atraente.

Esse último elo da cadeia, conhecido como “processamento case-ready”, não é uma das principais funções do processamento de carne, diz Derrell Peel, economista agrícola da Universidade Estadual de Oklahoma. Os chamados Big Four frigoríficos – Tyson, Cargill, JBS e Marfrig, que abatem coletivamente mais de 80% do gado americano – confiam em sua vasta escala e frequentemente enviam suas carcaças para outras empresas para criar cortes prontos para o supermercado. Como tal, é improvável que a entrada do Walmart no Black Angus atrapalhe a indústria de carne bovina.

“Os quatro grandes ainda vão abater todo o gado e vão capturar todas as eficiências de custo nesse nível”, diz ele. O Walmart, em outras palavras, está dando os retoques finais – não muito diferente da maneira como os supermercados reembalam mercadorias a granel sob suas próprias marcas genéricas ou de marca própria.

Ainda assim, a primeira investida do Walmart no processamento de carne, por menor que seja, continua sendo um grande negócio. É outro sinal de que os principais varejistas estão cada vez mais interessados ​​em avançar na cadeia de suprimentos, reduzindo a dependência de gigantes de intermediários, assumindo a propriedade onde são lucrativos e conquistando a fidelidade do cliente por meio de produtos exclusivos de marca própria.

“Vai ser muito interessante assistir, ver como isso se desenrola”, diz Peterson, o fazendeiro. “Não há dúvida de que esse modelo de varejo continuará. É assim que o futuro será. ”

Fonte: Texto de Sam Bloch, para o The New Food Economy, traduzido e adaptado pela Equipe BeefPoint.

This post was published on 16 de janeiro de 2020

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

As inscrições para o AgroTalento 2020 estão abertas!

Encerra amanhã, dia 30 de setembro, então aproveite agora e descubra os bônus inscríveis que… Read More

29 de setembro de 2020

Athena Foods está de olho no setor ovino australiano para continuar crescendo

A Athena Foods, empresa da brasileira Minerva Foods com a qual atua fora do Brasil,… Read More

28 de setembro de 2020

Arroba do gado magro limita a atuação de pecuaristas de recria e engorda

Nesta semana, o mercado de reposição apresentou morosidade de negócios entre as principais praças pecuárias… Read More

28 de setembro de 2020

Prazo para o proprietário rural entregar declaração do ITR termina no dia 30

A Declaração do Imposto Territorial Rural (ITR) 2020 deve ser entregue pelo proprietário rural até… Read More

28 de setembro de 2020

Valor pago pela carne bovina do Brasil é até 41% menor do que seus concorrentes

Estudo do Centro de Inteligência da Carne Bovina (CiCarne) da Embrapa apontou que o preço… Read More

28 de setembro de 2020