Categories: Entrevistas

“O pecuarista deve ficar mais próximo, motivar e sempre valorizar sua equipe” – Carmen Perez

O BeefPoint realizou um grande evento – BeefSummit Bem-estar Animal – no dia 8 de maio de 2014, no Centro de Convenções do Ribeirão Shopping, na cidade de Ribeirão Preto/SP.

O evento teve a participação especial de Temple Grandin – pesquisadora que é referência mundial em bem-estar animal, também teve palestras inovadoras, com o Prof. Mateus Paranhos da Costa e pecuaristas que são referência nas práticas de bem-estar animal no Brasil.

Estes profissionais compartilharam casos de sucesso e aprendizados nesta área que cresce, a cada dia, dentro da cadeia produtiva da carne. E para fechar o dia com chave de ouro realizamos a entrega do Prêmio BeefPoint 2014 – Edição Bem-estar Animal, que homenageou pecuaristas, profissionais, vaqueiros e pesquisadores que são referência em BEA no Brasil.

O público escolheu por meio de votação online, o vencedor de cada categoria. Assim, para você – leitor BeefPoint – conhecer melhor os finalistas desse prêmio, nós preparamos uma entrevista com cada um deles!

Conheça Carmen Perez, finalista na categoria Produtor Referência em Bem-estar Animal e palestrante do evento.

Carmen Perez vem de uma família sem nenhuma tradição com pecuária e sim tradição com o mercado sucroalcooleiro. A fazenda no Mato Grosso foi apenas uma consequência de investimento em terras.

Aos 22 anos, sem uma formação acadêmica na atividade, mas como uma paixão pelo campo, por cavalos e pela natureza; Carmen migrou de São Paulo com coragem e determinação para o Mato Grosso, assumindo uma fazenda cheia de desafios.

BeefPoint: Por que decidiu adotar medidas de bem-estar animal em sua propriedade? Teve o apoio de alguma empresa e/ou profissional da área? Carmen Perez: A forma que encontrei de conhecer a fazenda, conhecer os pastos, os animais e minha equipe foi andando a cavalo, então andava o dia inteiro conhecendo a maternidade, o curral e via antigamente cenas de terror, funcionários dando paulada e gritando com as vacas. Na terceira vez que fui  a maternidade eles deram uma pancada em uma vaca e ela sangrou muito, essa situação me deixou muito contrariada e deprimida então decidi procurar um outro método. Assim, conheci o Doutor Fernando Andrade que é médico veterinário e consultor da minha fazenda, ele me indicou o professor Mateus Paranhos, e também conheci a fazenda do Senhor Helvécio – um senhor que tem uma fazenda em Goiás uma fazenda simples mas bem estruturada, e eu senti uma paz, uma calma, uma facilidade no manejo que me facinou, me comoveu e me inspirou. Conheci também a desmama que ele faz com o contato visual das mães com os bezerros separados por uma cerca elétrica. Na maternidade eles não usam laço, os funcionários tem muito bom-senso. Então retornei para casa e pedi o curso para o professor Mateus, preparei minha equipe  antes da chegada deles e mostrei a importância dessa mudança de conceito, para que meus funcionários aceitassem como um desafio e não como uma ofensa, e a aceitação foi ótima. O Chico meu capataz disse ao professor Mateus: “Vocês mudaram minha vida, mudou a forma como eu enxergo os animais”. Eu sinto que a pecuária é muito tradicional que as técnicas foram passadas de pai pra filho, então antigamente o correto era gritar e bater e isso precisa mudar. Após o treinamento houve uma grande mudança, mas na minha opinião, é preciso mudar a cabeça das pessoas, dos líderes da fazenda e dos funcionários, pois de nada adianta currais muito estruturados se a equipe não colabora. É muito importante que nós pecuaristas, capatazes , vaqueiros – pessoas que vivem da pecuária –  tenhamos respeito pelos animais, pois uma vida digna  é o mínimo que podemos oferecer a eles. BeefPoint: Quais técnicas/práticas você desempenha em sua fazenda que resultou em bons resultados, quando o tema é bem-estar animal? Carmen Perez: Não gosto de  falar de números, pois vejo o bem-estar animal como uma obrigação, mas a partir do momento que você começa a praticar o manejo racional o trabalho flui, você não perde animais, não tem acidentes com sua equipe e o ambiente de trabalho fica mais tranquilo. Uma prática, é que antes de qualquer manejo no curral nós deixamos o brete aberto e passamos todo o lote para depois começarmos o manejo de fato, pois acho que isso facilita o trabalho, pois o animal passando uma vez com o brete aberto ele percebe que está livre e que vai sair dali, então  a vaca não deita e não refuga, os animais passam com mais facilidade. Outra mudança, é que antigamente a fazenda parecia uma escola de samba do Rio e Janeiro, muitos gritos  então acho que o silêncio trouxe tranquilidade para os animais e para gente. Na maternidade  fiz um curralzinho quadrado de madeira que puxa o animal pra dentro, para facilitar a “pega”. A desmama com contato facilitou muito, também reduzi os lotes, mudei a minha tropa – não tenho mais burros, só cavalos –  e adotei o uso da bandeira, mas é preciso muito cuidado com ela para que ela não vire escudo ou ferrão. Sou vendedora de bezerros, então meus clientes comentam que meus animais são dóceis e de fácil manejo, eles não tem problema com manejo. Na maternidade não há atropelamentos, nem maus tratos, no embarque não há contusões. Assim, tive melhorias em todos os indicadores zootécnicos. O manejo racional mudou o patamar da minha fazenda. BeefPoint: Conte pra nós qual a aceitabilidade de sua equipe quanto às técnicas de bem-estar animal? Como é feito o treinamento de seus funcionários? Carmen Perez: A aceitação foi grande mas ela depende de como nós gestores colocamos a situação, mostrei pra eles que o manejo ia ser mais leve, uma transformação trabalho após trabalho. Uma dificuldade com os vaqueiros é que a rotatividade é alta, mas sempre que contrato um novo funcionário eu explico como é nosso manejo e ele aprende na prática como é a rotina de nossas fazendas. Mas nunca devemos baixar a guarda, a jornada de aprendizado é longa, precisamos sempre fazer treinamentos de reciclagem, enfim, nunca devemos cair na rotina. BeefPoint: Todos sabemos que aprendemos mais com nossos erros. O que fez e deu errado? Você poderia nos contar? Carmen Perez: Meu maior erro é que no começo me preocupei muito com a estrutura da fazenda, foquei demais em infraestrutura e esqueci de focar na equipe, mas foi um grande aprendizado, com isso aprendi a acompanhar mais minha equipe. Não podemos descansar nunca, sempre devemos incentivar, desafiar e motivar nossa equipe. BeefPoint: Qual inovação e/ou novidade no setor você mais gostou dos últimos anos? O que estamos precisando inovar? Carmen Perez: Precisamos inovar e melhorar a troca de informações, pois de nada adianta termos muitas informações se elas não são usadas e compartilhadas. Falta ter mais respeito com os animais. BeefPoint: Quais seus planos para 2014? Carmen Perez: Quero muito deixar minha fazenda no mesmo nível da fazenda do Sr. Helvécio, não quero mais usar laço em minha propriedade, quero  evoluir muito em manejo racional, quero mostrar para os funcionários a importância de não conversar no curral, quero incentivar minha equipe ainda mais. BeefPoint: Qual o maior desafio da pecuária brasileira hoje? Carmen Perez: O maior desafio é levar a informação de forma efetiva para a equipe, devemos fazer mais reuniões e estar mais perto da equipe, coletar as dúvidas da equipe e tentar solucioná-las, fazer reuniões quinzenais e assíduas com o time. BeefPoint: Qual o exemplo de profissional dessa área você mais admira? Carmen Perez: Admiro o trabalho da Fazenda Mundo Novo, pois eles trabalham com muita calma e tranquilidade com os animais. BeefPoint: Qual seu recado para os pecuaristas? Carmen Perez: Que eles fiquem mais próximos, motivem e valorizem suas equipes e tratem os animais como o “pão de amanhã” e os respeitem por isso. Tenham um olhar de mais amor para os animais. Compre o DVD e assista já a palestra de Carmen Perez no BeefSummit Bem-estar Animal

This post was published on 14 de maio de 2014

Share

View Comments

Recent Posts

Aula AO VIVO hoje 19h: As 7 estratégias da fazenda expressão, com lucro e legado

Hoje é a Aula 4: Intensivão AgroTalento: as 7 estratégias da fazenda expressão, com lucro… Read More

22 de outubro de 2020

China retomará importação de frigoríficos suspensos no início da pandemia

A China deve anunciar nos próximos dias a retomada das importações de carne dos quatro… Read More

21 de outubro de 2020

Acordos com EUA podem elevar exportações de manufaturados em até 12%, diz embaixada do Brasil

As exportações brasileiras para os Estados Unidos podem aumentar 7,8%, como resultado do acordo de… Read More

21 de outubro de 2020

BNDES sobe o tom em disputa com a JBS

A dez dias da assembleia extraordinária de acionistas que decidirá se a JBS deve processar… Read More

21 de outubro de 2020

‘Ataque à imagem do Brasil veio para ficar’

As ações do que o governo identifica como parte de uma campanha para manchar a… Read More

21 de outubro de 2020

Crescem vendas da Korin nas áreas de insumos e aditivos

A Korin Agricultura e Meio Ambiente, braço de pesquisa, consultoria e produção de insumos da… Read More

21 de outubro de 2020