Rússia divulga lista de frigoríficos brasileiros reabilitados a exportar a seu mercado
24 de novembro de 2021
VI Simpósio de leite a pasto acontece dia 25 de novembro, on-line, e conta com palestra de Miguel Cavalcanti
24 de novembro de 2021

O colostro não é apenas para bezerros leiteiros

Normalmente, quando pensamos em dar colostro, pensamos em uma fazenda de gado leiteiro. No entanto, é tão importante certificar-se de que bezerros recém-nascidos estão recebendo colostro adequado em uma operação de corte quanto em uma operação leiteira. O colostro é o “primeiro leite” produzido pela mãe e é rico em imunoglobulinas para ajudar o bezerro a sobreviver a doenças e infecções até que seu próprio sistema imunológico amadureça. O colostro também é uma ótima fonte de energia, vitaminas, células brancas do sangue e fatores de crescimento para o bezerro.

Para uma transferência passiva adequada, os bezerros devem receber de 10% a 12% de seu peso corporal no colostro na primeira alimentação nas primeiras quatro horas de vida. Após seis horas, ocorre um declínio progressivo na eficiência de absorção. O processo de transferência passiva termina 24 horas após o nascimento. É importante observar que, após o nascimento de um bezerro, a estimulação oral inicia o relógio de transferência passiva.

Falha de transferência passiva

A falha da transferência passiva ocorre quando o bezerro não absorve uma quantidade adequada de imunoglobulina do colostro. A prevalência de falha de transferência passiva em bezerros de corte varia de 11% a 31% na América do Norte. Embora os rebanhos de corte normalmente deixem a Mãe Natureza cuidar de garantir que os bezerros recebam colostro adequado, você pode considerar intervir e ajudar os bezerros que não parecem estar amamentando adequadamente. Os bezerros que apresentam falha na transferência passiva têm maior probabilidade de adoecer ou morrer nos primeiros dois meses de vida do que os bezerros com imunidade adequada.

Um estudo realizado em rebanhos de corte em Quebec mostrou que a falha na transferência passiva dependia do nível de assistência que o bezerro recebia durante a amamentação. Havia 221 animais em seu estudo. Noventa e quatro bezerros não tiveram assistência, 105 foram conduzidos à mãe para amamentar e 22 foram alimentados com mamadeira. A taxa de falha de transferência passiva foi de 22,3%, 18,1% e 4,6%, respectivamente. Neste estudo, os animais que receberam colostro na mamadeira tiveram o menor percentual de falha de transferência passiva; bezerros que não receberam assistência ou não foram conduzidos à mãe para alimentação tiveram maior chance de falha na transferência passiva.

Embora dar mamadeira a todos os bezerros possa não ser prático, ajudar aqueles que parecem estar lutando pode ajudar em seus resultados financeiros. A falha na transferência passiva pode prejudicar sua lucratividade devido aos custos adicionais associados ao tratamento, redução do ganho de peso e aumento do risco de mortalidade de bezerros. O custo total médio por bezerro de corte com falha de transferência passiva é estimado em US $ 95, com uma variação de US $ 24 a US $ 166.

Ao se preparar para a estação de parto neste ano, pense em maneiras de melhorar seu programa de alimentação com colostro. Que mudanças você pode fazer em sua operação para garantir que seus bezerros tenham uma boa base? Estar presente em todos os momentos de parto para garantir que os bezerros recebam colostro adequado logo após o nascimento ajudará a minimizar a taxa de falha de transferência passiva de sua fazenda e prepará-lo para o sucesso.

Fonte: BEEF Magazine, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *