Categories: Giro do Boi

Novas projeções do USDA para 2021/22puxam alta e preços de grãos em Chicago

As perspectivas do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) para a safra 2021/22 apresentadas na semana passada no Agriculture Outlook Forum puxaram para cima as cotações dos grãos — soja, milho e trigo — negociados na bolsa de Chicago nesta segunda-feira.

Os lotes do trigo com entrega para maio subiram 2,17% (14,25 centavos de dólar), para US$ 6,6975 o bushel. No levantamento, o USDA apresentou a projeção de queda de 4 milhões de toneladas nos estoques de trigo, para um total de 19 milhões, ao fim de 2021/22. O clima nas regiões produtoras americanas também segue no radar dos operadores.

Na semana passada, temperaturas abaixo de -20ºC nos EUA afetaram a rede de energia e impediram que os produtos chegassem aos pontos de transbordo, o que puxou altas das cotações.

Nas negociações de soja, os contratos para maio subiram 0,54% (7,5 centavos de dólar) nesta segunda, a US$ 13,875 o bushel.

Segundo as projeções do USDA, as estimativas de estoque são de 3,95 milhões de toneladas de soja em 2021/22, acima das 3,27 milhões calculadas para a temporada atual. Esse volume é resultado de uma previsão de colheita de 123,15 milhões de toneladas. Na safra 2020/21, a estimativa de produção ficou em 112,54 milhões.

No caso do milho, a queda semanal nos embarques americanos não foi suficiente para puxar os preços para baixo. Os papéis para maio avançaram 1,62% (8,75 centavos de dólar), para US$ 5,505 o bushel.

Na semana encerrada em 18 de fevereiro, os americanos embarcaram 1,23 milhão de toneladas de milho, informou hoje o USDA, com base em inspeções feitas nos portos do país. Esse volume é 6,3% menor que o dos sete dias anteriores. No anosafra em curso, porém, os embarques cresceram para 23,9 milhões de toneladas; na safra anterior, eles ficaram em 13,31 milhões de toneladas.

Os dados do USDA apresentados no Agriculture Outlook Forum mostram perspectiva de que a colheita de milho em 2021/22 nos EUA alcançará 384,43 milhões de toneladas, acima das 360,24 milhões em 2020/21. Já os estoques finais devem cair, passando de 39,42 milhões nesta temporada para 38,15 milhões de toneladas ao fim de 2021/22.

Fonte: Valor Econômico.

This post was published on 23 de fevereiro de 2021

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

Minerva quer zerar até 2035 suas emissões de carbono

A Minerva Foods, maior exportadora de carne bovina da América do Sul, anunciou ontem que… Read More

16 de abril de 2021

Indústria de bacon vegetal atrai investimento de Robert Downey Jr.

A ascendente indústria de proteínas de base vegetal atraiu o Homem de Ferro. O ator… Read More

16 de abril de 2021

Pesquisadora brasileira vai criar a primeira carne cultivada do País

A pesquisadora Bibiana Matte, da Núcleo Vitro, está desenvolvendo a primeira carne cultivada do País.… Read More

16 de abril de 2021

Milho: clima ruim na América do Sul provoca forte alta em Chicago

A Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) para  milho fechou a sessão desta quarta-feira, 14,… Read More

16 de abril de 2021

Goiás registra queda no abate bovino no 1º trimestre

Segundo dados do Serviço de Inspeção Estadual de Goiás, o abate de bovinos no estado… Read More

16 de abril de 2021

Ministros das Américas debatem transformação sustentável de sistemas agroalimentares

Ministros e secretários da Agricultura das Américas participaram nesta quinta-feira (15) da 3ª Reunião Hemisférica… Read More

16 de abril de 2021