Categories: Giro do Boi

Nova Zelândia: rastreabilidade obrigatória entra em vigor

O sistema de identificação eletrônica para bovinos entrou em vigor a partir de 1o de julho na Nova Zelândia o que significa que, por lei, os produtores serão obrigados a identificar todos os animais com um dispositivo de identificação por radiofrequência (RFID).

O esquema de Identificação Animal Nacional e Rastreabilidade (NAIT) deverá melhorar os sistemas de identificação animal e rastreabilidade da Nova Zelândia. “Estou satisfeito que o NAIT já tem cerca de 30 mil pessoas e suas propriedades registradas em uma base de dados”, disse o ministro das Indústrias Primárias, David Carter.

“O NAIT é um passo significante na proteção de nossos produtores rurais no mercado internacional. Com a maioria das outras nações produtoras agrícolas já tendo rastreabilidade computadorizada de seus animais, a Nova Zelândia simplesmente não pode ficar se permitir ficar para trás. A rastreabilidade em toda a vida do animal é uma vantagem que a Nova Zelândia pode aproveitar como parte de sua reputação internacional de produtor de alimentos nos mais altos padrões. É também uma oportunidade aos produtores para aumentar a produtividade identificando animais superiores”.

O porta-voz da Federated Farmers Board, Anders Crofoot, disse que o grupo se opõe ao esquema obrigatório. “Nossa posição é que isso seria muito melhor como um regime voluntário. Isso seria mais fácil e custo-efetivo para implementar”.

Crofoot disse que a Federated Farmers aceitou que o NAIT será aplicado e o grupo agora pretende tornar esse processo o mais fácil possível aos produtores. Uma de suas principais preocupações tem sido o custo, com os produtores tendo que pagar cerca de US$ 2 ou US$ 3 a mais pelos identificadores de orelha que se encaixem ao NAIT do que os identificadores não eletrônicos usados atualmente.

A reportagem é do TheCattleSite, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

This post was published on 2 de julho de 2012

Share

View Comments

  • A Nova Zelandia esta vendo na necessidade da implantação da rastreabilidade bovina não apenas um ônus, mas uma oportunidade de qualificação do seu produto e de modernização da atividade. Em linha com o que o Uruguai e outros paises produtores estão fazendo. Construindo programas baseados em identificação individual dos animais e em bancos de dados nacionais. Agora com a incorporação em larga escala da identificação eletrônica. Na minha opinião estão indo na direção certa. Espero que consigamos acompanhar o pelotão da frente.

Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

Produção de carne bovina nos EUA cai 21% em abril por conta do coronavírus

Desde o início da pandemia do novo coronavírus, a produção de carne nos Estados Unidos… Read More

25 de maio de 2020

Fechada para clientes, churrascaria assa carne na calçada na zona leste de SP

Desde as 3h deste domingo cerca de 80 quilos de costela permaneceram rodeadas de fogo,… Read More

25 de maio de 2020

Marfrig tem 25 casos positivos de covid-19 em funcionários de unidade de Várzea Grande (MT)

A Marfrig Global Foods foi notificada sobre testes positivos para covid-19 em 25 funcionários de… Read More

25 de maio de 2020

Ajustes em frigoríficos vieram para ficar, afirma especialista

As medidas de segurança adotadas no ambiente frigorífico para tentar mitigar o risco de contaminação… Read More

25 de maio de 2020

Cadeia de fornecimento da indústria de carnes está falhando, mas fazendas menores ainda podem atender às necessidades dos consumidores nos EUA

Will Harris ficou alarmado com as notícias de produtores sacrificando seus animais porque matadouros e… Read More

25 de maio de 2020

Brasil alcança abertura de 60 mercados para produtos agropecuários

O Brasil alcançou a marca de 60 mercados externos abertos para produtos agropecuários desde janeiro… Read More

25 de maio de 2020