Categories: Giro do Boi

Nomeação para Meio Ambiente gera atrito entre militares e ruralistas

A definição do futuro titular do Ministério do Meio Ambiente tornou-se um dos principais problemas do presidente eleito Jair Bolsonaro. Os ruralistas defendem a nomeação de alguém ligado ao setor para a pasta e o nome de Evaristo de Miranda está sendo articulado pelo senador e atual ministro da área, Blairo Maggi. Miranda é pesquisador e chefe da Embrapa Territorial, mas enfrenta forte resistência dos militares que integram a equipe de transição.

Bolsonaro retornou nesta terça-feira à capital federal, para dar continuidade à maratona de visitas institucionais e tentar fechar a equação na formação do primeiro escalão de seu governo. Segundo o Valor apurou, os militares entendem que a indicação de Miranda jogará fora o plano ambiental elaborado ainda durante a campanha do então candidato do PSL à Presidência da República. Alguns militares chegaram a sinalizar que deixarão de integrar o governo, caso a nomeação seja confirmada.

A dificuldade maior de Bolsonaro reside no fato de que, ao lado dos parlamentares evangélicos e da chamada bancada da bala, favorável à flexibilização do estatuto do desarmamento, os deputados e senadores ligados ao agronegócio exercerão papel estratégico na sustentação do novo governo.

A frente parlamentar da agropecuária já conseguiu evitar que Bolsonaro unificasse as pastas da Agricultura e do Meio Ambiente, ideia defendida durante a campanha eleitoral e no início do processo de transição, sob o argumento de que a medida poderia atrapalhar as vendas do setor ao exterior. Mas não desistiu de controlar a área de Meio Ambiente, lutando para que ela não seja dominada por organizações não governamentais (ONGs) e ambientalistas considerados radicais.

Conforme já revelado pelo Valor, Miranda é muito ligado ao agronegócio e nome de preferência do setor. Chegou, inclusive, a ser sondado se aceitaria fazer parte do governo. Ele é conhecido por estudos nas áreas de ecologia e georreferenciamento de dados.

A questão é que a ala de militares da equipe de Bolsonaro considera a preservação da Amazônia como questão de segurança nacional. Com base em estudos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e de várias universidades brasileiras, esta ala acredita que se o desmatamento da Amazônia continuar no ritmo atual poderá comprometer o clima das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, ou seja, as áreas mais densamente povoadas do país.

Os militares consideram importante acabar com o que chamam de “indústria da multa” e agilizar a concessão de licenças ambientais, mas defendem que o governo adote uma política que não incentive o desmatamento, mas a preservação e o uso racional do solo. Eles também consideram inconcebível que obras sejam paralisadas e projetos de infraestrutura não sejam concluídos devido à demora na liberação de licenças ambientais.

Fonte: Valor Econômico.

This post was published on 21 de novembro de 2018

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

Exportações de carne bovina do Uruguai estão se recuperando

As exportações uruguaias de carne bovina se recuperaram no primeiro trimestre de 2021 quando comparadas… Read More

14 de abril de 2021

Estudo: Produção bovina pode diminuir emissão de GEE até 50% através de práticas eficientes

Uma equipa de investigação liderada pela Universidade Estadual do Colorado descobriu que a indústria da… Read More

14 de abril de 2021

Exportações de carne em março aumentam 37,7% em relação ao mês anterior em MT

As exportações mato-grossenses de carne bovina em março de 2021 aumentaram 37,7% em relação a… Read More

14 de abril de 2021

MS está entre os estados com maior adoção de sistemas de integração e plantio direto no Brasil

Na semana em que celebramos o Dia Nacional da Conservação de Solos, Mato Grosso do… Read More

14 de abril de 2021

Carne bovina: ‘Brasil pode passar a exportar 35% da produção em breve’

A arroba do boi gordo segue em alta nos mercados físico e futuro. Quem vê… Read More

14 de abril de 2021

Frigoríficos brasileiros operam com margens abaixo de 3%, diz fonte

A disparada do boi e o cambaleante mercado doméstico reduziram as margens dos frigoríficos a… Read More

14 de abril de 2021