Categories: Giro do Boi

No embalo da China, exportação de carnes deve crescer em 2021

Puxadas pela demanda chinesa, as exportações de carne bovina deverão ter mais um ano positivo em 2021, conforme o cenário traçado pelo banco holandês Rabobank, em evento virtual realizado ontem.

Nas projeções da instituição financeira, a produção nacional de carne bovina, que caiu em meio à restrição de oferta de gado pronto para o abate, pode se recuperar no ano que vem, uma perspectiva que não é consensual entre analistas e executivos de frigoríficos.

De acordo com a equipe de análise do banco de origem holandesa, a produção deverá alcançar 10,4 milhões de toneladas no ano que vem, ante as 10,1 milhões previstas para este ano, ao passo que as exportações, que permanecem aquecidas em 2020, tendem a subir de 2,5 milhões para 2,6 milhões de toneladas.

Mas esses avanços dependem, é claro, de como vai evoluir a segunda onda da covid-19 nos principais mercados, do ritmo da retomada econômica no Brasil e no exterior depois que a doença estiver sob controle e do comportamento do câmbio. Conforme o Valor já informou, a volta do lockdown em vários países da Europa derrubou os preços da carne bovina no continente, e enfraqueceu a demanda pela proteína.

No caso do mercado brasileiro, reformas que ainda esperam a vez para serem votadas no Congresso também podem influenciar a economia como um todo e o consumo de carnes, conforme o Rabobank.

Segundo o IBGE, no primeiro semestre a produção de carne bovina recuou 5% em relação ao mesmo período de 2019. Mesmo com uma certa recuperação em curso, o volume tende a diminuir 3,5% no acumulado do ano. Para o Rabobank, essa redução deve favorecer a recuperação do rebanho bovino e melhorar a oferta de animais no ano que vem – embora o ciclo pecuário ainda seja atualmente de baixa produção.

De acordo com o banco, o aumento do número de frigoríficos brasileiros habilitados a exportar para a China, que pode ocorrer no curto ou no médio prazo, é outro fator positivo para o segmento. De janeiro a outubro, a China se manteve como o principal destino dos embarques brasileiros de carne bovina, seguida por Hong Kong e Egito. Juntos, esses três mercados absorveram 64% das vendas totais.

China também é o nome do jogo na área de carne suína, que deverá voltar a colecionar resultados positivos em 2021. Nos cálculos do Rabobank, a produção brasileira deverá aumentar de 4,1 milhões de toneladas, em 2020, para 4,2 milhões no ano que vem, e as exportações poderão subir de 1,1 milhão para 1,2 milhão de toneladas.

Neste ano, as compras do país asiático, cuja oferta doméstica ainda sofre com os reflexos da peste suína africana, têm representado quase metade dos embarques. Incluindo Hong Kong, a participação chega a 67%. De janeiro a outubro, graça à dupla, a receita das exportações do Brasil registrou alta de quase 50%.

Também entrou no radar do mercado a chegada da peste suína na Alemanha, pela fronteira com a Polônia. Com isso, foram suspensas as vendas alemãs à China. Agora, o vírus bate nas portas de Holanda, Dinamarca e Espanha, o que poderá reduzir a disponibilidade de carne suína no comércio internacional.

No segmento de carne de frango, finalmente, as perspectivas do Rabobank são de estabilidade em 2021. O banco estima incrementos de 1% na produção, para 13,827 milhões de toneladas, e também nas exportações, para 3,926 milhões de toneladas.

O banco lembrou que a Arábia Saudita, que historicamente liderava as importações de carne de frango do Brasil, desde 2019 vem reduzindo as compras para cumprir as metas de autossuficiência do governo – até 2025, o objetivo é que a produção doméstica cubra 80% do consumo, ante os atuais 60%.

Mesmo com uma expectativa de aumento de 15% na produção chinesa de carne de frango este ano, após incremento de 10% em 2019, os embarques brasileiros para o país asiático se mantiveram crescentes e, mais uma vez, o apetite chinês poderá ser o fiel da balança em 2021.

Menores crescimentos nos volumes exportados, contudo, têm sido compensados pela maior liquidez no próprio mercado brasileiro, onde o frango é a proteína mais consumida pela população, em boa medida porque seus preços são mais baixos que os das carnes bovina e suína. No entanto, a forte alta dos preços dos grãos que compõem a ração pressiona a rentabilidade dos frigoríficos.

Fonte: Valor Econômico.

This post was published on 26 de novembro de 2020

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

INAC promove carne uruguaia em restaurantes da China

O Instituto Nacional de Carnes (INAC) vem desenvolvendo campanhas na China com restaurantes e empresas… Read More

8 de março de 2021

Número de mulheres dirigindo propriedades rurais no Brasil alcançou quase 1 milhão, segundo dados do Mapa, Embrapa e IBGE

O número de mulheres dirigindo propriedades rurais no Brasil alcançou quase 1 milhão. A partir… Read More

8 de março de 2021

Exportações de carne bovina recuaram em fevereiro

As exportações brasileiras de carne bovina (in natura e processada) alcançaram 124,5 mil toneladas e… Read More

8 de março de 2021

Vai um bife por US$ 1mil? É de laboratório

“Garçom, um filab mal passado, por favor”. Um bife de laboratório, cultivado a partir de… Read More

8 de março de 2021

Novas regras para manejo de pastagens no Pantanal em MT

Depois que incêndios consumirem 30% dos 6 milhões de hectares do Pantanal que ficam em… Read More

8 de março de 2021

Fazenda Futuro terá Alexandre Ruberti, ex-Red Bull, no comando da operação nos EUA

A brasileira Fazenda Futuro, startup de proteínas vegetais do empresário Marcos Leta, está expandindo as… Read More

8 de março de 2021