MLA divulga projeções para indústria de carne da Austrália

Gado Australia 1Foto: http://www.lifehacker.com.au.

A indústria de carne bovina australiana provavelmente continuará da mesma forma que no ano passado na primeira metade de 2017 – fornecimento apertado, demanda robusta de reabastecimento e a subsequente probabilidade de um forte mercado de bovinos jovens, de acordo com as últimas projeções da indústria de gado do Meat and Livestock Australia (MLA). À medida que o ano avança, entretanto, a produção de carne bovina deverá começar lentamente a aumentar novamente e, com isso, pode haver alguma pressão de queda no mercado.

As expectativas são de um declínio adicional de 3% nos abates australianos de bovinos em 2017, para 7,1 milhões de cabeças. Embora esta seja uma queda significativa, é menor do que a queda vista nos últimos 12 meses, que foi de 19%.

Apesar das previsões de animais levemente mais pesados, a produção de carne bovina australiana deverá seguir o exemplo e diminuir 3%, para 2,1 milhões de toneladas. Novamente, é na primeira metade do ano que é mais provável ver ofertas mais apertadas e a produção provavelmente vai começar lentamente a se reconstruir a partir de então.

O de animais confinados deverá permanecer limitado pelos ainda muito elevados preços dos animais para engorda, que fecharam em 2016 80% acima dos níveis médios anteriores à subida. Embora os preços do gado de entrada permaneçam caros, o consolo vem de preços de grãos mais baratos da Austrália e, nesse cenário, as previsões são de que o gado permaneça em engorda por 10 a 30% a mais do que poderia ficar caso isso não ocorresse. O resultado geral é a expectativa de que o número animais em confinamento será de 700-750.000 cabeças por trimestre, e os abates de pouco mais de 2,5 milhões de cabeças (35% dos abates totais de adultos).

Gado Australia 2Foto: http://www.lifehacker.com.au.

Com relação aos preços, o mercado australiano está seguindo um padrão semelhante ao que ocorreu nos EUA, embora há 1-2 anos. Uma vez que o mercado dos EUA rompeu com sua faixa de negociação média de longo prazo, levou pouco mais de dois anos para atingir uma alta, antes de levar 15 meses para perder grande parte dos ganhos. Entretanto, os EUA se estabilizaram 38% acima do nível anterior, o que potencialmente indica um novo piso.

Embora os preços do gado australiano também tenham levado dois anos para atingir um pico, apenas os estágios muito iniciais de um declínio são iminentes e uma importante flexibilização dos preços provavelmente aguardará um mercado de gado mais equilibrado (provavelmente a partir de 2018), à medida que a produção aumenta e a pressão de reabastecimento recua. Hipoteticamente, se a Austrália seguir o mesmo padrão do que ocorreu nos Estados Unidos, e levando em conta outros fatores, como a produção global e as previsões de preços de bovinos/carne bovina, o mercado de gado australiano poderia ver uma queda de 20-40% com relação ao pico, ainda que se fixe em uma magnitude similar acima da média dos últimos 10 anos.

As exportações australianas de carne bovina e de carne de vitelo provavelmente acompanharão a menor produção de carne bovina e deverão diminuir mais 5% em 2017. Embora esta deva ser a terceira queda consecutiva, continuará a ser o quinto maior volume de exportação registrado.

O mercado interno está mostrando sinais mais fortes e o consumo de carne per capita na Austrália deverá crescer ligeiramente em 2017, chegando perto de 26kg por pessoa.

As exportações de gado vivo também continuarão a ser desafiadas pelo menor pool de gado bovino (especialmente no norte), pela resistência de alguns mercados aos níveis de preços atuais e pela contínua incerteza em torno das políticas de importação. Para 2017, as exportações de gado vivo deverão ser de 800 mil cabeças, 24% a mais – seguindo o declínio de 21% ocorrido no ano passado.

Fonte: MLA, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.


ou utilize o Facebook para comentar