Categories: Giro do Boi

Ministra da agricultura da Alemanha pede que frigoríficos trabalhem horas extras para escoar animais alojados em fazendas

A ministra da Agricultura da Alemanha pediu na sexta-feira (27) que os frigoríficos trabalhem nos finais de semana e feriados para lidar com o acúmulo de animais nas fazendas durante a crise do coronavírus.

As estimativas da indústria são de que 590.000 animais, especialmente suínos, estão esperando para serem abatidos na Alemanha, disse a ministra da Agricultura, Julia Kloeckner. Subsídios estatais para armazenar carne não vendida são uma opção, mas não planejados imediatamente.

“A situação foi agravada por causa das restrições relacionadas à corona sobre a capacidade de abate em toda a UE”, disse Kloeckner em uma reunião online de associações de agricultores.

A Alemanha endureceu os regulamentos trabalhistas e de saúde em matadouros e frigoríficos após os surtos de Covid-19.

As associações de produtores reclamam da redução da capacidade de abate e, principalmente, que os suínos precisam ser mantidos por mais tempo nas fazendas, embora já estejam prontos para a venda, o que causa queda nos preços.

As proibições de importação de carne suína alemã impostas pela China e outros países depois que a peste suína africana foi encontrada em javalis na Alemanha também deprimiram os preços.

“Os preços também estão sob pressão nos países vizinhos da Alemanha, especialmente Bélgica, Holanda e Dinamarca, porque a perda das exportações de terceiros pela Alemanha é um fardo para todo o mercado interno (UE)”, disse Kloeckner.

O governo está buscando aumentar a capacidade de abate. O aumento da carteira de animais foi interrompido à medida que mais capacidade de abate foi colocada em operação.

Kloeckner disse que pediu ao ministro do Trabalho da Alemanha uma aplicação mais flexível dos regulamentos de trabalho em matadouros, incluindo trabalho aos domingos e feriados.

As associações de agricultores querem subsídios estatais para armazenamento privado para armazenar carne não vendida, acrescentou ela.

Kloeckner disse que não excluiu essa opção, mas o momento é importante. Isso não seria sensato durante o período de Natal, quando a demanda por carne é alta.

“Meados de janeiro seria um momento adequado, já que a demanda neste período provavelmente será fraca”, disse ela.

Fonte: Reuters.

This post was published on 27 de novembro de 2020

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

Como melhorar a relação com o pai (ou outra pessoa da família) na fazenda?

Vem aí o primeiro Intensivão Legado 2021 sobre sucessão familiar na fazenda. Um dos nossos… Read More

15 de janeiro de 2021

Uruguai adota mais medidas preventivas contra Covid-19 em frigoríficos

Uma equipe público-privada multidisciplinar projetou medidas adicionais para os frigoríficos do Uruguai, buscando evitar os… Read More

15 de janeiro de 2021

Gestora KPTL faz aporte de R$ 3 milhões na startup de rastreabilidade Ecotrace

A KPTL, uma das principais gestoras de venture capital do Brasil, anunciou hoje um investimento… Read More

15 de janeiro de 2021

Marfrig reduz dívida com geração forte de caixa nos EUA

A extraordinária geração de caixa nos EUA viabilizará a redução da dívida bruta da Marfrig.… Read More

15 de janeiro de 2021

Emissão de certificados sanitários para produtos de origem animal cresce 18% em 2020

O Serviço de Inspeção Federal (SIF) registrou o aumento de 18% na emissão de certificados… Read More

15 de janeiro de 2021

Mapa abre consulta pública sobre habilitação de estabelecimentos e trânsito de produtos de origem animal

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) publicou, nesta quinta-feira (14), a Portaria nº 198 que… Read More

15 de janeiro de 2021