Categories: Giro do Boi

Minerva quer voltar a pagar dividendos

Na Minerva Foods, maior exportadora de carne bovina da América do Sul, o tempo dos dividendos está mais próximo. Após uma década de crescimento sustentado por dívidas – remunerando os credores, sobretudo internacionais -, a empresa fará uma oferta de ações de R$ 1,4 bilhão. A ideia é que, com os recursos da emissão, o grupo reduza a dívida, o que poderá viabilizar a distribuição de dividendos já em 2020, apurou o Valor. Procurada, a empresa não quis comentar.

Com o patrimônio líquido negativo em R$ 767 milhões – as obrigações superam o valor dos ativos -, a Minerva distribuiu dividendos pela última vez em abril de 2017. Foram R$ 60,1 milhões, referentes ao resultado do ano anterior. De lá para cá, a empresa só teve prejuízos, relacionados ao maior endividamento para adquirir frigoríficos na América do Sul e também pelo impacto da apreciação do dólar sobre o valor em reais da dívida em moeda estrangeira. Entre janeiro e setembro de 2019, a Minerva acumulou prejuízo de R$ 227 milhões.

A expectativa, porém, é que esse cenário se altere com a captação. Do total de R$ 1,4 bilhão da oferta de ações, R$ 1,1 bilhão reforçará o caixa da companhia. O restante ficará com os Vilela de Queiroz, que venderão 15 milhões de ações. A oferta total é de 95 milhões de ações (80 milhões de novos papéis serão emitidos). A previsão é que a operação seja concluída até o começo de fevereiro.

A oferta de ações, comunicada no fim da noite de quarta-feira, enterra de vez o projeto de abrir o capital da subsidiária Athena Foods, que reúne os negócios da Minerva fora do Brasil, na bolsa de Santiago, no Chile. Essa operação, que injetaria mais de R$ 1 bilhão no caixa da empresa, já estava na berlinda.

Em maio do ano passado, o IPO da Athena foi adiado em razão das condições adversas do mercado e, no fim do ano, a crise política no Chile e a eleição de Alberto Fernandez à presidência da Argentina azedaram o humor dos investidores. O país do Mercosul responde por um terço das vendas da Athena. Como um todo, a Minerva fatura R$ 18 bilhões ao ano – desse total, a subsidiária responde por cerca de 40%.

Ao emitir novas ações no Brasil, a Minerva contorna a inviabilidade do IPO no Chile e, de quebra, ampliará a liquidez dos papéis na B3, tendo em vista que a família Vilela de Queiroz, que controla a companhia, venderá parte de suas ações na oferta (ver mais em Ajustes na hoding dos Vilela de Queiroz ). Como o interesse dos investidores na Minerva já vinha aumentando – na esteira das mudanças provocadas pela peste suína africana na China -, fontes próximas à empresa creem que o grupo poderá ingressar no Ibovespa em maio, quando a composição do índice será atualizada.

Entre os investidores, a oferta de ações da Minerva foi bem recebida, a despeito da diluição que a operação pode provocar. Na B3, as ações da empresa subiram 4,1% ontem, a R$ 14,99. Nos últimos doze meses, o papel subiu 176%. Nesse período, o volume de negócios com as ações também aumentou, passando de uma média diária de R$ 11 milhões para R$ 29 milhões. Ontem, o volume ficou acima da média, perto de R$ 124 milhões.

Se tudo correr como o planejado, a Minerva reduzirá o índice de endividamento rapidamente. Em setembro, a relação entre a dívida líquida e o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) estava em 3,8 vezes. Somado à geração de caixa, o montante que será levantado com a oferta de ações (R$ 1,1 bilhão) permitirá reduzir o índice a menos de 3 vezes.

Além disso, a companhia tem um aumento de capital da ordem de R$ 800 milhões já contratado, o que levaria o índice de alavancagem para um patamar confortável, perto de 2 vezes, estimou uma fonte. Esse montante adicional, que entrará no caixa da Minerva até 2021, é reflexo do bônus de subscrição dado aos acionistas que participaram da capitalização feita no fim de 2018, quando o endividamento havia disparado e o grupo teve de recorrer ao sócios – notadamente a gestora saudita Salic e os Vilela de Queiroz – para arrumar as contas.

Desde então, a situação operacional melhorou na maior parte dos países onde a Minerva produz carne bovina – o Uruguai é a exceção, devido aos preços elevados do gado. Com o ritmo acelerado das exportações de carne do Brasil e também da Argentina, a Minerva vem gerando caixa, mas o peso das dívidas ainda a impedia de remunerar o acionista, um incômodo prestes a terminar.

Fonte: Valor Econômico.

This post was last modified on 17 de janeiro de 2020 9:58

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

Depois do AgroTalento, conheço meu faturamento e meus custos

Tarso Lang é natural de Santiago e é engenheiro agrícola.. Sua fazenda se localiza no município de Itacurubi. Sua relação… Read More

19 de fevereiro de 2020

Minerva Foods lucrou R$ 243 milhões no quarto trimestre

Impulsionada pela forte demanda asiática - especialmente da China -, a Minerva Foods reportou ontem um lucro líquido de R$… Read More

19 de fevereiro de 2020

Relatório do INAC mostrou que 18 de 25 frigoríficos uruguaios tiveram perdas em 2019

Em uma reunião tripartida realizada quinta-feira entre a indústria frigorífica e a Federação dos Trabalhadores da Carne e Afins (Foica),… Read More

19 de fevereiro de 2020

Crescente comércio de carne bovina da América do Sul tropeça por coronavírus

Os exportadores de carne da América do Sul, entre os maiores beneficiários de uma doença que mata porcos na China,… Read More

19 de fevereiro de 2020

Maturatta Friboi protagoniza churrasco que entra para o Guinness Book

Vinte e três mil porções de carne bovina servidas em oito horas. Essa é a marca que levou o BBQ… Read More

19 de fevereiro de 2020

JBS anuncia acordo para aquisição da Empire Packing nos Estados Unidos

A JBS S.A. comunicou que sua subsidiária indireta JBS USA celebrou um acordo de aquisição de participação acionária com a… Read More

19 de fevereiro de 2020