Categories: Giro do Boi

México anunciou a abertura de seu mercado para carnes argentinas

Ao final da visita de três dias ao México, os governos da Argentina e do México anunciaram a abertura do mercado mexicano às carnes argentinas, principal realização comercial de sua visita ao país asteca, que cimentou sua aliança estratégica com o presidente Andrés Manuel López Obrador.

O acordo, concluído durante as reuniões de trabalho no México e celebrado pela delegação presidencial e na Argentina, implica a recuperação de um mercado para a indústria e o campo que havia sido fechado pela febre aftosa. A abertura se deu por decisão política de López Obrador. O México dará à Argentina as mesmas condições do Uruguai: um representante do Serviço Nacional de Saúde, Segurança e Qualidade do México (Senasica) viajará a Buenos Aires para desenvolver, junto com as autoridades do Senasa, as etapas a seguir para a implantação dos protocolos e habilitar estabelecimentos frigoríficos.

A abertura do mercado de carnes fechou com boas notícias uma turnê que havia sido ofuscada pelo escândalo da vacinação VIP. Fernández tirou do México não só esse avanço comercial, mas também o apoio de López Obrador nas negociações com o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o apoio de empresários locais para sua gestão, especialmente Carlos Slim, chefe do Grupo Carso e os mais ricos homem na América Latina, com investimentos em telecomunicações no país.

Além do acordo sobre carnes, os governos de ambos os países “concordaram com a necessidade de revisar e modernizar a relação econômica e comercial bilateral, e concordaram em instruir suas equipes a iniciar negociações comerciais o mais rápido possível com o objetivo de alcançar um acordo comercial abrangente e ambicioso ”. E ambos os governos concordaram em fortalecer a cooperação técnica na agricultura, incluindo a transferência de tecnologia de sacos de silos.

A indústria frigorífica esperava há muito a abertura do mercado mexicano. O México tem uma relação comercial muito próxima com os Estados Unidos que inclui carne: exporta gados em pé, que são engordados e processados na primeira potência global, e depois carne de lá. O presidente do Consórcio dos Exportadores de Carnes, Mário Ravetino, comemorou a decisão: “É uma boa notícia em um mercado que há muito almejamos e uma nova possibilidade de exportação de carne do país”.

Fonte: La Nación, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

This post was published on 25 de fevereiro de 2021

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

Exportações de carne bovina do Uruguai estão se recuperando

As exportações uruguaias de carne bovina se recuperaram no primeiro trimestre de 2021 quando comparadas… Read More

14 de abril de 2021

Estudo: Produção bovina pode diminuir emissão de GEE até 50% através de práticas eficientes

Uma equipa de investigação liderada pela Universidade Estadual do Colorado descobriu que a indústria da… Read More

14 de abril de 2021

Exportações de carne em março aumentam 37,7% em relação ao mês anterior em MT

As exportações mato-grossenses de carne bovina em março de 2021 aumentaram 37,7% em relação a… Read More

14 de abril de 2021

MS está entre os estados com maior adoção de sistemas de integração e plantio direto no Brasil

Na semana em que celebramos o Dia Nacional da Conservação de Solos, Mato Grosso do… Read More

14 de abril de 2021

Carne bovina: ‘Brasil pode passar a exportar 35% da produção em breve’

A arroba do boi gordo segue em alta nos mercados físico e futuro. Quem vê… Read More

14 de abril de 2021

Frigoríficos brasileiros operam com margens abaixo de 3%, diz fonte

A disparada do boi e o cambaleante mercado doméstico reduziram as margens dos frigoríficos a… Read More

14 de abril de 2021