Categories: Espaço Aberto

Mercado de carne: Para onde vamos? – Por Por Heverardo Carvalho

Em época de pandemia mundial e incertezas econômicas, o mercado de carne bovina parece estar conseguindo driblar os desafios. As projeções para o setor seguem otimistas e o cenário mundial deve favorecer os produtores brasileiros.

Os Estados Unidos, atual maior produtor de carne bovina do mundo, tem sofrido diversos impactos da crise do coronavírus. Em seu último relatório o USDA (Departamento de Agricultura dos EUA), reduziu suas previsões anuais para produção de carne bovina, à medida que surtos de vírus entre trabalhadores forçam as fábricas a fechar ou diminuir a velocidade. O Departamento prevê que o total produzido pelo país será o menor pela primeira vez desde 2014 e 2015, respectivamente.

Do outro lado do mundo, a China, maior comprador mundial, deve continuar com importação expressiva de carnes bovina até o fim deste ano. O USDA estima que o país deve comprar 2,5 milhões de toneladas – volume 15% maior que no ano anterior. Isso porque, com baixa produção de carne suína em 2020, em virtude de muito produtores atingidos pela pandemia que resulta em altos preços do produto, muitos consumidores chineses vão optar pela carne bovina como uma proteína alternativa.

E o Brasil no meio disso tudo isso? Já somos os maiores exportadores de carne bovina desde 2004 e temos o maior rebanho comercial do mundo, que pode suprir toda essa demanda deixada especialmente pelos EUA.

As divulgações recentes da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec), indicam que as exportações de carne bovina devem superar em 2020 o recorde de 7,6 bilhões de dólares registrado no ano passado, mesmo diante da crise do coronavírus, isso porque os países que tiverem as cadeias mais organizadas, como o Brasil, vão ter a chance de aumentar sua participação em mercados globais.

O presidente da Associação dos Criadores de Nelore do Brasil (ACNB), também considera que o sólido avanço da pecuária de corte no país nas últimas décadas leva a crer que seremos o maior produtor mundial de carne bovina em cinco anos, superando os EUA.

Mas e você, pecuarista, como surfar nessa onda de crescimento? Há só um caminho: o melhoramento genético. Graças ao investimento em genética realizado por criadores, a pecuária brasileira consegue, ano a ano, oferecer ao mercado animais cada vez mais jovens, com carcaças mais pesadas e com um melhor acabamento de gordura. Foi o melhoramento, por exemplo, que trouxe evoluções significativas para raça Nelore, que hoje é considerada mãe da nossa pecuária.

Para garantir a rentabilidade do sistema é necessário melhorar índices zootécnicos ligados à reprodução e ao peso dos animais. Como idade ao primeiro parto (precocidade), intervalos de partos, peso do bezerro aos 120 dias, à desmama, entre outros.

Todos esses critérios de seleção, significam uma coisa: mais rentabilidade no final do processo. Por isso é fundamental que os pecuaristas invistam e considerem o melhoramento genético como um ponto crucial no seu negócio. Sem ele, o criador não conseguirá atender exigências do mercado como qualidade da carne, acabamento de carcaça, entre outros, e não poderá aproveitar as boas projeções para o setor nos próximos anos.

A Alta Genetics, líder mundial do segmento, investe anualmente 1,5 milhão de reais em treinamento de sua equipe para oferecer ao produtor atendimento técnico de qualidade que vai suportar suas tomadas de decisão na fazenda. A chave do sucesso é justamente esse conhecimento técnico, somado a produtos de qualidade, que podem entregar resultados superiores da porteira para dentro.

Analisamos todos os aspectos do cliente, onde está e onde quer chegar, para combinar então com programas que vão ajudar a identificar os melhores touros para aquela realidade, e permitir ganhos de produtividade, qualidade e rentabilidade.

Portanto, mesmo que tenhamos um cenário negativo a curto prazo, as perspectivas para o mercado brasileiro para os próximos anos são extremamente positivas, e as decisões para que se aproveite essa subida, devem ser tomadas agora. Então não se esqueça, melhoramento genético é necessidade para todos.

Por Heverardo Carvalho, Diretor da Alta Genetics do Brasil, publicado no CenárioMT.

This post was published on 21 de maio de 2020

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

Como melhorar a relação com o pai (ou outra pessoa da família) na fazenda?

Vem aí o primeiro Intensivão Legado 2021 sobre sucessão familiar na fazenda. Um dos nossos… Read More

15 de janeiro de 2021

Uruguai adota mais medidas preventivas contra Covid-19 em frigoríficos

Uma equipe público-privada multidisciplinar projetou medidas adicionais para os frigoríficos do Uruguai, buscando evitar os… Read More

15 de janeiro de 2021

Gestora KPTL faz aporte de R$ 3 milhões na startup de rastreabilidade Ecotrace

A KPTL, uma das principais gestoras de venture capital do Brasil, anunciou hoje um investimento… Read More

15 de janeiro de 2021

Marfrig reduz dívida com geração forte de caixa nos EUA

A extraordinária geração de caixa nos EUA viabilizará a redução da dívida bruta da Marfrig.… Read More

15 de janeiro de 2021

Emissão de certificados sanitários para produtos de origem animal cresce 18% em 2020

O Serviço de Inspeção Federal (SIF) registrou o aumento de 18% na emissão de certificados… Read More

15 de janeiro de 2021

Mapa abre consulta pública sobre habilitação de estabelecimentos e trânsito de produtos de origem animal

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) publicou, nesta quinta-feira (14), a Portaria nº 198 que… Read More

15 de janeiro de 2021